Juniores 2017: Entendendo a confusão

Essa foi a melhor oportunidade do Ceilândia na partida
Jogo bem disputado: times não mereciam a confusão 

  Conforme o CeilandiaEC apurou todo o problema está relacionado com o fato de que o campeonato de juniores foi uma disputa assimétrica. Seriam 20 times divididos originariamente em quatro grupos de cinco equipes com os 2 primeiros de cada chave se classificando.

O problema começou quando Aruc e Samambaia, que estavam nos grupos A e B originariamente, desistiram da competição. Com isso, dois grupos ficaram com 5 times e dois grupos com 4 times.   Com isso, a regra de desempate pelo somatório de pontos na competição precisaria ser alterada, porque os times dos grupos C e D jogariam uma partida a mais: o Real e Cruzeiro, em três jogos, fizera 7 pontos, o Formosa e Legião, em 4, fizeram 10.  O critério originário permitia distorções.

Presidente Ari de Almeida: disse estar tranquilo com relação à classificação
Presidente Ari de Almeida: disse estar tranquilo com relação à classificação
 

 Por essa  distorção, segundo apurou o CeilandiaEC, o regulamento  teria sido alterado no âmbito da FFDF para que se levasse em consideração apenas a pontuação da fase anterior. Foi isso que o Ceilândia teve a vantagem de decidir em casa contra o Real.  Encontrar o regulamento e os adendos no site da FFDF é uma missão talvez impossível.

Aplicando-se o adendo, os times disputaram as quartas-de-final sabendo que, em razão da distorção, os pontos da primeira fase não seriam somados às fases seguintes. Valeriam os pontos da fase anterior. Assim e por exemplo, Formosa e Legião, que fizeram 10 pontos em 4 jogos, não levariam tais pontos para as fases seguintes.

Defesas levaram vantagem sobre os ataques
Real recebeu o Ceilândia no jogo de ida das semifinais: se o regulamento antigo fosse mantido, seria o inverso.

Nas quartas, quis o destino que o Ceilândia eliminasse o Legião. O Formosa seguiu adiante depois de um empate e uma vitória contra a SE Planaltina.  Assim, o Formosa, pelos critérios do adendo e pelos critérios antigos, teria a vantagem de decidir em casa e também a vantagem do empate.

O mesmo acontceu com Real e Ceilândia. O Gato Preto fez 4 pontos e 4 gols de saldo nas quartas-de-final contra 4 pontos e 2 gols de saldo do Real. Pelos critérios do regulaento originário, o Real teria a vantagem de decidir em casa e também a vantagem do empate. O adendo dizia o contrário e foi o adendo que foi aplicado, com o Real fazendo a primeira partida em casa.

Ceilândia comemora a classificação: final será contra o Cruzeiro, contra quem o Gato Preto começou a campanha
Ceilândia comemora a classificação: final será contra o Cruzeiro, contra quem o Gato Preto começou a campanha

O Real, depois da primeira partida e ante a possibilidade concreta de desclassificação, tentou retornar o primeiro regulamento: a Justiça Desportiva desconheceu do pedido mas o presidente da Federação acolheu a solicitação. O imbróglio estava criado porque de lado a lado os argumentos têm alguma solidez.

Veio a partida deste sábado. O Ceilândia administrou a vantagem do empate até o apito final, comemorou a classificação, mas futebol fora de campo é uma caixinha de surpresas.

A rigor a confusão está armada. O primeiro regulamento era de fato inaplicável em função da assimetria dos grupos.  A questão é que futebol deveria ser decidido dentro de campo e maior parte do mundo do futebol não gosta do esporte, gosta de se fazer notar, mesmo que para isso tenha que tomar más decisões.

Por enquanto, o  Ceilândia está nas semifinais do Metropolitano de Juniores 2017. No mais, o tempo dirá.

Start a Conversation