Rogerinho marca para o Gato: empate no primeiro turno

Tropeço no Abadião: 1 x 1

A defesa mostrou que não falta disposição
A defesa mostrou que não falta disposição

O Ceilândia não conseguiu vencer o Luziânia em partida válida pela segunda rodada do primeiro turno do Campeonato Metropolitano 2012 (Taça JK). Diferente das outras partidas realizadas este ano, pode-se dizer que Ceilândia e Luziânia foi uma verdadeira partida de futebol. A cobrança em torno do resultado é muito mais fruto da expectativa gerada por uma equipe que deseja ser campeão e não pode perder ponto em casa.

Na maior parte do tempo  o Luziânia tomou a iniciativa do jogo, mas não foi jogo de uma equipe só. Houve diversas alternâncias no decorrer da partida, o que a deixou interessante para quem a assistia. Dimba não jogou.

Rogerinho comemora: CEC tropeçou em casa
Rogerinho comemora: CEC tropeçou em casa

Nem bem o jogo começou e o lateral Gustavo foi à linha de fundo e cruzou para Rogerinho abrir o marcador.  Nos próximos minutos o Ceilândia foi melhor, mas o Luziânia rapidamente tomou as rédeas da partida.  Ao tomar as rédeas da partida não signifca que o Luziânia levava perigo à meta do Ceilândia. Não, na verdade o Ceilândia se defendia e era perigoso nos contra-ataques.

O problema é que aos poucos se percebia que o meio de campo do Ceilândia nao sabia como se portar diante da movimentação do meio de campo do Luziânia. Aos 15 minutos parecia que o gol do Luziânia seria apenas uma questão de tempo. O meio de campo do CEC marcava mal. Estava óbvio que a rotação exercida pela lateral esquerda do Luziânia confundia os volantes do Ceilândia que saiam para dar combate mais à frente, deixando as costas desguarnecidas.

André Oliveira: volantes bem defensivamente, mas com problemas na saída de bola
André Oliveira: volantes bem defensivamente, mas com problemas na saída de bola

Ricardo Oliveira aproveitou que a bola parou antes da cobrança de escanteio e chamou Gustavo para pedir que fechasse o corredor, batendo ala com ala. Pena que não deu tempo. Na cobrança do escanteio, Zé Ricarte mandou uma bomba no canto esquerdo de Pedro e empatou a partida.

Veio o segundo tempo e o CEC voltou melhor. Na verdade o segundo tempo foi mais equilibrado, com as equipes se alternando no domínio da partida. O CEC poderia ter marcado o segundo se Tety não tivesse errado um gol aos 2 minutos do segundo tempo.

Pedro: defesa importante no primeiro tempo
Pedro: defesa importante no primeiro tempo

Foi uma boa partida de futebol, mas revelou detalhes que incomodam. Em boa parte das iniciativas do CEC,  era o zagueiro Badhuga quem tinha que iniciar a jogada. Em ao menos duas dessas jogadas o CEC cedeu contra-ataques perigosos ao adversário. Outro detalhe que incomodou foi o número excessivo de passes errados executados pelos volantes do Gato. Sabe-se que no futebol nem sempre o erro que se vê é o erro que ocorre. No caso dos problemas do meio de campo estava óbvio que a mudança de posicionamento de Gustavo devolveu equilíbrio ao CEC, por exemplo.

Outro detalhe que incomodou foi o fato de o CEC não ganhar disputas no mano-a-mano no campo ofensivo. Ao CEC parece que falta atacar com a mesma disposição com que defende. O sistema defensivo do CEC pode ter uma série de defeitos, mas mostrou que ninguém entra na área do CEC com facilidade ou completa uma jogada inteiro. De qualquer sorte, o resultado foi ruim, mas ficaram lições importantes.

O CEC jogou com Pedro, Gustavo, Badhuga, Panda, Liel e Wallison (Anchieta); Daniel, André Oliveira (Thiago Eciene), Rogerinho; Cassius (China) e Tety.

Related Images:

Comentarios

Comentarios

3 comments

  1. Ricardo Oliveira deve estar maluco! “O resultado foi bom, pela circunstância que enfrentamos e a situação que estamos para nós foi muito bom esse resultado de 1 a 1. Até porque seguramos o Luziânia. Na realidade foi um empate com gosto de vitória”. Em qual time ele pensa que está?

Join the Conversation