Tag: Taguatinga

Muita união nessas horas: Romário reacende as esperanças

Formiga vinha de boas atuações: confuso e individualista na tarde desta quarta
Formiga foi bem contra o Brasiliense: solidário na defesa e no ataque

A campanha do Ceilândia em 2019 lembra de algum modo a campanha de 2016. Nas três primeiras rodadas o Gato Preto teve maus resultados contra o Santa Maria fora e em casa contra o Planaltina de Goiás.  Depois o time foi se acertando aos poucos e, se não foi campeão, chegou ao vice-campeonato.

Gago teve uma tarde infeliz: queda de produção preocupa
Gago foi muito criticado pela torcida: Há alguma injustiça nisto. O time tem dificuldades tanto de sair quanto de marcar a saída de bola adversária

Há razões para preocupação, mas sabe-se que o  Gato Preto pode não ter o melhor elenco da competição, posto que incumbe ao Brasiliense, mas tem time para recuperar-se. E há um motivo a mais para acreditar.

Thiago Silva estreou contra Santa Maria
Ceilândia tem o desafio de vencer o Santa Maria fora de casa

Romário sofreu uma lesão de grau dois do biceps femoral e por isso ficou um mês fora dos gramados.  Romário teve boas participações nos jogos-treinos e era esperança de gols. A lesão atrapalhou tudo.  Entrou contra o Brasiliense, o Ceilândia fez 10 minutos muito bons, mas o segundo gol adversário mexeu com o time alvinegro.

Romário é esperança de gol contra Santa Maria

Para o jogo deste sábado, 15h30 no Bezerrão, Romário é uma opção viável. Mais que isso: o Ceilândia precisa vencer a zica dos últimos jogos e nada melhor que um artilheiro para fazer isso.

SUB-20

A CBF divulgou a tabela da primeira rodada do Brasileiro Sub-20. O Ceilândia estreia dia 13 de março diante do Flamengo-RJ. O sorteio do mando será na próxima quinta-feira.  O confronto da primeira fase será decidido em jogo único.

Cauê vai ao ataque: zagueiro quase empatou

Muita calma nesta hora: Hoje já é outro dia!

Jairo colocou dois meias: funcionou enquanto se prontificaram a marcar mais alto. Depois, recuaram demasiadamente

Hoje já é outro dia. O jogo de ontem ficou no passado. Qualquer pessoa em sã consciência admite que uma derrota para o Brasiliense, por mais que doa, é possível e provável.  O mais importante se viu em campo: o time lutou. Não conseguiu, mas é do futebol.

O 4-2-3-1 do Ceilândia é muito rígido e sobrecarrega o meio de campo.

É com esse espírito que o Ceilândia deve voltar aos trabalhos nesta semana para enfrentar o Santa Maria. Contra os demais adversários e embora o time ainda não tenha dado liga, a obrigação de vitória é sempre do Ceilândia. Ontem, foi um jogo em que a vitória poderia ser de qualquer um.

Não faltou vontade, faltou um pouco mais de futebol ao Ceilândia contra Santa Maria
O Ceilândia vai precisar de algo mais que vontade para vencer o Santa Maria e deixar este momento para trás.

Óbvio que se deve ter a humildade de reconhecer que o time tem problemas e é desnecessário ficar aqui elencando. O mais importante: o Ceilândia tem bons valores e ainda não se distanciou do meio da tabela. Deve cuidar para que isso não ocorra. No mais, calma… futebol o time tem.

Candangão 2019

PosClubeJVEDGPGCSPts
11714303492545
217113331112036
3156451512322
4155731810822
5135532012820
6135351720-318
7134451215-316
8133641513215

Romário voltou e isso ajuda. A defesa tem funcionado. Os cabeças de área tem funcionado defensivamente com um ou outro probleminha na saída de bola. Daí para a frente começam os problemas. Jairo tem tentado diversas formações e não tem encontrado.

Hora de separar os meninos dos homens.

Levanta e anda!

Victor vinha fazendo boa partida: falha complicou a vida do Ceilândia

O Ceilândia perdeu para o Brasiliense na manhã deste domingo. Lá se vão três jogos sem vitória, três jogos sem fazer gol, cinco pontos em quinze possíveis. Haverá sempre que diga que está faltando isso, faltando aquilo. Não tem faltado vontade. Tem faltado um monte de coisas, dentro e fora de campo, mas não tem faltado vontade. Isso é suficiente para que sempre tenhamos fé.

Há tempos não se via um Ceilândia x Brasiliense em que o adversário fosse tão superior em campo. A rigor, o Ceilândia esteve melhor durante dez minutos… chegaremos lá.

Murilo fez uma partida discreta, mas eficiente defensivamente. Deveu ofensivamente, mas aqui não está só

O jogo começou com  o Brasiliense propondo o jogo. O Ceilândia vinha com uma postura tática diferente, com Gabriel e Gago compondo o meio. No começo do primeiro tempo essa postura tática funcionou. A marcação, embora recuada, pressionava o Brasiliense a partir da linha divisória.

O Ceilândia conseguiu marcar assim apenas parte do começo do jogo. Aos poucos o Ceilândia recuou sua linha de marcação para a intermediária do próprio campo de defesa.  O resultado é que o Brasiliense recuperava a bola já no meio de campo e ficou um jogo de ataque contra defesa.

Formiga lutou muito e foi um dos poucos que se salvou na derrota de hoje

Ao Brasiliense faltava o último passe. Wallace e Formiga jogavam quase de lateral. O Ceilândia não conseguia jogar. O primeiro tempo encaminhava-se para um zero a zero, mas quis a sorte que fosse diferente. Na cobrança de falta de Almir a bola bateu no travessão e sobrou para Gleissinho fazer Brasiliense 1 x 0.

Victor Brasil fazia uma partida até então segura e não teve chance no gol. O segundo tempo viria contar uma história diferente.

Helinho:um dos mais lúcidos em campo

O segundo tempo começou com o Ceilândia bem melhor. O Gato Preto empurrou o adversário para o próprio campo de defesa. Helinho aparecia à frente como surpresa e Romário abria espaço para as movimentações de Formiga e Wallace. O Ceilândia mostrava um futebol que até então não mostrara.

Jefferson, como a defesa, esteve bem. Ceilândia tem problemas mais a frente

Durante treze minutos o Ceilândia foi melhor. Não criou situação clara de gol, mas jogava um bom futebol. O destino, como sempre, pensava diferente. Até os treze minutos o Brasiliense mal passara do meio de campo. A chance de chegar à área do Ceilândia viria numa cobrança de falta da intermediária ofensiva. Muito longe. Muito despretensiosa. Victor Brasil que até então fazia boa partida falhou. Desistiu de fazer o corte e a bola sobrou para Gleissinho. Brasiliense 2 x 0.

O Ceilândia sofreu psicologicamente com o gol. Ainda faltavam 32 minutos, mas o Gato Preto jamais recuperou o futebol daqueles treze minutos iniciais do segundo tempo. O Brasiliense cozinhou o jogo como quis até o final: Ceilândia 0 x 0 Brasiliense.

 

Candangao 2019

PosClubeJVEDGPGCSPts
11714303492545
217113331112036
3156451512322
4155731810822
5135532012820
6135351720-318
7134451215-316
8133641513215

Muitos gols perdidos, muitas paralisações: Só 4 minutos e 0 x 0

Helinho e Michel: Jairo mudou a cabeça de área

O Ceilândia colecionou o segundo tropeço consecutivo no Candangão 2019. Jogando na manhã deste domingo no Serejão, o Gato Preto não passou de um empate sem gol num jogo em que perdeu muitos gols, sofreu com as traves, com o antijogo do adversário e seus próprios erros.

Dener deixou o Ceilândia e a missão para Miranda

O primeiro tempo foi jogado sob sol. Na primeira etapa as equipe se equivaleram. Mesmo bastante alterado, o Ceilândia ainda teve dificuldades na marcação de saída de bola do adversário. A favor do alvinegro contou o fato de que o adversário não tem uma boa saída de bola.

Victor foi outra novidade: pouco trabalho

Na primeira metade do primeiro tempo o Ceilândia esteve melhor. Poderia ter aberto o marcador em ao menos duas oportunidades, uma delas clara. Na melhor, Wallace tirou do goleiro e a bola explodiu na trave esquerda.

Na melhor chance do primeiro tempo, a bola de Wallace explodiu na trave

O segundo tempo foi jogo de um time só. A rigor o Taguatinga chegou em apenas uma bola. O Ceilândia teve ao menos quatro situações claras de gol, mas Formiga, Tatuí, Michel e Gago não conseguiram abrir o marcador. Nas vezes em que a bola passava pelo goleiro adversário encontrou a trave. Kabrine em razões para lamentar.

No segundo tempo, muita chuva: Kabrine foi parado pela trave

O Ceilândia pressionou bastante no final do jogo, mas aí apareceu a condescendência da arbitragem. Houve diversas paralisações para atendimentos médicos, mas fiquemos com apenas duas. Na primeira, aos 33, o goleiro do Taguatinga pediu atendimento médico. O jogo ficou parado por 2’30”.

Michel teve azar nesse lance: sem goleiro

A segunda paralisação ocorreu quando faltavam 5’46” para o término da partida. A partida somente foi retomada quando faltavam 2′ para o término. 3’46” de paralisação, mais 2’30”. Só aqui 6 minutos. O árbitro deu acréscimo de 4 minutos para desespero do Técnico Jairo Araújo.

Nesta oportunidade, Tatuí não conseguiu fazer

Óbvio que o árbitro Ademário Neves errou feio ao conceder apenas 4 minutos de acréscimo em um jogo que ficara paralisado por no mínimo 10 minutos, mas não foi isso que foi definitivo para o resultado. O Ceilândia criou muitas chances e não fez. Pouco para um time como o Gato Preto.

Só nessa paralisação 3min41seg. O árbitro deu apenas 4 de acréscimo

O Ceilândia termina o primeiro terço da competição com 5 pontos em 12 disputados. No terço intermediário enfrenta, pela ordem, Brasiliense, Santa Maria, Gama e Formosa.

4 de acréscimo em um jogo que, só para atendimentos, ficou parado 8

Não tem faltado disposição. O time tem sido valente, mas agora vai ter que somar pontos contra times que estão no alto da tabela.

Ceilândia enfrenta Taguatinga para voltar a lutar por G4

Jairo e Rodriguinho: Tarefa de fazer o Ceilândia vencer para não se distanciar

O Ceilândia joga na manhã deste domingo, 10:30h, no Serejão, contra o Taguatinga. Com os resultados deste sábado, o Ceilândia manteve-se na sexta colocação. A torcida sabe que o elenco é bom e ainda está pegando corpo. Daí é preciso ter calma.

Candangão 2019

PosClubeJVEDGPGCSPts
11714303492545
217113331112036
3156451512322
4155731810822
5135532012820
6135351720-318

Nos jogos de ontem o Gama venceu o Santa Maria por 3 x 0, o Brasiliense foi até Paracatu e venceu os donos da casa por 1 x 0, enquanto que o Luziânia veio ao Distrito Federal e venceu o Capital por 1 x 0. Com isso o Gato Preto está a oito pontos do líder. É muito!

Gabriel deve ser opção para o jogo de hoje

O primeiro terço do campeonato termina hoje. Alguns times fizeram alguma gordura para a hora mais complicadas, o Ceilândia já perdeu cinco pontos em nove disputados. Sabe que mesmo reconhecendo-se que o elenco é bom e está pegando corpo as cobranças chegarão.

Gago subiu de produção: o Ceilândia é melhor quando joga como time

Para o jogo de hoje o time é uma incógnita. Jairo de Araújo sabe que o time apresentou alguns desequilíbrios táticos contra o Capital e precisa de ajustes. O Gato Preto precisa de uma vitória para se credenciar a voos mais altos.

Artilharia do Candangão 2019

Gol Jogador Time
4 Felipe dos S C Fidencio Luziania
4 Jeferson “Maranhão” Viana Correa Gama
3 Wallace “Tarta” Souza Ferreira Gama
2 Gabriel Luiz Cintra Ceilandia
2 Vitor “Xavier” de C Humeni Gama
2 Almir Lopes de Lima Brasiliense
2 Allan “Allanzinho” R Nunes Luziania
2 Luiz Carlos “Badhuga” da S Gomes Brasiliense
1 Francisco “Romarinho” Romario da S Lima Brasiliense
1 Eduardo J da R Milhomem Real
1 Filipe Cirne Silveira Barretp Real
1 Roger R dos Santos Real
1 Rael O Carvalho Santa Maria
1 Gilson “Gilsinho” A Oliveira Gama
1 Wisman O Santos Gama
1 Lucas “Luquinhas” V F da Silva Brasiliense
1 Natanael “Natan” Gomes do Nascimento Sobradinho
1 Daniel F R da Silva Capital
1 Rodrigo “Barros” Santos Barros Luziania
1 Wallace S de Jesus Ceilandia
1 David Dener R S D da Silva Ceilandia
1 Kabrine C O Lima Ceilandia
1 David “Peninha” Lustosa de Oliveira Brasiliense
1 Rychely C de Oliveira Paracatu
1 Jhonatan da Silva Taguatinga
1 Daniel “Foguinho” Junio Soares Oliveira Formosa
1 Elton Avelino Formosa
1 LUCAS VICTOR S ANDRADE Sobradinho
1 LUIZ FELIPE C MENESES Sobradinho
1 LUCIVANIO “VANINHO” MAMEDE Sobradinho

Derrota fica no passado: Gato tem sequência difícil

Helinho sentiu incômodo na virilha e preocupa

A derrota do meio de semana ficou no passado. De modo geral a avaliação foi a de que dias ruins acontecem e o Ceilândia não tem tempo para lamentar. No domingo, 10h30, no Serejão, enfrenta o Taguatinga e, na sequência Brasiliense, Santa Maria e Gama. Em quatro jogos, o Gato Preto dirá a que veio em 2019.

Murilo pode trazer experiência para a lateral-direita

Para o jogo deste final de semana, Jairo Araujo talvez já possa contar com Murilo e com isso agregar experiência à lateral-direita. O Ceilândia tem dependido demasiadamente do seu lado esquerdo.

Derrota ficou no passado. Gabriel é opção para o meio

Mesmo com pouco tempo para treinar, Jairo Araujo tem a missão de acertar a sincronia dos homens do meio e atacantes na saída de bola do adversário. O Ceilândia sofreu com isso no jogo contra o Capital. No mais, a proposta do time é boa e os ajustes seriam necessários à medida em que os adversários conhecessem a forma que o Ceilândia joga.

Último jogo em 2017: Vitória alvinegra por 3 x 2. Ronaldinho mudou de lado

Helinho reclamou de dores na virilha direita durante o jogo. Com pouco tempo para repouso, pode ser uma perda importante.

 

Capital surpreende e acaba invencibilidade do Ceilândia em 2019

No primeiro tempo, Ceilândia foi um time confuso na saída de bola

O Ceilândia foi surpreendido e derrotado pelo Capital na noite desta quarta-feira. Jogando no Estádio Nacional, o Gato Preto manteve a mesma formação da vitória contra o Bolamense e, se isso não foi novidade para o Capital, a formação tática do adversário certamente o foi para o Ceilândia.

No primeiro tempo, o Ceilândia foi um time confuso no ataque

O primeiro tempo do Ceilândia foi sofrido. O Gato Preto tinha enorme dificuldade para dificultar a saída de bola do Capital. Com isso, o Capital sempre chegava na intermediária de defesa do Ceilândia, mas dali não passava.  O fato é que o controle do jogo era do Capital. Foi assim ao longo de quase todo o primeiro tempo, com exceção do período entre o 15o e o 20o minuto.

No primeiro tempo, Vinicius teve que trabalhar

O castigo veio ao 31o minuto. Depois de ver o Capital obrigar Vinicius a fazer ao menos duas defesas, o Daniel Felipe abriu o marcador. Após abrir o placar, o Capital mudou a postura tática. Passou a uma saída de bola mais convencional e a uma postura  ofensiva também convencional. Com isso o Ceilândia equilibrou o jogo.

Ceilândia sempre subiu desequilibrado ao ataque

Veio o segundo tempo, o Ceilândia era valente como foi durante todo o jogo. O Capital optou pelo mesmo sistema convencional do final do primeiro tempo.

O problema do Ceilândia não foi individual: coletivamente o Capital foi sempre melhor

O Ceilândia começou a chegar, mas, a rigor, criou apenas uma situação clara de gol que fosse resultante de uma jogada trabalhada. Wallace saiu em condições de marcar, mas o goleiro adversário fez bela defesa. A bola ainda sobrou para Dener, mas vinha com muito efeito. Difícil de bater de primeira, difícil de dominar. Dener não fez nem uma coisa, nem outra.

Dener sofreu com as críticas que são na maior parte injustas: o problema é coletivo

Insatisfeitos com a atuação do time, alguns torcedores injustamente escolheram Dener para criticar. O time todo, dentro e fora de campo, por mais que se esforçasse e fosse valente, não estava em uma boa noite.

Jairo e Rodriguinho: demoraram para entender o que estava acontecendo

O Ceilândia melhorou e equilibrou-se com as alterações feitas por Jairo Araujo. A postura tática do Capital ajudou. De qualquer sorte o Ceilândia esteve próximo de empatar em um ou outra oportunidade, mas não teve nenhuma chance clara com a bola dominada. O Capital teve ao menos duas: uma em um erro de Vinicius e outra no final do jogo.

Gago foi o motor do time no segundo tempo. O problema do time não foi individual, foi coletivo.

A derrota por 1 x 0 deixa muitas lições. A principal dela é que o time precisa evoluir a cada jogo. Não é possível enfrentar o Capital como enfrentou o Bolamense e não será possível enfrentar o Taguatinga como enfrentou o Capital.

Gabriel entrou bem, mas o Capital já mudara o esquema de jogo

É verdade que algumas poucas peças caíram bastante de produção, mas o problema do time tem sido coletivo. Não evoluiu como equipe. Vai precisar.  Domingo o Gato Preto enfrenta o Taguatinga.

 

Didão: o Capitão deve voltar contra o Taguatinga

Ceilândia muda para pegar o Taguatinga

Wallinson é desfalque certo diante do Taguatinga

Ainda sete pontos atrás do líder, o Ceilândia enfrenta o Atletico Taguatinga neste sábado, 16h00, no Regional. O Ceilândia montou um elenco qualificado para o Campeonato Metropolitano e terá a oportunidade de testá-lo nesta sequência de jogos.

O treinador Adelson de Almeida já vem poupando esporadicamente alguns atletas, submetidos que estão a jogos a cada três dias. Para a partida deste sábado, Adelson deve promover o retorno de alguns e a saída de outros.

Felipe Pires contra o Dourados: Jefferson sai na frente
Felipe Pires contra o Dourados: Jefferson sai na frente

Esperam-se os retornos de Didão e Allanzinho, o primeiro poupado diante do Formosa, o segundo recuperado de problemas de saúde.

Uns voltam, outros saem. Dentre os que saem uma certeza: Wallinson não deve enfrentar o Taguatinga. O zagueiro recebeu seu terceiro cartão amarelo na competição. Para o seu lugar, Jefferson é o mais cotado.Gato Preto terá uma grande oportunidade para testar o seu elenco. 

Didão: o Capitão deve voltar contra o Taguatinga
Didão: o Capitão deve voltar contra o Taguatinga

Adelson pode, também, dar uma nova oportunidade a Felipe Bortolucci. O zagueiro atuou apenas diante do Sete e falhou no gol adversário. Bortolucci não pode pagar indefinidamente por um acidente de início de temporada.  Mesmo que Bortolucci tenha evoluído, Jefferson aproveitou a chance diante do mesmo Sete e sai na frente.

Related Images:

Morre Eurípedes Bueno, ex-técnico do Ceilândia

Ceilândia x Tiradentes em 1982: Wilmar Gato era o goleiro e Eurípedes Bueno o treinador.
Ceilândia x Tiradentes em 1982: Wilmar Gato era o goleiro e Eurípedes Bueno o treinador.

Faleceu nesta quinta-feira, vítima de complicações cirúrgicas, uma das principais figuras do futebol profissional do Distrito Federal: Eurípedes Bueno. Eurípedes Bueno é um ícone do futebol da região mais populosa do Distrito Federal, representada por Taguatinga e Ceilândia. Nas décadas de 70 e 80,  Eurípedes Bueno despontou como uma das maiores referências do futebol do Distrito Federal, tendo se sagrado campeão por seis vezes. Foi campeão com o Gama (1979), Taguatinga (1989, 1991, 1992 e 1993) e com o Guará (aqui como gerente de futebol), em 1996. Eurípedes Bueno treinou o Ceilândia em duas oportunidades. Em 1982 e 1984.

No total Eurípedes Bueno conduziu o Ceilândia em 25 partidas oficiais, com sete vitórias, cinco empates e doze derrotas. Eurípedes Bueno estreiou comandando o Gato em 19 de julho de 1982,  no empate sem gols com o Taguatinga.  O gato, na oportunidade jogou com Wilmar Gato, TEixeira, Eudes, Lorival e Zé Nilson; Alves, Messias e Marcos Torpedo. Zecão e Piau no ataque. O Taguatinga formou com Dico, Edson, Duda, Carlos Roberto e Cuca; Alencar, Wander e Janio (Paulo Hermes); Mario Jorge, Roque e Geraldinho. O técnico do Taguatinga era Carlos Morales.

Teixeira: o maior lateral esquerdo do CEC de todos os tempos
Teixeira: o maior lateral esquerdo do CEC de todos os tempos

Ao longo da competição, Eurípedes foi moldando o Ceilândia. Jogadores como Joãozinho, o segundo maior artilheiro do DF em todos os tempos, e Som (a dupla de Brazlândia) juntaram-se a Zé Vieira, Tião e Teixeira para formar um belo time. Mais importante: esse time assistiu o nascimento do maior ídolo do Gato em todos os tempos: Dorival.

O último jogo em que Eurípedes Bueno comandou o CEC foi contra o Brasília, então bicho-papão da época, em 7 de julho de 1984: vitória do Ceilândia por 1 x 0. No turno, com Eurípedes no comando, o Gato também vencera: 2×1.

Técnico Jogos V E D GF GS S
Adelson de Almeida 82 27 29 26 107 107 0
Mauro Fernandes 40 17 10 13 81 55 26
José Antônio 34 7 14 9 21 20 1
Seu Chicão 30 7 10 13 23 49 -26
Brito 28 10 9 9 29 24 5
Rubens Meirelles “Rubinho” 26 7 5 11 20 35 -15
Euripedes Bueno 25 7 5 12 17 31 -14
Renê 21 3 9 7 11 17 -6
Zé Vieira 18 10 3 4 25 12 13
Décio Leal 14 8 5 1 15 6 9

 

Pauleci, camisa 10 do gato em 1982, comandado por Euripedes Bueno

No time de Euripedes Bueno, brilhava Pauleci

Pauleci, camisa 10 do gato em 1982, comandado por Euripedes Bueno
Pauleci, camisa 10 do gato em 1982, comandado por Euripedes Bueno

A notícia da morte de Eurípedes Bueno trouxe à memória fatos acontecidos no distante 1982. Naquele ano o CEC voltava a disputar o Campeonato do Distrito Federal após se licenciar e não disputar o campeonato de 1981. O então presidente Antônio Cardoso trouxe o campeão do Distrito Federal de 1979 pelo Gama e Eurípedes Bueno renovou o time quase que por completo. Dentre os jogadores estava Pauleci que formava o meio de campo com Alves e Chicão.

Mas o caminho não estava de todo aberto para Pauleci brilhar. No segundo turno de 1982 o CEC trouxe de volta Zé Vieira e um outro jogador começou a aparecer um meio de campo baixinho e habilidoso chamado  Dorival. Pauleci perdeu o lugar no time e o Ceilândia ganhava o seu maior ídolo em sua história: Dorival.

Com esse time, o CEC recuperou-se na competição e fez uma boa campanha no segundo e no terceiro turnos do metropolitano 1982.