Ceilândia empata: atuação foi melhor que o resultado

Ceilândia sofreu com a forte marcação exercida pelo Real no começo da partida

O Ceilândia empatou na estreia do Candangão. Jogando na manhã deste domingo, com a presença de um bom público no Abadião, o Gato Preto não passou de um empate contra o Real em um jogo no qual, excetuando-se os 25 primeiros minutos iniciais, foi sempre melhor que seu adversário. O Ceilândia não encheu os olhos, mas em início de temporada é sempre bom ver que o time tem potencial para mais.

Luciano Mandi ganha pelo alto. Ceilândia demorou a equilibrar o jogo

O Real começou melhor. O time azul começou com uma marcação alta e enquanto teve forças para manter esse tipo de marcação esteve melhor que o Ceilândia. O Ceilândia sentiu a marcação forte do adversário e tinha enormes dificuldades para sair jogando. Felipe e Cocada, na defesa, Gago e Helinho, no meio, não tinham espaço nem tempo para pensar.

Wallace esteve bem e quase abriu o marcador.

O adversário tinha a iniciativa do jogo e passou a rondar a área alvinegra, mas sem criar oportunidades de gol. A principal chance na primeira metade da etapa inicial, como não poderia deixar de ser, esteve com o Real. Erro do Ceilândia na saída de bola que Daniel mandou para fora.

Ronaldo deixou o campo lesionado: Ceilândia teve que improvisar

Após os minutos iniciais, o Ceilândia foi aos poucos foi se assentando no jogo. Embora não criasse situações claras de gol, o alvinegro foi empurrando o Real para o seu campo de defesa. Melhor na segunda parte da etapa inicial, o Ceilândia já conseguia fazer a transição defesa-ataque sem a pressão do Real. O Gato Preto poderia ter aberto o marcador, mas a defesa salvou gol certo de Walllace.

Erisson foi improvisado na lateral.

Veio o segundo tempo e o Ceilândia continuou melhor. Com um jogo de posse de bola, o Gato Preto tinha o domínio das ações, mas na primeira subida do Real ao ataque o placar foi aberto. Falta na intermediária direita de defesa lançada na área e Eduardo cabeceou para fazer Real 1 x 0.

David Dener teve a difícil missão de ser “boi de piranha”: Muita luta

O Ceilândia manteve o padrão. Continuou com a posse de bola. O Real pouco chegava e nas vezes que o fez dependia da bola parada ou do chute de longa distância. O Ceilândia era melhor, mas o gol não saía.

Felipe começou errando alguns passes. Depois, comandou a defesa e assustou a todos ao cair.

De tanto insistir, o gol de empate veio como consequência de uma série de escanteios. A bola passou por todos na área e Gabriel, que entrara no lugar de Luciano Mandi, empatou.

Gabriel (18) empata: Ceilândia melhor na maior parte do jogo

 

Depois do gol, o Ceilândia continuou com o domínio. Poderia ter vencido, mas as conclusões eram sempre contestadas pela defesa do Real. Não houve oportunidades claras.

Comemoração dura pouco: Ceilândia já pensa no Bolamensel.

No final, o resultado não expressou o domínio que o Ceilândia exerceu na maior parte do jogo. A atuação do Gato Preto foi melhor do que aquilo que ele colheu em campo. O campeonato está apenas começando.

Comentarios

Comentarios