Muitos gols perdidos, muitas paralisações: Só 4 minutos e 0 x 0

Helinho e Michel: Jairo mudou a cabeça de área

O Ceilândia colecionou o segundo tropeço consecutivo no Candangão 2019. Jogando na manhã deste domingo no Serejão, o Gato Preto não passou de um empate sem gol num jogo em que perdeu muitos gols, sofreu com as traves, com o antijogo do adversário e seus próprios erros.

Dener deixou o Ceilândia e a missão para Miranda

O primeiro tempo foi jogado sob sol. Na primeira etapa as equipe se equivaleram. Mesmo bastante alterado, o Ceilândia ainda teve dificuldades na marcação de saída de bola do adversário. A favor do alvinegro contou o fato de que o adversário não tem uma boa saída de bola.

Victor foi outra novidade: pouco trabalho

Na primeira metade do primeiro tempo o Ceilândia esteve melhor. Poderia ter aberto o marcador em ao menos duas oportunidades, uma delas clara. Na melhor, Wallace tirou do goleiro e a bola explodiu na trave esquerda.

Na melhor chance do primeiro tempo, a bola de Wallace explodiu na trave

O segundo tempo foi jogo de um time só. A rigor o Taguatinga chegou em apenas uma bola. O Ceilândia teve ao menos quatro situações claras de gol, mas Formiga, Tatuí, Michel e Gago não conseguiram abrir o marcador. Nas vezes em que a bola passava pelo goleiro adversário encontrou a trave. Kabrine em razões para lamentar.

No segundo tempo, muita chuva: Kabrine foi parado pela trave

O Ceilândia pressionou bastante no final do jogo, mas aí apareceu a condescendência da arbitragem. Houve diversas paralisações para atendimentos médicos, mas fiquemos com apenas duas. Na primeira, aos 33, o goleiro do Taguatinga pediu atendimento médico. O jogo ficou parado por 2’30”.

Michel teve azar nesse lance: sem goleiro

A segunda paralisação ocorreu quando faltavam 5’46” para o término da partida. A partida somente foi retomada quando faltavam 2′ para o término. 3’46” de paralisação, mais 2’30”. Só aqui 6 minutos. O árbitro deu acréscimo de 4 minutos para desespero do Técnico Jairo Araújo.

Nesta oportunidade, Tatuí não conseguiu fazer

Óbvio que o árbitro Ademário Neves errou feio ao conceder apenas 4 minutos de acréscimo em um jogo que ficara paralisado por no mínimo 10 minutos, mas não foi isso que foi definitivo para o resultado. O Ceilândia criou muitas chances e não fez. Pouco para um time como o Gato Preto.

Só nessa paralisação 3min41seg. O árbitro deu apenas 4 de acréscimo

O Ceilândia termina o primeiro terço da competição com 5 pontos em 12 disputados. No terço intermediário enfrenta, pela ordem, Brasiliense, Santa Maria, Gama e Formosa.

4 de acréscimo em um jogo que, só para atendimentos, ficou parado 8

Não tem faltado disposição. O time tem sido valente, mas agora vai ter que somar pontos contra times que estão no alto da tabela.

Comentarios

Comentarios