Juniores começam com o pé direito

Bola no chão foi artigo de luxo no jogo contra o Cruzeiro
Bola no chão foi artigo de luxo no jogo contra o Cruzeiro

A notícia da vitória do CEC sobre o Cruzeiro deve ser dividida em três etapas: os fatos, as justificativas e o jogo.

OS FATOS

Vamos aos fatos: por mais que doa, o fato é que existem peladas melhores do que o visto no jogo de hoje. Também existem campeonatos de balões mais interessantes. Foi um jogo difícil de ser assistido.

AS JUSTIFICATIVAS

Ficou claro, para quem assistia, que principalmente o time do Ceilândia sentia a falta de ritmo de jogo. O campo duro também não ajudava.

Mau posicionamento no meio de campo: CEC sempre chegava atrasado
Mau posicionamento no meio de campo: CEC sempre chegava atrasado

O JOGO

O jogo foi muito disputado. No primeiro tempo o Ceilândia foi melhor e teve as melhores ações. Isso não invalida o fato de que o time foi incapaz de apresentar sequer uma jogada de ataque estruturada. As chances que teve foram fruto de bolas paradas ou do acaso.

Naquilo que mais se aproximou de uma jogada estruturada, o CEC desperdiçou: Lucas Gois saiu cara a cara com o goleiro e perdeu. Na sequencia, Hugo teve que bater duas vezes para abrir o marcador.

CEC comemora o gol de Hugo. Naquele momento o CEC era melhor
CEC comemora o gol de Hugo. Naquele momento o CEC era melhor

Veio o segundo tempo e o Cruzeiro voltou melhor. O meio de campo do Ceilândia mostrava claramente a falta de tempo de bola. Invariavelmente chegava atrasado, principalmente os volantes.

No ataque, os meias e atacantes eram incapazes de segurar a bola. O resultado foi que a cada ataque do Ceilândia correspondia um contra-ataque do Cruzeiro, com a diferença de que, invariavelmente, o Cruzeiro chegava de modo mais estruturado.

O Cruzeiro foi melhor no segundo tempo. O Ceilândia defendia-se como podia. Os primeiros 20 minutos do segundo tempo davam a impressão de que a qualquer momento o empate viria.

CEC só voltou a ameaçar no final do jogo
CEC só voltou a ameaçar no final do jogo

Binha mudou o esquema de jogo para o 4-4-2 e o time melhorou ou ao menos ficou mais equilibrado. Daí até o final, o jogo foi cheio de tensão.
No final da partida o Cruzeiro teve um jogador merecidamente expulso. Não havia tempo para mais nada.

O Ceilândia não apresentou um bom futebol, mas jogou o suficiente para começar o Candanguinho 2013 com o pé direito. O jogo ressaltou que a vitória decorreu da atuação coletiva e não de individualidades.

No próximo final de semana enfrentará o Brazlândia no Estádio Regional de Ceilândia.

Comentarios

Comentarios

4 comments

  1. Olá, Me chamo Robson Santos tenho 21 anos sou jogador de futebol recém chegado em brasília estou sem clube, estou a procura de um teste qualquer equipe que quiser visualizar o meu trabalho estou disponível 81466910. Tenho Empresário. sou 1991

Join the Conversation