11 anos depois

Dimba: dois gols nas últimas duas partidas
Dimba: dois gols nas últimas duas partidas

Amanhã, sábado, à s 16h, Ceilândia volta a assistir uma partida entre dois clubes da cidade no Campeonato local.  De um lado o Ceilândia, que vem de um começo irregular; do outro o Atlético, reestreante na competição e que vem ganhando ares de favorito ao liderar o campeonato. O CEC fará os últimos preparativos na manhã desta sexta-feira, no Centro de Treinamentos do Jaguar. Na parte da tarde inicia a concentração.

11 anos depois Ceilândia verá um encontro entre dois clubes da cidade se enfrentando pela campeonato metropolitano. A última partida foi disputada em 2 de maio de 1999, ocasião em que Ceilândia e a então Ceilandense empataram em 1 x 1. Aquele ano marcou o retorno do Ceilândia à primeira divisão do Campeonato do Distrito Federal, após a quase extinção em 1996. Por outro lado marcou, também, o rebaixamento da Ceilandense que passou maus momentos na segunda divisão do Candangão durante dez temporadas.

Durante esse periodo a Ceilandense contou com a ajuda do Ceilandia para sobreviver. Primeiro recuperando o Estádio Abadião, depois com o próprio time de juniores do Gato representando o então clube rubro-anil da Cidade. As duas equipes travaram os primeiros duelos ainda na década de 70 do século passado nos campeonatos amadores de Ceilândia quando o tradicional Dom Bosco, fundado em 1963, e Nacional, fundado em 8 de outubro de 1977, faziam boas partidas pelo campeonato da liga local.

Atlético: na fotografia de Ueslei Marcelino
"Atlético": na fotografia de Ueslei Marcelino.

Ao ser fundado como clube profissional, há aproximadamente quinze anos, a Ceilandense guardou um pequeno resquício do Nacional: as cores azul, vermelha e branca, herança do próprio nome e que era uma homenagem ao Nacional do Uruguai, campeão da Libertadores da América em 1971, 80 e 88.

A história da Ceilandense fez o caminho inverso ao do Ceilândia em 2009. Enquanto o Gato retornava à s mãos de pessoas da cidade, depois de cinco anos sob o comando de Serjão, a Ceilandense ia para a mãos de empresários goianos e se transformava numa filial do Atlético Goianiense pelas mãos do ex-Secretário de Fazenda do Distrito Federal e atual vice-prefeito de Goiânia e homem forte do Dragão, Valdivino de Oliveira. Para isso e numa cuidadosa estratégia de marketing, cuidaram de discretamente ir apagando a história da Ceilandense aos poucos. A primeira medida foi alterar as cores do tradicional azul, vermelho e branco (o próprio azul uma homenagem à bandeira de Ceilândia, que tem as cores azul e branco) para o preto e vermelho do Atlético Goianiense. A segunda medida, mais sutil, foi alterar o próprio nome da equipe de modo a que nos uniformes o destaque fosse para a palavra Atlético e não Ceilandense (ver foto de Ueslei Marcelino).

Comentarios

Comentarios

7 comments

  1. quem olhou o jogo viu q o time poderia ter perdido o jogo mas é como eu disse é mta soorte do treinador é mto retranqueiro faz um gol e enche o time de volante , ex; contra botafogo terminou o jogo com 3 zagueiros e 4 volantes , panda, badiuca,edimar, vieira,daniel,tezeli,e um tal de douglas eos caras não empataram nem sei como é sorte

  2. Gostaria de saber se todo elenco do CEC vai jogar e se é transmitido os jogos para o Estado de Minas GERAIS pela TV por Assinatura, pois gostaria de veu o meu sobrinho Mener jogar, estamos torcendo para isto acontecer.

Join the Conversation