Tag: Magno

A Última Impressão é que fica!

CEC na defensiva: jogo de muita marcação
CEC na defensiva, Brasiliense com espaços para vir com bola dominada: jogo de muita marcação

Dois motivos para preocupação depois da última rodada. A combinação de resultados deixou apenas uma vaga aberta no grupo B1. O Brasília já garantiu a sua vaga às semis da Taça JK.

A outra preocupação é mais um capricho do que uma preocupação. Há uma regra em combate de que você jamais deve deixar a sua posição de vantagem. O Ceilândia deixou.

O CEC era superior ao Brasiliense na segunda tempo do último sábado. De um momento para o outro abriu mão dessa vantagem para garantir o empate.

Adelson de Almeida teve mais uma vez que fazer duas substituições por contusão. Rodriguinho, que tem sido uma das mais importantes peças alvinegras, e Wisman, que foi importante defensivamente, deixaram o campo na maca.

Para a partida diante do Botafogo-DF, o CEC não poderá bobear. Se quiser ser líder da chave precisa que o Brasília tropece diante do Unaí. Ainda assim, para não ter que fazer contas, precisará vencer o Botafogo-DF por no mínimo três gols de diferença.

Related Images:

Jogos mentais

Didão: uma boa apresentação. Correu, combateu e orientou o time.
Didão: uma boa apresentação. Correu, combateu e orientou o time.

Ceilândia e Brasiliense, tal como previsto, fizeram um jogo que mais se parecia com um jogo de xadrez. Dois times com uma proposta muito nítida  e mentalmente fortes. Resultado: empate.

Com problemas para armar o time, Adelson de Almeida inovou colocando Elvis no meio de campo. Didão retornou ao time alvinegro e Magno fez a sua estréia na defesa no lugar de Adriano. Dimba sequer foi relacionado.

O primeiro tempo contou com uma leve superioridade do Brasiliense nos 20 minutos iniciais. Daí em diante, o Ceilândia equilibrou a partida até o final da primeira etapa. Os goleiros pouco trabalharam a não ser em chutes de longa distância.

Magno: começo difícil com muitas falhas, mas depois se acertou
Magno: começo difícil com muitas falhas, mas depois se acertou

O segundo tempo foi o inverso do primeiro. O Ceilândia começou melhor e passou a ficar rodeando a meta amarela. Faltava o último passe ao alvinegro como faltara no primeiro tempo ao Brasiliense. A diferença é que o CEC parecia ser um time mais consciente.

Depois dos trinta minutos o Ceilândia caiu vertiginosamente. A saída de Rodriguinho, mas principalmente os cansaços de Elvis e Alisson levaram o CEC a demonstrar claramente a satisfação com o empate.

O futebol costuma castigar quem não pensa grande. O empate deveria vir com consequencia do jogo, mas não como objetivo principal.  O fato é que, a partir do momento em que o CEC abdicou do ataque, o Brasiliense melhorou, mas sem ter o domínio do jogo.

Elvis: mostrou personalidade, jogou bem e deixou a bola muito viva
Elvis: mostrou personalidade, jogou bem e deixou a bola muito viva

O castigo quase veio no minuto final quando Dennys mais uma vez fez um milagre e impediu o Brasiliense de vencer a partida.

No final das contas, o resultado não foi ruim nem para Ceilândia, nem para Brasiliense.

O jogo contou com a estréia de Magno. Nervoso, o zagueiro errou muito no primeiro tempo. No segundo tempo foi melhor, até porque o CEC foi melhor no segundo tempo.

Rodrigo Cardoso entrou e mostrou que o CEC está bem servido do lado esquerdo
Rodrigo Cardoso entrou e mostrou que o CEC está bem servido do lado esquerdo

Outra estréia importante foi a de Elvis como titular. O baixinho movimentou-se bem, colocou-se com inteligência aproveitando os espaços entre as linhas de meio-de-campo do Brasiliense e fez uma boa partida.

Os destaques do Ceilândia, todavia, foram Rodriguinho e Didão. Enquanto esteve em campo, Rodriguinho foi uma referência alvinegra, mas o Didão voltou e comandou o meio-campo alvinegro. Dennys fez uma defesa salvadora que fez justiça ao que os dois times mostraram em campo.

Mas o aviso ficou…

 

Related Images: