De Tatu a Badhuga: 30 anos de história

Tatu tem seu nome na história do CEC
Tatu tem seu nome na história do CEC

O Ceilândia se prepara para a grande final. Enquanto isso há algumas indefinições quanto ao dispositivo para a grande partida, incluindo segurança, venda de ingressos e alocação dos torcedores. O Estádio é pequeno e formalmente comporta 1500 pessoas. Não se sabe ao certo quantos ingressos serão colocados a venda, nem quantos ingressos serão (ou se serão) reservados para a torcida do Brasiliense.

Neste post destaque para o zagueiro Tatu. Tatu foi um dos titulares do time do Ceilândia nos idos de 1979 e 1980. Atualmente

Luiz Carlos: jogando simples, tem sido discreto e seguro
Luiz Carlos: jogando simples, tem sido discreto e seguro

mora em Aguas Lindas, onde leva uma vida muito simples. De qualquer maneira tem o seu nome na história.

Outro que é candidato a ter seu nome na história, agora como campeão, é Luiz Carlos, também conhecido como Badhuga. Revelado no Brasiliense onde foi treinado por Adelson de Almeida, é talvez a grande revelação do campeonato. Autor de três gols, tomou apenas um cartão a competição inteira.

Comentarios

Comentarios

One comment

  1. Sou torcedor do Brasiliense e morador de Taguatinga.

    Afirmo que o Abadião que cabe 4000 pessoas é muito pequeno para uma final desse porte, já que Ceilândia é uma Região Administrativa gigante, ainda mais os torcedores do Brasiliense que sempre vão em peso. Já prevejo o tumulto aí no Abadião. Tomara que façam um estádio que Ceilândia mereça !

    E no mais, parabéns ao CEC pela brilhante campanha no Candangão !

Join the Conversation