CEC joga apenas um tempo e empata: 2 x 2

Dimba finaliza para empatar: empate suado
Dimba finaliza para empatar: empate suado

O Ceilândia precisou usar de toda a sua força para arrancar um empate heróico diante de um apenas limitado Ceilandense na tarde deste domingo, no Abadião.

O jogo nem bem começou e o Ceilandense mostrou a que vinha. Marcando em seu próprio campo e preparado para os contra-ataques contando com a habilidade do atacante Léo Gabiru, o Ceilandense procurava explorar os erros alvinegros.

Com Allan Dellon marcado e Didão recuando constantemente para as linhas de volantes, o CEC era um time sem inspiração. O resultado dessa apatia era que o CEC dava constantes contra-ataques para o Ceilandense, mas o adversário era incapaz de criar situação de perigo para a meta de Pedro.

Léo Gabiru passa por Daniel: CEC foi mal no primeiro tempo
Léo Gabiru passa por Daniel: CEC foi mal no primeiro tempo

Ao contrário, o CEC esteve próximo de abrir o marcador quando Didão, meio querendo, meio sem querer, acertou o poste direito da meta rubronegra. Apesar da boa conclusão, o Ceilandense rodeava mais o gol do Gato. Num desses lances, Léo Gabiru foi derrubado dentro da área. Penalti que Thiago Ferreira converteu. Eram 18 minutos.

Após o gol, o Ceilandense recuou quase que por completo. O Ceilândia até que chegou próximo do empate, mas nas duas oportunidades o goleiro adversário salvou as conclusões de Liel e Dimba.

O primeiro tempo encaminhava para o a vitória parcial do Ceilandense por 1 x 0, mas a arbitragem viu penalti na bola que cruzada tocou no braço esquerdo de Panda. Muita reclamação alvinegra. Thiago Ferreira não tinha nada a ver com isso e fez 2 x 0.

Claudionor foi dominado por Adriano. Reconhecimento pelo esforço, mas o time precisa de resultados.
Claudionor foi dominado por Adriano. Reconhecimento pelo esforço, mas o time precisa de resultados.

Veio o segundo tempo e Adelson colocou Luiz Fernando e Alcione tirando Breno e Daniel. O Ceilândia foi para o abafa. Mesmo assim não conseguia se aproximar da meta rubronegra. Adriano ganhava todas.

A torcida sentia a necessidade da entrada de Cassius no lugar do então esforçado, mas inoperante Claudionor. O tempo passou e a torcida ficava impaciente porque o CEC era incapaz de criar situações de gol.

Tudo mudou aos 20 minutos quando Cassius entrou, mas no lugar de Diego Marangon. Na primeira bola Cassius ganhou de Adriano. Na segunda, ganhou novamente. Na terceira, Adriano chutou tudo o que podia, mas Cassius aguentou o tranco. O domínio de Adriano na grande área acabara.

Dimba comemora o gol de empate: na valentia
Dimba comemora o gol de empate: na valentia

Aos 30, num bate e rebate dentro da área, Liel tocou para Dimba diminuir. O CEC continuou melhor, mais no coração que na técnica. Aos 35 Dimba recebeu uma entrada criminosa, mas arbitragem deu apenas cartão amarelo para o defensor rubronegro.

Aos 40, Allan Dellon foi derrubado na área. No mesmo lance, Claudionor também foi derrubado. A arbitragem mandou seguir.

Aos 48, novo bate e rebate na área. A bola sobrou para Dimba. Com o artilheiro do Gato não há muita conversa. Gol do Ceilândia. Empate na raça, mas pouco para quem quer ser o melhor do campeonato.

O CEC jogou com Pedro, Breno (Alcione), Panda, Liel e Felipe. Daniel(Luiz Fernando), Diego Marangon (Cassius) , Didão e Allan Dellon. Dimba e Claudionor.

Related Images:

Comentarios

Comentarios

3 comments

  1. Arbitragem muito ruim. Deu um penalti que não foi, a bola bateu na mão de Panda. Deixou de expulsar o 3 do Ceilandense, que poderia quebrar a perna do Dimba. Não deu um penalti claro no Claudionor. Permitiu o cai-cai do Ceilandense o jogo inteiro.

Join the Conversation