De cabeça erguida, mas quase fora: Gama 3 x 1

Mal o jogo começou e o Gama apresentava o cartão de visitas
Mal o jogo começou e o Gama apresentava o cartão de visitas

O futebol tem razões que a própria razão desconhece. Só isso explica o que aconteceu no Bezerrão na noite deste sábado.

Ceilândia e Gama entraram em campo naquele que seria o septuagésimo primeiro confronto entre dois dos mais tradicionais times do Distrito Federal.  Em campo mais tradição que rivalidade.

O Gama foi perigoso nos minutos iniciais, mas logo o CEC assumiu o controle da partida
O Gama foi perigoso nos minutos iniciais, mas logo o CEC assumiu o controle da partida

O Gama não vencia o Ceilândia desde 2010. Jogando em sua casa, a escrita era ainda maior: desde 4 de fevereiro de 2009.

Nos primeiros movimentos, o Gama mostrou que não cederia a vitória facilmente. Falta brusca que o árbitro considerou como normal.

O Gama começou melhor, insinuante pela esquerda de defesa alvinegra. A defesa alvinegra comportou-se bem e a cada ataque perigoso do Gama correspondia um ataque perigoso do Ceilândia.

Badhuga comemora: o último gol havia sido contra o Gama em 2010
Badhuga comemora: o último gol havia sido contra o Gama em 2010

Aos 4 minutos, lance que mudaria a história do jogo. Renato pediu falta, a defesa do Ceilândia parou e Moisés recebeu em profundidade para fazer Gama 1 x 0.

A partir de então o Ceilândia foi aos poucos assumindo o controle do jogo. Aos 12 minutos, empatou com gol de Badhuga.

Depois do gol de empate o Ceilândia controlou a partida. Se é fato que o só dava Ceilândia, é fato também que esse domínio não se transformou em situações claras de gol.

O Gama abusava das faltas, mas o CEC era incapaz de criar situações claras de gol
O Gama abusava das faltas, mas o CEC era incapaz de criar situações claras de gol

Veio o segundo tempo e de novo o Gama começou melhor. Aos poucos o CEC equilibrou o jogo e passou a mandar na partida. O Gama, diferente do primeiro tempo, sequer chegava a ameaçar a meta alvinegra e a torcida alviverde questionava seus jogadores e o técnico.

O Ceilândia, por sua vez, ameaçava, ameaçava, mas não convertia as situações em gol. O futebol castiga.

Aos 24 minutos, chute de muito longe. Bola molhada e Dennys rebate. Aloisio chega para concluir, Dennys corajosamente se atira aos pés do atacante. A bola bate no corpo de Dennys, sobe e mansamente alcança as redes. Gama 2 x 1.

Didão luta: melhor partida do CEC no ano
Didão luta: melhor partida do CEC no ano

Não deu nem tempo de se preparar para buscar o empate. Quatro minutos depois,  cobrança de falta de longa distância, a zaga falha e Aloisio desvia para o fundo do gol.

Daí em diante só deu Ceilândia. O Gama defendia como podia. Não deu. Nos minutos finais, o árbitro  interrompeu ataque perigoso do Ceilândia para expulsar Aloisio. Minutos depois foi a vez de outro jogador Gamense ser expulso, Juninho.

Juninho recebe cartão: árbitro demorou a reagir e quase perde controle da partida
Juninho recebe cartão: árbitro demorou a reagir e quase perde controle da partida

O CEC ainda esteve perto de diminuir com Vitor por duas oportunidades. Na primeira, Max salvou. Na segunda, a bola parou na trave. Não deu.

Foi uma bela partida de futebol. Pena que o alvinegro tenha perdido. Agora as chances de classificação são muito pequenas.

Related Images:

Comentarios

Comentarios

Start a Conversation