Muita calma nessas horas! Que venha o Formosa!

Jairo: o time voltou diferente no segundo tempo. Desequilibrado pela esquerda

O Ceilândia não esteve mal diante do Gama. A maior parte da torcida discorda e tem uma série de argumentos para firmar essa convicção. Não há a pretensão de ser o dono da verdade, mas apenas de debater visões opostas.

Kabrine teve importante função no segundo tempo. Mandi entrou em seu lugar, mas o Ceilândia já não era o mesmo

O primeiro tempo foi igual. O Gama começou melhor, mas Victor não trabalhou. Parava na intermediária. No cômputo geral, o Ceilândia teve ao menos duas situações de gol, ambas com Murilo, que também apareceu em chute da entrada da área.

Formiga não é o maior craque que já vestiu a camisa alvinegra, mas é um jogador inteligente taticamente e faz falta

O problema veio no segundo tempo. Das duas, uma:

a) Ou Vilson Tadei arrumou o lado esquerdo da defesa do Gama, por onde Murilo, Helinho e Gago conseguiam infiltração
b) Ou o Ceilândia optou ou foi forçado a jogar pela direita de defesa do Gama.

 

Murilo foi a melhor opção de ataque no primeiro tempo: aqui, conclui para o gol.

O fato é que o Ceilândia não criou jogadas de gol como no primeiro. Não estamos dizendo que no primeiro tempo foram claras situações de gol, mas que Murilo chegou ao menos duas vezes em condições de chutar, chegou. E isso é um avanço considerado com jogos anteriores. Chegar ao gol adversário em jogadas estruturadas.

Não é a mesma sequência: Murilo chega novamente. Ceilândia fez bom primeiro tempo

O gol do Gama foi aos 12. Até então o Ceilândia sequer conseguira tocar passes. É verdade.  Também é verdade que a bola no travessão veio em cobrança de falta discutível, mas que os árbitros marcam. Nunes dá muito trabalho. E isso ocorreria.

Romário foi criticado por sua falta de movimentação. Deixou o corredor livre e, para se movimentar, o Ceilândia precisaria chegar ao ataque com mais homens.

Também é verdade que após o gol o Ceilândia foi para cima do Gama. Criou situações claras de gol? Não, não criou.  As melhores oportunidades no segundo tempo foram do Gama. Não se pretende tapar o sol com a peneira.

Cocada foi muito elogiado. Zagueiro tem seus méritos, mas o Gama vinha em bola longa. Nesse caso, mérito dividido com o meio.

É uma questão de consistência e intensidade… o Ceilândia tem tido dificuldade para ganhar consistência ofensiva e, em menor proporção, defensiva. E não se pode falar em intensidade sem antes ganhar essa consistência.

Michel fez sua melhor partida. Helinho manteve o nível alto de sempre. Ceilândia está se encontrando no meio

Quem viu todos os jogos sabia que o Ceilândia não estava no mesmo nível de consistência defensiva e ofensiva que o Gama. Nesse particular o resultado não surpreende.

Helinho contra cinco do Gama: para furar esse muro é preciso consistência (persistência) e intensidade.

Quem viu todos os jogos sabe que não estamos no mesmo nível de Gama e Brasiliense. Estamos acima dos níveis de alguns concorrentes e  e no mesmo nível dos demais… mas há uma diferença: a camisa! Aqui ainda é Ceilândia!

 

Comentarios

Comentarios