Emerson Martins precisa assumir que o time é ele e mais 10: Série D ainda não acabou. Se acabar, apenas em 2020.

4 x 4: Gols, muitos gols. Show da torcida. Garra do time. Ceilândia torce por milagre.

Defesa tomou quatro gols em um jogo: quando foi mesmo que isso ocorreu?
Defesa tomou quatro gols em um jogo: quando foi mesmo que isso ocorreu?

O Ceilândia empatou com a Aparecidense em 4 x 4 na tarde deste sábado e está praticamente fora da segunda fase da Série D 2017. Somente uma improvável combinação de resultados mantém chances do Ceilândia ir para a última rodada com alguma possibilidade de se classificar. Pragmaticamente: o Ceilândia não tem mais chances de se classificar. Essa é a dura realidade.

A Aparecidense fez 2 x 0. Mirandinha diminuiu...
A Aparecidense fez 2 x 0. Mirandinha diminuiu…

Apesar do resultado adverso, a torcida alvinegra terminou o jogo gritando Ceilândia, Ceilândia.  Foi um jogo maluco. A Aparecidense começou melhor. Aos poucos o Ceilândia foi se acertando no jogo e equilibrou as ações. Quando o Gato Preto tentava assumir o controle da partida, o imponderável mostrou-se presente.  Uma bola fácil para Wendell. O goleiro deixou-se trair pela bola e Nonato não perdoou: 20 minutos e Ceilândia 0 x 1 Aparecidense.

Mirandinha teria sido melhor recompensado se, neste lance, tivesse empatado o jogo
O esforço de Mirandinha teria sido melhor recompensado se, neste lance, tivesse empatado o jogo

O Ceilãndia sentiu o gol.  A Aparecidense mostrou-se mais equilibrada e passou a rondar a área alvinegra com perigo. Não demorou muito e aos 24, Aleilson  fez Aparecidense 2 x 0. As esperanças alvinegras desapareciam com menos de 30 minutos de jogo. Mas a torcida alvinegra já havia visto este filme antes.

Emerson Martins empatou logo no começo do segundo tempo... Ceilândia voltaria a ficar dois gols atrás no marcador
Emerson Martins empatou logo no começo do segundo tempo… Ceilândia voltaria a ficar dois gols atrás no marcador

Mesmo depois do segundo gol, a Aparecidense continuava  melhor. Consistente em todos os aspectos, o time goiano rodava a área alvinegra e um frio percorria a espinha de quem estava nas arquibancadas. Tudo parecia indicar que o Ceilândia seria goleado. O Gato Preto, contudo, era valente, sempre foi valente. Se o time estava em um dia ruim, não faltava, como nunca faltou, vontade.  O imponderável compensou o esforço. Emerson Martins bateu de longe. A bola chocou-se contra a trave e se ofereceu-se  para Mirandinha diminuir.  Ceilândia 1 x 2 Aparecidense e 31 minutos do primeiro tempo.

O Ceilândia foi sempre um time lutador, mas a Aparecidense sempre pareceu melhor
O Ceilândia foi sempre um time lutador, mas a Aparecidense sempre pareceu melhor

O panorama do jogo não mudou. O Ceilândia era todo vontade, a Aparecidense era melhor. Na força, na vontade, o Ceilândia poderia ter empatado, mas o goleiro adversário defendeu a conclusão cara a cara de Mirandinha. A história do confronto poderia ser outra. O “se”, contudo, não joga. O “se” é de uma crueldade sem tamanho.

Cocada fez uma bela campanha em 2018, mas o Ceilândia sofreu muitos gols: 7 em dois jogos apenas contra Aparecidense
Cocada fez uma bela campanha em 2018, mas o Ceilândia sofreu muitos gols: 7 em dois jogos apenas contra Aparecidense

Veio o segundo tempo, o Ceilândia foi todo ao ataque. Depois de tanto insistir, em apenas 4 minutos do segundo tempo, Emerson Martins empatou o jogo. A torcida se inflamou. O Ceilândia foi todo ao ataque. No contra-ataque e apenas seis minutos depois do empate, a Aparecidense voltou a ficar novamente à frente do marcador: Belo gol de Uederson e  Ceilândia 2 x 3 Aparecidense.

Kasado provavelmente foi a grande revelação de 2018. Emerson Martins, provavelmente, o grande nome apesar do mau começo na D-2018
Kasado provavelmente foi a grande revelação de 2018. Emerson Martins, provavelmente, o grande nome apesar do mau começo na D-2018

A torcida do Ceilândia assumiu a responsabilidade de levar o time à frente, mas em novo contra-ataque a Aparecidense deixou o sonho da classificação ainda mais difícil: 22 minutos do segundo tempo e Alex Henrique fez  Ceilândia 2 x 4 Aparecidense. Impossível, diriam… mas não para esse time.

Limitações à parte, dificuldades à parte, o Ceilândia foi sempre valente.  Aos  28 do segundo tempo, Pedrinho aproveitou um dos poucos contra-ataques cedidos pela Aparecidense e novamente deu esperanças à torcida do Ceilândia. A chuva não foi capaz de afugentar a C13 e os apaixonados alvinegros. O Ceilândia precisava virar. Lutou, lutou, lutou…  o tempo passou, passou, passou….

Emerson Martins precisa assumir que o time é ele e mais 10: Série D ainda não acabou. Se acabar, apenas em 2020.
Emerson Martins precisa assumir que o time é ele e mais 10: Série D ainda não acabou. Se acabar, apenas em 2020.

Aos 48, Kasado empatou o jogo novamente. Em duas oportunidades o Ceilândia esteve dois gols atrás no marcador. Nas duas vezes buscou o empate contra tamanha diferença. Mas não deu.  O árbitro apitou o final da partida.  A torcida reconheceu o esforço e gritou Ceilândia, Ceilândia. O Ceilândia é valente, foi valente… mas não conquistou pontos suficientes para chegar em melhores condições na última rodada. É possível? No plano matemático, é possível. Sejamos sinceros: a torcida continua, mas é preciso encarar a dura realidade: resta defender a honra alvinegra. Vamos a Sinop pela honra de torcer e pela honra de defender essas cores.

 

Comentarios

Comentarios