Categoria: Base

Categorias de Base

Ceilândia precisa vencer jogo de volta por dois gols de diferença

Juniores: Paranoá vence e amplia vantagem

Ceilândia não teve vida fácil contra o Paranoá
Ceilândia não teve vida fácil contra o Paranoá

O Ceilândia jogou na tarde deste sábado no Estádio Chapadinha, em Brazlândia, contra o Paranoá, partida válida pelo jogo de ida das quartas de final do Campeonato de Juniores do DF 2016.

Dono da melhor campanha da competição, o Paranoá encontrou um Ceilândia muito diferente daquele da fase de classificação. O resultado, contudo, foi o mesmo: vitória do Paranoá.

Ceilândia deixava muito espaço para os contra-ataques do Paranoá
Ceilândia deixava muito espaço para os contra-ataques do Paranoá

Dono de um melhor conjunto, o Paranoá foi melhor na maior parte do jogo. O Ceilândia compensava a falta de conjunto com muito espírito de luta. Por isso, equilibrou o jogo no segundo tempo.

Um erro da defesa, contudo, selou a sorte do jogo quando o Paranoá fez 2 x 0.

Ceilândia precisa vencer jogo de volta por dois gols de diferença
Ceilândia precisa vencer jogo de volta por dois gols de diferença

O Ceilândia continuou insistindo, um tanto quanto sem inspiração e muito mais na transpiração. Tanto esforço foi recompensado com um gol de pênalti.

Falta entrosamento ao Ceilândia
Falta entrosamento ao Ceilândia

Depois do gol, pela primeira vez nos últimos confrontos, o Paranoá mostrou-se intranquilo. O Ceilândia foi para cima, mas faltava aquilo que o Paranoá tem de sobra: conjunto e força física.

Para a partida de volta,  o Ceilândia precisa vencer por dois gols de diferença para classificar-se. O Paranoá, até aqui, jogou seis vezes com seis vitórias. O Ceilândia vai precisar mostrar mais do que mostrou até agora.

Juniores vencem Brazlândia: 2 x 1

Jogo teve lances ríspidos: Ceilândia venceu a segunda
Jogo teve lances ríspidos: Ceilândia venceu a segunda

O time de juniores do Ceilândia, comandado pelo técnico Paulo Henrique Ferreira, venceu a segunda partida no Candangão 2016.

Jogo teve lances ríspidos: Ceilândia venceu a segunda
Rafael levou a pior na disputa com o goleiro.

Jogando em Brazlândia, debaixo de um sol escaldante, o alvinegro teve dificuldades para vencer o Brazlândia por 2 x 1.

Ceilândia dependeu muito da bola paradaJogo teve lances ríspidos: Ceilândia venceu a segunda
Ceilândia dependeu muito da bola paradaJogo teve lances ríspidos: Ceilândia venceu a segunda

A partida começou com uma tocante homenagem do Brazlândia, de seu presidente Moacir Ruthes em particular, ao eterno presidente do Ceilândia,  Beni Monteiro.

O Gato Preto começou melhor e logo  tomou a iniciativa do jogo. O Brazlândia equilibrou o jogo e poderia ter saído na frente do marcador quando Marcus Henrick saiu mal e Ruan salvou sobre a linha.

CEC esteve consistente defensivamente, mas prendeu a bola excessivamente no meio e no ataque
CEC esteve consistente defensivamente, mas prendeu a bola excessivamente no meio e no ataque

No segundo tempo, o Ceilândia voltou melhor. Não demorou muito e Lucas Henrique fez o primeiro gol alvinegro, cobrando pênalti.

Ceilândia é um time penso: a única transição de lado a lado ocorreu depois de 80 minutos de jogo
Ceilândia é um time penso: a única transição de lado a lado ocorreu depois de 80 minutos de jogo

Logo em seguida, Lucas Henrique fez o seu segundo gol na partida, o terceiro na competição. O Ceilândia, apesar de não apresentar um jogo convincente, era melhor e o placar era justo.

Marcus Henrick: começou mal, depois se redimiu e salvou o marcador
Marcus Henrick: começou mal, depois se redimiu e salvou o marcador

Depois do gol, o Ceilândia deu campo para o seu adversário. Marcus Henrick, que falhara no primeiro tempo, foi o personagem do jogo.

Mais uma vez Marcus Henrick falhou. Dessa vez não conseguiu socar a bola e permitiu que o Brazlândia diminuísse.

A defesa do Ceilândia trabalhou mais que deveria: CEC era mais superior que o placar pode fazer crer
A defesa do Ceilândia trabalhou mais que deveria: CEC era mais superior que o placar pode fazer crer

Marcus Henrick recusou-se a ocupar o papel de vilão. Em seguida fez ao menos duas defesas difíceis e garantiu a vitória alvinegra.

Ao final do jogo o técnico Paulo Henrique Ferreira admitiu que o Gato Preto não fizera uma boa partida. Argumentou que o time começara a preparação pouco antes do início do campeonato.

Lucas comemora o primeiro gol do Ceilândia: foram dele os gols da vitória
Lucas comemora o primeiro gol do Ceilândia: foram dele os gols da vitória

Paulo Henrique estava satisfeito com retorno dado pelos jogadores. Apesar do pouco tempo de preparação, o Gato Preto conseguiu duas vitórias em dois jogos. A tendência, segundo o treinador, é melhorar.

Para quem assistiu, pareceu claro que o Ceilândia era um time mais consistente em campo que o Brazlândia. Obviamente, ficou claro que o Ceilândia precisa melhorar muito como time. Como disse o treinador, o Ceilândia tem potencial e treina há pouco tempo. O importante nessas duas primeiras rodadas é ganhar corpo.

Candanguinho 2013: CEC faz amistoso em Brazlândia

 

CEC renova o time para o Metropolitano
CEC renova o time para o Metropolitano

 

O CEC continuou a sua preparação rumo ao Candanguinho 2013. Neste final de semana, jogou em Brazlândia.

O Ceilândia EC sub 17 – Juvenil às 14h00min, sábado, 27/07, no estádio chapadinha, Brazlândia, fez partida amistosa contra o Brazlândia. O inicio  foi bom: boa posse de bola, espírito coletivo.

Aos poucos, contudo, o time juvenil foi se perdendo:, muito individualismo e alguma dificuldade para superar os critérios da arbitragem

No final,  04×03 Brazlandia com gols de Francisco Robert, Yuri Fortaleza e Marcos Raman. De bom no jogo, poder ver todos os novatos atuando.

Já o Ceilândia EC sub 15 – Infantil às 16h00min, sábado, 27/07, no estádio chapadinha, Brazlândia, fez partida amistosa contra o Brazlândia, com equipe muito reformulada e sentiu os efeitos das mudanças.

Foi superior na maior parte do jogo, mas os erros de marcação deram margem aos dois gols do Brazlandia. O CEC não se abalou e buscou sempre o empate que parava nas no goleiro do Brazlândia que fez defesas incríveis.

Muitos gols perdidos. Sofrido até no empate 02×02: o goleiro adversário ainda tocou na bola no gol marcado de  pênalti.

Gols de Ramon Souza e Daniel Marques. Aos poucos o CEC vai montando seu novo time infantil.

Juniores: Ceilândia empata e dá adeus

Jefferson isolado no ataque: CEC sem consistência ofensiva
Jefferson isolado no ataque: CEC sem consistência ofensiva

O Ceilândia deu adeus ao sonho de ser campeão juniores do DF em 2013.

Jogando no Estádio Bezerrão, o CEC empatou em 1 x 1 com o Brasília. Como o adversário possuía melhor campanha na competição, classificou-se para a final.

No primeiro tempo o CEC foi dominado. Primeiro ataque efetivo aos 48
No primeiro tempo o CEC foi dominado. Primeiro ataque efetivo aos 48

O Ceilândia veio diferente para a partida deste sábado. Com dois jogadores avançados pelas alas, o CEC impediu a jogada que tanta dor de cabeça trouxe no último sábado.

A despeito disto, o Brasília foi melhor em um primeiro tempo de poucas chances. A rigor o Brasília mostrava mais consistência que o CEC e teve ao menos duas chances de abrir o marcador. Numa delas, a bola explodiu no travessão.

Mateus saiu lesionado no ombro ainda no primeiro tempo
Mateus saiu lesionado no ombro ainda no primeiro tempo

O CEC ameaçou o gol do Brasília apenas aos 48 do primeiro tempo, mas a bola saiu pelo lado.

Veio o segundo tempo e se esperava que o Ceilândia assumisse o controle do  jogo. Não foi isso que aconteceu. O Brasília foi melhor até abrir o marcador aos 15 do segundo tempo.

Criticado nos últimos jogos, Luquinhas foi o mais lúcido do Ceilândia
Criticado nos últimos jogos, Luquinhas foi o mais lúcido do Ceilândia

Com o gol sofrido, o Ceilândia foi na base da valentia para o ataque. Deu certo. O Brasília ficou em seu próprio campo e as chances alvinegras começaram a aparecer.

O gol, contudo, somente veio aos 35.  Faltava virar.

Na base da vontade, CEC chegou ao empate
Na base da vontade, CEC chegou ao empate

O CEC foi para o ataque e ficou exposto aos contra-ataques do Brasília. Na prática o CEC teve uma grande oportunidade de virar, com Jeferson, mas não deu.

O Brasília segurou o empate e se classificou. Ao final, jogadores das duas equipes, extenuados, caíram no gramado.

Jogadores do Brasília, exaustos, comemoram
Jogadores do Brasília, exaustos, comemoram

A despeito do inegável valor da equipe alvinegra, que lutou bastante (embora pudesse aliar um pouco mais técnica e empenho), o Brasília foi um merecido vencedor.

O Ceilândia está fora da competição. Termina invicto, mostrando alguns bons valores mas com a sensação de que poderia ser melhor.

CEC pressiona no final, mas Brasília mantém vantagem

Jefferson é desarmado: CEC começou melhor, mas o Brasília se defendia muito bem
Jefferson é desarmado: CEC começou melhor, mas o Brasília se defendia muito bem

Ceilândia e Brasília fizeram um bom jogo de futebol na manhã deste sábado, no Estádio Regional de Ceilândia. O bom público presente viu tudo que se espera de um bom espetáculo, menos o gol.

Em campo, os times de melhor campanha na competição, disputando uma vaga  para a decisão: tática, técnica, disposição.

Luquinhas começou ditando o ritmo no meio, depois teve dificuldade na marcação
Luquinhas começou ditando o ritmo no meio, depois teve dificuldade na marcação

O jogo começou com o Ceilândia ditando o ritmo. Num misto de força e técnica, o alvinegro empurrou o Brasília contra o seu campo e viu o Brasília segurar o ímpeto do Ceilândia na entrada da grande área.

Não demorou muito e a marcação do Ceilândia na saída de bola do Brasília começou a mostrar defeitos. O alvirrubro encontrou espaço pela direita de defesa do Ceilândia e levou seu lateral à loucura.

Bruno teve a melhor chance do CEC no primeiro tempo. No contra-ataque o Brasília também perdeu
Bruno teve a melhor chance do CEC no primeiro tempo. No contra-ataque o Brasília também perdeu

Quando o Brasília era melhor, o Ceilândia teve a primeira chance da partida. No bate e rebate dentro da área, Bruno teve a chance de abrir o marcador, mas foi travado na hora. No contra-ataque foi a vez do Brasília, mas o bom camisa 7 alvirrubro bateu fraco para boa defesa de Wendell.

A alternância no domínio da partida revelava o equilíbrio. Por volta dos 30 minutos, o Ceilândia reassumiu o domínio da partida, mas o Brasília era mais perigoso.

No contra-ataque, o Brasília perde chance clara.
No contra-ataque, o Brasília perde chance clara.

A saída de bola do Brasília incomodava. Naquele momento era possível ver que o técnico Binha estava incomodado. Binha viria a trabalhar muito. Chamou Higor e Jefferson, pedindo mais movimentação, trouxe Higor para a direita, mas Fabinho e Luquinhas não também não se encontravam na marcação.

O Ceilândia sofria com a transição da defesa para o ataque do Brasília. Aos 41, a jogada se repetiu com o Brasília obrigando Wendell a fazer importante defesa.

CEC perde uma das poucas chances no segundo tempo.
CEC perde uma das poucas chances no segundo tempo.

Veio o segundo tempo e mais emoção. O Brasília dominou quase que integralmente as ações. A cada minuto ficava a impressão que o gol alvirrubro viria a qualquer momento.

Binha, à margem do campo, se desdobrava em modificações táticas e em substituições. O time não se acertava, mas era valente. Ficava no ar a impressão que o menor erro do Brasília também seria fatal e o CEC abriria o marcador.

CEC compensou os maus momentos no jogo com muita raça, mas vai ter que jogar mais bola para se classificar à final
CEC compensou os maus momentos no jogo com muita raça, mas vai ter que jogar mais bola para se classificar à final

Na verdade o CEC somente assumiu o controle do jogo nos últimos dez minutos da partida. Rondou a meta adversária, mas não criou situações claras de gol.

Para o Brasília a situação ficou ainda mais sofrida nos minutos finais, quando passou a atuar com um homem a menos. O CEC pressionou, pressionou mas não fez o gol.

Com um a mais nos minutos finais, o CEC foi com tudo, mas não conseguiu o gol da vitória
Com um a mais nos minutos finais, o CEC foi com tudo, mas não conseguiu o gol da vitória

O resultado em si foi justo pelo que os times fizeram em campo. Para o bom público ficou a sensação de que as duas equipes jogaram bom futebol, com bom exemplo dentro e fora de campo.

O resultado, também, foi ruim para o Ceilândia. Agora, o alvinegro precisa vencer o Brasília de qualquer jeito para se classificar. Vai precisar fazer um ou outro ajuste, mas vai ter que jogar mais que jogou neste sábado.

 

Juniores: duelo de invictos na semi-final

Volantes do CEC tem ficado expostos: contra o Brasilia, CEC vai ter que atuar mais como time
Volantes do CEC tem ficado expostos: contra o Brasilia, CEC vai ter que atuar mais como time

Ceilândia e Brasília enfrentam-se em uma das semi-finais do Metropolitano 2013 de juniores. A definição ocorreu nesta terça-feira, após o Brasília confirmar o seu favoritismo e vencer o Gama por 3 x 2. No jogo de ida, o colorado já havia vencido o adversário por 3×1.

O duelo opõe os dois únicos times invictos na competição. Por ter a melhor campanha, o Brasília leva a vantagem nos critérios de desempate. A primeira partida deve ser jogada no Estádio Regional de Ceilândia, sábado, às 10h00.

CEC sofreu com a marcação por pressão do Sobradinho. Brasília marca diferente, mas é melhor individualmente que o Sobradinho
CEC sofreu com a marcação por pressão do Sobradinho. Brasília marca diferente, mas é melhor individualmente que o Sobradinho

Deve ser um confronto equilibrado. O Ceilândia mostrou-se muito forte defensivamente em oposição ao Brasília que demonstrou um jogo de transição muito eficiente. O Ceilândia é muito forte nas bolas paradas e no contra-ataque. O Brasília é um time com domínio de bola.

As duas equipes enfrentaram-se na fase de classificação e o resultado final apontou empate em um gol.  De lá para cá, o Ceilândia evoluiu muito. Serão jogos diferentes daqueles disputados contra o Sobradinho.

CEC é forte na defesa, instável na armação e forte no ataque. Maior virtude: forte mentalmente
CEC é eficiente na defesa, instável na armação e forte no ataque. Maior virtude: forte mentalmente

Contra um time que sabe valorizar a posse de bola, o Ceilândia não pode, por exemplo, se dar ao luxo de expor demasiadamente os seus volantes.

Contra um Sobradinho dividido entre defesa e ataque, foi possível ao alvinegro se dar ao luxo de desprezar a transição da defesa para o ataque. Contra o Brasília o CEC terá que ser mais compacto e impedir a boa jogada de transição do adversário.

Binha terá papel relevante nessas semi-finais
Binha terá papel relevante nessas semi-finais

 

Serão jogos interessantes taticamente e os técnicos assumem especial relevância nessas horas.

Os dois melhores times da competição se enfrentam. A favor do Gato, toda a estrutura dada aos atletas e o investimento realizado. Nessas horas, historicamente o Ceilândia é ainda mais forte mentalmente. Isso pode fazer a diferença.

No outro confronto decisivo, o Capital, que eliminou o Guará, enfrenta o surpreendente Botafogo-SAD, que eliminou o Luziânia.

 

Juniores avançam à semi-final

A defesa do CEC foi exigida nos primeiros minutos
A defesa do CEC foi exigida nos primeiros minutos

Ceilândia e Sobradinho fizeram a partida de volta do campeonato metropolitano de juniores 2013 na manhã deste sábado no Estádio Regional de Ceilândia.

O jogo começou como se previa: com o Sobradinho avançando a sua marcação buscando impedir a saída de bola do Ceilândia.

Luquinhas, ao fundo, não jogou bem e foi substituído no começo do segundo tempo
Luquinhas, ao fundo, não jogou bem e foi substituído no começo do segundo tempo

Os primeiros 20 minutos foram inteiramente do adversário, com  o Sobradinho jogando o CEC para o seu campo de defesa. O Ceilândia buscava a ligação direta com seus atacantes, que não conseguiam segurar a bola no ataque, tal como ocorrera em Sobradinho.

Apesar do domínio adversário, Wendell pouco trabalhou nos primeiros minutos e, aos 16, quando o fez, salvou a única chance clara de gol que o Sobradinho teve em toda a partida.

Higor desfere o chute certeiro: Ceilândia 1 x 0
Higor desfere o chute certeiro: Ceilândia 1 x 0

Depois do susto o Ceilândia aos poucos foi assumindo o controle da partida. Chances claras de gol, só no segundo tempo.

Aos 8 do segundo,  Jefferson mandou a bola no travessão. Um minuto depois, Danilo cruzou e a bola passou por Jefferson e Higor. O gol parecia próximo.

Higor comemora o gol da vitória
Higor comemora o gol da vitória

Não demorou muito e Higor chutou bem de fora da área para fazer um golaço, Ceilândia 1 x 0.

Depois do gol o Ceilândia permitiu que o Sobradinho equilibrasse o jogo e até correu algum perigo. Mesmo assim, Wendell não trabalhou no segundo tempo.

CEC correu pouco risco no segundo tempo
CEC correu pouco risco no segundo tempo

Ao final, com a vitória, o Ceilândia classifica-se para a semi-final onde enfrentará o vencedor do confronto entre Brasília e Gama. Na primeira partida o Brasília venceu o Gama por 3 x 1 e pode perder até por dois gols de diferença.

Ceilândia e Brasília enfrentaram-se na fase de classificação e empataram em 1 x 1.

 

CEC x Sobradinho: vale a vaga para as semi-finais dos Juniores

Expulso na partida de ida, desfalca o CEC neste sábado
Expulso na partida de ida, Juninho desfalca o CEC neste sábado

Ceilândia e Sobradinho voltam a se enfrentar neste sábado, 10h, no Estádio Regional de Ceilândia, pelas quartas-de-final do Campeonato de Juniores.

A forma de jogar do Sobradinho foi um interessante desafio para o CEC. O alvinegro serrano começa a sua marcação pressionando a saída de bola adversária e tem um bom time.

CEC segurou a pressão inicial e venceu a partida de ida
CEC segurou a pressão inicial e venceu a partida de ida

O CEC tem melhores valores individuais e um sistema de jogo um pouco mais maduro. No último sábado, fez valer a sua melhor técnica e superou o Sobradinho por 3 x 1 na última partida.

A promessa é de que o jogo seja um pouco diferente do último sábado, quando em razão da arbitragem insegura, com erros de lado a lado,  e da pressão extracampo a partida foi muito nervosa.

Com o meio de campo congestionado, o CEC mandou pelos lados de campo
Com o meio de campo congestionado, o CEC mandou pelos lados de campo

Neste sábado a promessa é de que o jogo também seja nervoso, como todo jogo decisivo. Mas, em casa, o Ceilândia tem a obrigação de fazer valer o seu melhor jogo sem cair nas provocações do adversário, como foi em Sobradinho. O técnico Binha passa essa tranquilidade para os meninos do Ceilândia.

Nos outros jogos das quartas-de-final, o Capital enfrenta o Guará buscando recuperar-se da derrota por 1 x 0 no jogo de ida; o Gama enfrenta o Brasília procurando vencer por mais de dois gols de diferença, depois da derrota em casa por 3 x 1 e, por fim, o Luziânia recebe o Botafogo-SAD precisando vencer para garantir a vaga nas semi-finais.

 

Fabinho bate para fazer o segundo gol do CEC

Juniores: CEC bate Sobradinho e abre vantagem nas quartas

CEC apelou para os chutões quando necessário, mas jogou bola quando podia
CEC apelou para os chutões quando necessário, mas jogou bola quando podia

O Ceilândia foi ao Augustinho Lima na manhã deste sábado e venceu o Sobradinho por 3 x 1, na primeira partida da fase de quartas-de-final do campeonato juniores do DF em 2013.

Foi um jogo complicado por diversos aspectos: porque o time do Sobradinho é um bom time e  porque o jogo foi excessivamente catimbado.

Wendel tenta defender o primeiro pênalti. Nessa não deu, mas no segundo Wendell conseguiu
Wendel tenta defender o primeiro pênalti. Nessa não deu, mas no segundo Wendell conseguiu

O Sobradinho começou melhor e pressionou o Ceilândia durante os primeiros 20 minutos. O Ceilândia, bem postado na defesa, não deu grandes chances para o azar.

Se, por um lado, o Ceilândia se defendia bem, por outro era incapaz de trabalhar a bola. O resultado é que a bola ia e voltava, ia e voltava. Na frente, Jefferson fazia de tudo para segurar a bola, mas era pouco.

Jefferson lutou muito: imprescindível na vitória de hoje
Jefferson lutou muito: imprescindível na vitória de hoje

Na segunda parte do primeiro tempo, o Ceilândia melhorou um pouco, mas o primeiro gol veio num lance discutível.

Na cobrança de falta de Fabinho, o árbitro viu toque na bola por parte de defensor do Sobradinho. Houve muita reclamação por parte dos jogadores do Sobradinho, que já demonstravam nervosismo muito antes do acontecido.

Fabinho foi para a cobrança e fez CEC 1 x 0.

Fabinho fez dois gols e ajudou o CEC a vencer
Fabinho fez dois gols e ajudou o CEC a vencer

Não demorou muito e o árbitro viu pênalti para o Sobradinho. Na cobrança, o empate do time serrano.

Apesar de ter sofrido o gol, o Ceilândia já conseguia trabalhar a bola. O resultado foi que, após bate e rebate na área do Sobradinho a bola sobrou para Fabinho encher o pé e fazer um golaço: Ceilândia 2 x 1.

No intervalo da partida o árbitro viu-se pressionado por dirigentes e torcedores do Sobradinho.

Arbitragem permitiu bate-boca e lances ríspidos de lado a lado
Arbitragem permitiu bate-boca e lances ríspidos de lado a lado

Diferente do primeiro tempo, os primeiros 20 minutos foram do Ceilândia. Apesar de melhor em campo, o CEC não conseguiu traduzir isso em vantagem.

Para piorar, aos 22, Juninho foi expulso.

Gustavo comemora o terceiro gol do CEC
Gustavo comemora o terceiro gol do CEC

Quando todos esperavam que o Sobradinho viesse sufocar o CEC, Gustavo Antunes escorou cobrança de escanteio e fez o terceiro do Gato.

O jogo passou a ter jogadas ríspidas, mal contidas pela arbitragem.

Aos 30, o árbitro viu outro pênalti para o Sobradinho. Na cobrança, Wendell defendeu e manteve o placar que definiu o jogo.

Sobradinho tentou de todos os modos provocar: CEC manteve a cabeça do lugar, sem ser covarde
Sobradinho tentou de todos os modos provocar: CEC manteve a cabeça do lugar, sem ser covarde

Agora, Ceilândia e Sobradinho voltam a se enfrentar no Estádio Regional de Ceilândia.

O Gato tem boas e más lições para aprender desta partida. A principal é que o time não caiu na catimba adversária e manteve-se focado no seu jogo. Se quiser passar adiante, vai precisar manter o foco, futebol mostrou que tem.

Juniores: Quartas começa no sábado em Sobradinho

CEC começa as quartas em Sobradinho
CEC começa as quartas em Sobradinho

A FBrF divulgou a tabela de jogos das quartas-de-final.  O Ceilândia jogará às 10h do próximo sábado, no Estádio Augustinho Lima, contra o Sobradinho.

O Sobradinho começou supreendentemente bem a competição para um time que foi montado em cima da hora e à base de peneiras. Depois, caiu de produção, mas conseguiu importante vitória diante do Brasiliense na última rodada e garantiu a classificação.

Ceilândia evolui na competição
Ceilândia evolui na competição

Já o Ceilândia investiu forte no time de juniores. Jogadores foram escolhidos pessoalmente pela Comissão.

O time começou aos trancos e barrancos e foi evoluindo ao longo da competição. Time sabe que na fase de mata-mata é outra competição e não se pode dar chance para o azar.

Ceilândia passa pelo Botafogo-SAD e vai enfrentar o Sobradinho

Segurança da defesa começa no gol
Segurança da defesa começa no gol

O  Ceilândia goleou o Botafogo-SAD por 6 x 2 na última rodada da fase de classificação do campeonato de juniors do Distrito Federal versão 2013.

Muito da goleada deveu-se à soberba atuação do alvinegro no primeiro tempo, particularmente nos primeiros 20 minutos. Equilibrado em campo, o Ceilândia foi empurrando o adversário para o seu campo de defesa.

Disputa na área adversária: resultado merecido
Disputa na área adversária: resultado merecido

Com tanto domínio, o gol seria uma questão de tempo e viram nos últimos quinze minutos do primeiro tempo. Primeiro,  Jefferson aproveitou-se de boa jogada de abriu o marcador.

Minutos depois, Jefferson aproveitou a falha do goleiro e ampliou para 2 x 0. Aos 43, Hugo completou bela jogada coletiva do CEC e deu números finais ao primeiro tempo: Ceilãndia 3 x 0.

Baixinho correu muito no primeiro tempo e foi premiado com um gol
Baixinho: correu muito no primeiro tempo e foi premiado com um gol

Veio o segundo tempo e o Botafogo-SAD veio mudado. Com três atacantes e uma tática suicida na defesa, o adversário diminuiu logo nos nos primeiros minutos em cobrança de penalti.  Começava aí um festival de gols de  bola parada.

Não demorou e Baixinho fez boa jogada e foi derrubado na área. Penalti que Fabinho cobrou com perfeição. Ceilândia 4 x 1.

Minutos depois foi a vez de Leo, de falta, diminuir para o Botafogo-SAD: Ceilândia 4 x 2.

Apesar da goleada, defesa trabalhou muito
Apesar da goleada, defesa trabalhou muito

Naquele momento o Botafogo era melhor. Depois dos 25 minutos o CEC equilibrou a partida e fez mais dois gols, ambos de penalti: Baixinho aos 38 e Fabinho aos 43 deram números finais ao marcador.

O jogo deixa duas impressões: a primeira bastante positiva. No primeiro tempo o CEC mostrou um jogo bem estruturado e construiu o marcador mantendo-se consistente na defesa, no meio  e no ataque.

Os primeiros minutos do segundo tempo demonstraram certa instabilidade, mas o time soube se recuperar durante o jogo e ampliar o marcador.

Nas quartas-de-final o Ceilândia enfrentará o Gama.

 

CEC bate Bandeirante e garante classificação

CEC volta a vencer e garante classificação
CEC volta a vencer e garante classificação – Foto: Arquivo CeilandiaEC

Depois de dois empates seguidos, contra Brasilia e Guará, o Ceilândia enfim voltou a vencer.

Jogando no Abadião, o alvinegro venceu o Clube Atlético Bandeirante-Novo Gama por 5 x 2.

O resultado  garante o CEC na próxima fase da competição.

Na última rodada o CEC enfrenta o Botafogo-SAD precisando de uma vitória para melhorar a posição na tabela.

Cruzeiro e Guará fazem um confronto direto, na última rodada, disputando uma vaga.

O Brasília já garantiu a primeira colocação do Grupo A.

No Grupo B também só resta uma vaga. Brasiliense e Sobradinho fazem outro confronto direto por essa vaga.

Demais resultados da rodada,

 

GUARA 1 X 0 BRAZLANDIA
C.A.B/N. GAMA 2 X 5 CEILANDIA
BOTAFOGO – DF/SAD 0 X 1 BRASILIA F.C.
GAMA 1 X 1 CAPITAL
S.E.S.P/ASAC 1 X 8 LUZIANIA
SANTA MARIA 0 X 1 BRASILIENSE

Classificação – Grupo A

Pos Equipe Pts JG V E D GM GS SG
1 Brasília 16 6 5 1 0 21 2 19
2 Ceilândia 11 5 3 2 0 11 5 6
3 Botafogo 10 5 3 1 1 12 7 5
4 Guará 8 5 2 2 1 7 8 -1
5 Cruzeiro 6 5 2 0 3 4 7 -3
6 Brazlândia 0 5 0 0 5 2 14 -12
7 Bandeirante 0 5 0 0 5 9 23 -14

 

Classificação – Grupo B

 

Pos Equipe Pts JG V E D GM GS SG
1 Gama 12 6 3 3 0 10 4 6
2 Capital 10 5 3 1 1 11 3 8
3 Luziânia 10 5 3 1 1 14 8 6
4 Sobradinho 9 5 3 0 2 10 3 7
5 Brasiliense 7 5 2 1 2 10 11 -1
6 Santa Maria 3 5 1 0 4 4 11 -7
7 Planaltina 0 5 0 0 5 7 25 -18
Juniores: CEC enfrenta o seu primeiro real desafio

Juniores: CEC tem desafio real

Juniores: CEC enfrenta o seu primeiro real desafio
Juniores: CEC enfrenta o seu primeiro real desafio

Depois de haver folgado na terceira rodada, o CEC volta a campo neste meio de semana para enfrentar o Brasília. Será a oportunidade para os comandados do técnico Binha mostrarem o amadurecimento do trabalho.

Ceilândia e Brasília são os únicos times com cem por cento de aproveitamento no Grupo B. O Brasília venceu os seus três jogos, o Ceilândia venceu as duas partidas que disputou.

A análise da diretoria identifica que o time tem potencial, mas vai exigir trabalho e atenção do seu treinador.  Para uma equipe que veio para ser campeã, alguns reforços são necessários.

Em caso de vitória, o Brasília praticamente assegura uma vaga para as quartas-de-final da competição. O Ceilândia precisa da vitória para não permitir que o adversário abra seis pontos de vantagem.

Jogo complicado nesta quinta, 15h30, no Jaguar.

Ceilândia evolui: dever de casa sem susto: 2 x 0

CEC dominou o Brazlândia: evolução recompensada com a vitória
CEC dominou o Brazlândia: evolução recompensada com a vitória

O Ceilândia fez na tarde desta quarta-feira, 15h30, no Estádio Regional, a sua segunda partida pelo Campeonato de Juniores 2013.

O jogo foi todo do Ceilândia. No primeiro tempo, apesar do amplo domínio, o alvinegro foi incapaz de criar situações claras de gol. Diferente da partida diante do Cruzeiro, o CEC possuía volume de jogo, algo mais próximo de um jogo estruturado, mesmo assim, foi incapaz de criar situações claras de gol.

O único gol veio na cobrança de pênalti de Rafael.

Edson é abraçado pelos companheiros: segundo gol alvinegro
Edson é abraçado pelos companheiros: segundo gol alvinegro

No segundo tempo, o CEC continuou mandando no jogo, apesar de haver mostrado alguns momentos de instabilidades. A partida ficou ainda mais tranquila quando o Brazlândia passou a contar com um homem a menos.

No final da partida, Edson fechou o marcador fazendo o já então merecido segundo gol do Ceilândia.

Agora, o CEC folga no próximo sábado e volta a jogar no dia 12, quando enfrentará o Brasília.

Juniores começam com o pé direito

Bola no chão foi artigo de luxo no jogo contra o Cruzeiro
Bola no chão foi artigo de luxo no jogo contra o Cruzeiro

A notícia da vitória do CEC sobre o Cruzeiro deve ser dividida em três etapas: os fatos, as justificativas e o jogo.

OS FATOS

Vamos aos fatos: por mais que doa, o fato é que existem peladas melhores do que o visto no jogo de hoje. Também existem campeonatos de balões mais interessantes. Foi um jogo difícil de ser assistido.

AS JUSTIFICATIVAS

Ficou claro, para quem assistia, que principalmente o time do Ceilândia sentia a falta de ritmo de jogo. O campo duro também não ajudava.

Mau posicionamento no meio de campo: CEC sempre chegava atrasado
Mau posicionamento no meio de campo: CEC sempre chegava atrasado

O JOGO

O jogo foi muito disputado. No primeiro tempo o Ceilândia foi melhor e teve as melhores ações. Isso não invalida o fato de que o time foi incapaz de apresentar sequer uma jogada de ataque estruturada. As chances que teve foram fruto de bolas paradas ou do acaso.

Naquilo que mais se aproximou de uma jogada estruturada, o CEC desperdiçou: Lucas Gois saiu cara a cara com o goleiro e perdeu. Na sequencia, Hugo teve que bater duas vezes para abrir o marcador.

CEC comemora o gol de Hugo. Naquele momento o CEC era melhor
CEC comemora o gol de Hugo. Naquele momento o CEC era melhor

Veio o segundo tempo e o Cruzeiro voltou melhor. O meio de campo do Ceilândia mostrava claramente a falta de tempo de bola. Invariavelmente chegava atrasado, principalmente os volantes.

No ataque, os meias e atacantes eram incapazes de segurar a bola. O resultado foi que a cada ataque do Ceilândia correspondia um contra-ataque do Cruzeiro, com a diferença de que, invariavelmente, o Cruzeiro chegava de modo mais estruturado.

O Cruzeiro foi melhor no segundo tempo. O Ceilândia defendia-se como podia. Os primeiros 20 minutos do segundo tempo davam a impressão de que a qualquer momento o empate viria.

CEC só voltou a ameaçar no final do jogo
CEC só voltou a ameaçar no final do jogo

Binha mudou o esquema de jogo para o 4-4-2 e o time melhorou ou ao menos ficou mais equilibrado. Daí até o final, o jogo foi cheio de tensão.
No final da partida o Cruzeiro teve um jogador merecidamente expulso. Não havia tempo para mais nada.

O Ceilândia não apresentou um bom futebol, mas jogou o suficiente para começar o Candanguinho 2013 com o pé direito. O jogo ressaltou que a vitória decorreu da atuação coletiva e não de individualidades.

No próximo final de semana enfrentará o Brazlândia no Estádio Regional de Ceilândia.