2017 tem um começo difícil para o Ceilândia

11 perguntas sobre a derrota do Ceilândia para o Real

Lance do gol: o único jogador marcando alguém é Wallinson... a bola vai sobrar para Glauber na direita
Lance do gol: o único jogador marcando alguém é Wallinson… a bola vai sobrar para Glauber na direita

1. É verdade que o Ceilandia estava muito improvisado? É verdade apenas em termos, mas em termos relevantes. A defesa do Ceilandia era improvisada, isso é fato. O restante do time,  não. É verdade que Alcione vinha jogando no meio e iniciou na lateral direita; que Didão vinha jogando de volante, iniciou na defesa; que Elivelto vem jogando na lateral, mas nao é lateral de oficio, mas é certo que David e Filipe Cirne são jogadores de meio. No final, David foi para a lateral, mas joga no meio, mas a volta de Alcione ao meio melhorou o Ceilândia. Tambem é verdade que, a rigor, Pedro foi pouco exigido, fato que pode indicar que o problema não é da defesa e  pode estar à frente.

Helivelto esteve mal no um contra um no primeiro tempo: talvez o problema não fosse ele, apenas estourasse nele
Elivelto sofreu pelo lado esquerdo, melhorou pelo meio em um time ainda em formação.

2. Elivelto merece as criticas por sua atuação? A maior parte das críticas são improcedentes. O Real tinha uma movimentação interessante pelos lados.  O Real montava uma linha de 4 para empurrar a defesa do Ceilandia para o proprio campo e depois os jogadores se movimentavam deixando sempre alguém livre nas costas de Elivelto.

A  esquerda de defesa do Ceilandia ficou perdida.  Mas  não era  apenas Elivelto que tinha dificuldade. Maycon não tinha força para marcar ou seguir Dedê, Elivelto para marcar Kaio e (?!) Léo Pontes. A rigor, Maycon, Elivelto ou Wallinson pagavam pelo pouco compromisso de Gilmar e Filipe que nao sabiam a quem marcar. Culpa dos jogadores? Dificil saber. Uma possibilidade é a de que Allanzinho estivesse muito aberto ou fora empurrado para o próprio campo de defesa.


3. Adelson escalou o time mal? Inicio de temporada, time novo, segundo jogo. A experiência em comandar equipes recomenda que se diga que as decisões não são boas ou ruins. As decisões são decisões e serão tão boas ou ruins quanto os resultados.

É fácil falar depois do resultado. Nessa armadilha o CeilandiaEC não cai. O fato é que Adelson está experimentando. Ele próprio disse que o time está longe daquilo que pretende e disse acreditar que seria preciso esperar quatro jogos para que o time ganhasse uma cara. Então, é  muito cedo para dizer se escalou mal ou não. O jogo vale pelo que é: um jogo de primeira rodada e, portanto, muito cedo para fazer juízo de valor sobre os jogadores e sobre o técnico.

Ari é o presidente: é necessário ter calma nessas horasAri é o presidente: é necessário ter calma nessas horas
Ari é o presidente: é necessário ter calma nessas horas

4. A direção precisa agir? A direção conseguiu montar um time forte para 2017. Tem todos os méritos. Sabe-se, contudo,  que algumas medidas logísticas nao sairam como esperado. A correlação de forças dentre as diversas esferas de decisão do Ceilândia  tem que levar em consideração que às vezes é preciso ter calma e, acima de tudo, diálogo.

Se uma decisão vai repercutir na esfera de decisão de outra instância, é preciso que se anuncie e se discuta previamente por que, como e quando será executada evitando-se surpresas de última hora que podem afetar o tenue equilibrio entre as diversas pessoas envolvidas (presidencia, staff, comissão e jogadores). O diálogo prévio é sempre importante.

Quanto ao elenco é possivel que as limitaçoes orçamentarias impeçam a contratação de um meia que saiba dar ritmo ao jogo e de um referência.

Glauber comemora o único gol da partida
Pedro nada pode fazer no chute de Glauber que comemora o único gol da partida

5. Pedro pode ser responsabilizado pelo resultado? Em hipótese alguma! Apesar da vitoria do Real ser incontestável, Pedro não teve trabalho. A rigor, as duas ultimas linhas de defesa do Ceilandia tornaram mais facil a vida do arqueiro. Mesmo as dificuldades de Elivelto com Dedê, Kaio e Leo Pontes nao se traduziram em situações claras de gol.

Weverton mostrou que tem habilidade: o problema do Ceilândia é coletivo
Weverton mostrou que tem habilidade: o problema do Ceilândia é coletivo

6. Adelson mexeu mal no time? A princípio, não. O Ceilandia já melhorara quando Adelson retornou Alcione para o meio. É verdade que o desejo de manter a vantagem tirou o impeto do Real, mas é fato que o Ceilandia melhorou com as alterações.  O problema parece ser outro.

Filipe Cirne é tão vítima de um time em formação quanto os demais
Filipe Cirne é tão vítima de um time em formação quanto os demais

7. Filipe Cirne deve ser sacrificado? É preciso distinguir duas situações: atacando e defendendo. O Ceilândia já vem demonstrando problemas na transição defesa-ataque desde os jogos-treinos. O time abusa da ligação direta. Isso aparentemente tem a ver com a qualidade dos treinamentos: no jogo o atleta enfrenta situações que não vivenciou nos treinamentos.

Outra prova de que isso tem a ver com a qualidade dos treinamentos é o fato de que o Ceilândia é solidário defensivamente, mas  é pouco solidário quando tem a bola. Poucos se apresentam como opção, a qualidade do passe e o aproveitamento de segunda bola são ruins. Filipe Cirne é uma referência técnica do time. É possível jogar com Filipe Cirne? Sim, é possível. É possível jogar sem Filipe Cirne? Sim, também é possível. O maior problema então  é aceitar ou não esse fato, protege-lo ou não e adotar as soluções compatíveis com esse entendimento. O desequilíbrio do time contra o Real não pode ser imputado unicamente a Filipe Cirne, embora se admita que ele tenha sido parte do problema.

Quatro opções e nenhum passe: transição defesa-ataque confunde velocidade com pressa com e cadencia com lentidão
Quatro opções e nenhum passe: transição defesa-ataque confunde velocidade com pressa com e cadencia com lentidão

8. O Ceilandia é um time previsivel? Segundo jogo da temporada e é natural que o time vá incorporando variáveis a seu repertório jogo após jogo. Respondendo à pergunta; Com as ressalvas apontas, o Ceilândia é um time previsível, mas todos de algum modo o são. De qualquer forma é muito cedo para exigir que o time apresente um repertório de jogadas ofensivas ou defensivas. É preciso dar tempo ao tempo e que as correções ocorram a tempo e modo.

Torcida fez a sua parte, mas o time não ajudou
Torcida fez a sua parte, mas o time não ajudou

9. A torcida não correspondeu? Isso não é verdade! A Camisa 13 cantou o jogo inteiro e o publico, no geral, foi superior ao esperado. A verdade é que em nenhum momento o time ajudou dando a impressão que tinha condições de vencer. Isso foi uma ducha dagua fria nos animos do torcedor do Gato Preto!

Eliveton avança numa boa jogada e desarmado: sem opções à frente e de recomeçoEliveton avança numa boa jogada e desarmado: sem opções à frente e de recomeço
Eliveton avança numa boa jogada e desarmado: sem opções à frente e de recomeço

10. O Ceilândia precisa de um atacante de referência? Precisa e urgente, mesmo que se reconheça que é possível (e muitos times jogam) jogar sem um referência. O Ceilandia possui poucas variações táticas. O time ainda  é previsível com ou sem a bola nos pés. Em outras palavras: o Ceilândia ainda faz força para jogar, algo de algum modo natural na etapa atual dos trabalhos. De qualquer forma, um atacante de referência não mudaria a previsibilidade, mas acrescentaria uma variavel.

2017 tem um começo difícil para o Ceilândia
2017 tem um começo difícil para o Ceilândia

11. Há motivos para desespero? Claro que não! Foi apenas o segundo jogo da temporada!

Comentarios

Comentarios