Tag: Brasiliense

3 prá lá, 3 prá cá…

Gleissinho tem sido uma das apostas de Adelson:

O Ceilândia sabe que a classificação para a próxima fase da Série D 2022 não vai ser fácil. O grupo está muito equilibrado e, neste momento, apenas o Brasiliense tem gordura para queimar. O Ceilândia não mais porque está ao alcance do sexto colocado.

Dudu tem subido de produção.

Neste momento, 3 pontos separam o Ceilândia da primeira colocação, mas apenas 3 pontos o separa do 5o colocado, fora da zona de classificação. Em outras palavras: em uma rodada tudo deve mudar.

Thiago Juan teve o segundo melhor índice do jogo, atrás apenas de Peninha.

O Gato Preto terá uma semana inteira de trabalho para o jogo contra o Iporá.  O time goiano não vem bem na competição, mas na última rodada tirou pontos importantes do Gremio Anápolis.

Grupo A 5 - Série D 2022

PosClubeJVEDGPGCSPts
15410103713
2641185313
3632162411
4631264210
5621337-47
651315506

Este jogo promete ser diferente dos dois últimos. Contra Botafogo e Brasiliense o Ceilândia enfrentou adversários que se propuseram a atacar e contra-atacar. O Iporá, pelo que tem mostrado, é um time de amarrar o jogo. Jogo diferente, diferente estratégia.

Hora de reagrupar porque sábado tem Série D

De qualquer forma, o Ceilândia sabe da importância do jogo porque na sequência faz dois jogos decisivos contra o Anápolis. O time goiano está empatado em pontos com o Ceilândia.

Com requintes de crueldade: Brasiliense 2 x 1 Ceilândia

Há derrotas e derrotas. A de hoje foi particularmente cruel porque o placar não reflete o que foi o jogo… ou reflete. Claro, o adversário venceu por méritos próprios.

O Ceilândia dominou as ações quase que completamente. Coletivamente o Ceilândia fez a sua melhor partida do ano. Os erros individuais fizeram a diferença.

No primeiro tempo, apesar do domínio, o Gato Preto não criou situações claras de gol. O adversário explorava os contra-ataques e os erros individuais do lado esquerdo da defesa. Assim, aos 37 fez 1 x 0 com Marcão.

Veio o segundo tempo e até os 15 o Brasiliense não havia passado do meio de campo. Quando passou, saiu a jogada do segundo gol, marcado por Keynam.

PosClubeJVEDGPGCSPts
15410103713
2641185313
3632162411
4631264210
5621337-47
651315506
7603336-33
86006413-90

Daí para a frente só deu Ceilândia. O Gato Preto rondou a área amarela o jogo inteiro, mas não conseguia furar a defesa adversária.

De tanto insistir, o Ceilândia diminuiu com Pítio aos 45. Foi todo ao ataque, poderia ter tomado o terceiro no segundo ataque dos amarelos, mas Kayser fez a segunda defesa milagrosa do dia. Pressão do Ceilândia e nada.

Foi uma derrota dolorida porque se sabe que o Ceilândia jogou mais. O Campeonato não se resume ao jogo de hoje. Tem volta… tem jogo…

 

Ceilândia e Brasiliense: liderança em jogo na Série D

Informação que Thiaguinho não mais compõe elenco do Ceilândia.

Ceilândia enfrenta o Brasiliense às 15h30, no Defelê.  Será a 6a vez apenas em 2022, mas a primeira vez na história que o Gato Preto enfrenta o Brasiliense em competição nacional.

Whattiman é outro a deixar o Ceilândia.

O jogo poderá definir qual time liderará o Grupo A5 da Série D isoladamente. No retrospecto do ano, os amarelos levam nítida vantagem..  O Ceilândia não vence o Brasiliense desde 2018.

Maycon Oliveira estreou contra o Ação-MT.

O técnico Adelson de Almeida teve pouco tempo para preparar o time. O jogo de quinta foi seguido de preparação mental, revisão e regenerativo na sexta, hotel no sábado e jogo hoje.

Ceilândia volta a enfrentar o Brasiliense neste domingo.

É muito provável que o Brasiliense parta para um jogo de intensidade.  O Gato Preto precisa estar preparado, inclusive para o novo padrão de jogo do adversário.

Ceilândia e Brasiliense tem um retrospecto de muito jogos decisivos: mais vitórias deles que nossas.

Para a partida de hoje o Ceilândia não contará com Whattimem e Thiago Magno. Os contratos se encerraram e, conforme informado, os atletas optaram por não renovar. A informação não foi checada com os atletas.

Adelson e auxiliares: muito trabalho

O elenco do Ceilândia é bastante enxuto e com opções muito parecidas. Adelson carece de jogadores com características diferentes. Talvez não as encontre  no mercado ou porque está contente com o elenco. O fato é que o time precisa de mais opções.

 

Chegadas e Partidas: Ceilândia mudado para a D Nacional e Copa do Brasil

Gilson, Alemão, Cassius e Pituca. Maninho e Som. Grande time do CEC em 2002
Gilson à esquerda, Pituca à direita, mais Bobby e Ricardinho:Brasiliense levou todos em 2002.

São 20 anos passando pelo mesmo tipo de mudanças, forçadas pelo poderio econômico do rival Brasiliense.  Desde 2002, quando no meio do campeonato tirou do Ceilândia metade do time (Gilson, Pituca, Bobby, Ricardinho e até mesmo o técnico Sérgio Alexandre), o Brasiliense mostra quem manda as cartas.

Tarta era só uma criança quando chegou ao Gato em 2012

Este ano parece não ter sido  diferente. Há notícias de que Tarta teria fechado com o adversário. Especula-se que Cabralzinho tenha seguido o mesmo caminho, mas parece certo que não disputará a D pelo Ceilândia. Para completar, o volante Gabriel Henrique acertou com o Vila Nova-GO para a B Nacional.

Cabralzinho chamou atenção de Adelson quando ainda jogava pelo Sinop

Isso obriga o Ceilândia a reformular inteiramente o meio de campo e reforçar o ataque. A direção agiu rápido. Além de Matheus Falero e Thiago Magno, já utilizados na Copa do Brasil, e do retorno de Liel, o Ceilândia trouxe Felipinho do Unaí,  Giovani e Roberto Pitio do Capital.  Também conta com o retorno do lateral Gabriel, aqui revelado,  e espera a apresentação de Clemente. Os dois últimos disputaram o Candangão 2022 pelo Capital.

Gabriel recebe as boas vindas. Retorna ao Ceilândia depois de muito tempo

As mudanças trazem um grau de dificuldade a mais: saber quais serão as lideranças técnicas do time. Estes postos antes eram ocupados por Tarta e Cabralzinho.

Na premiação da TV Distrital, Os Melhores do Candangão 2022 (Alan Rones)

Não precisa ir muito longe para saber que se espera que a liderança técnica agora seja exercida por Giovani e Hiury. Giovani fez um bom campeonato pelo Capital.

Hiury, a direita, está pronto para assumir maiores responsabilidades?

Hiury começou o Candangão muito bem, mas uma lesão atrapalhou a evolução. Hiury precisa compreender que o Ceilândia lhe dá a chance de mudar de patamar e precisa abraçar essa oportunidade.

Giovani, Roberto Pitio e Felipinho: reforços para a D e Copa do Brasil

De qualquer forma, o time treinou forte na tarde de ontem. A Série D é uma maratona. O time precisa estar preparado para uma longa sequencia de jogos e uma tabela que o obriga a decidir logo, afinal o Ceilândia decidirá fora de casa já que fará 3 dos 4 últimos jogos no campo adversário.

Ceilândia lutou até o último minuto: empate e vice

Terceira final consecutiva perdida para o Brasiliense.

Não foi o final dos sonhos. O Gato Preto foi valente, saiu na frente, mas o Brasiliense foi um grande adversário, conseguiu o empate e saiu campeão.

Estadio lotou a curva norte, mas a sul estava vazia. PMDF impediu a entrada de mais torcedores.

Poderíamos voltar ao gol de Hericlis no jogo passado. Lembraremos muito no futuro.

Brasiliense todo na defesa: Ceilândia melhor na primeira etapa

Hoje, o Ceilândia foi melhor no primeiro tempo. Empurrou o Brasiliense para o campo de defesa, rondou a área adversária e fez 1 x 0 com Gabriel Pedra desviando chute de Hericlis.

Após a trombada de Sucuri e Badhuga, Hericlis chuta para o desvio de Gabriel Pedra  fazer Ceilândia 1 x 0 neste lance.

O adversário é um bom time e tem um bom treinador. Não seria fácil. Não foi.

Cabralzinho teve pouco espaço para jogar.

Veio o segundo tempo e o Ceilândia era um time ansioso. Errava decisões simples entre o passe e a jogada invidivual.

Kayser teve pouco trabalho no jogo, mas o Brasiliense foi campeão

O Brasiliense gostou do jogo. Não levava perigo efetivo para a meta defendida por Kayser.

Quando o Ceilândia parecia que equilibraria as ações veio o gol de empate com Aldo. Aldo marcou no jogo anterior Já marcara na final de 2016, quando jogava pelo Luziania.

Hiury perdeu esta chance, Romarinho outra.

O Gato Preto fez o que dele se esperava. Foi ao ataque. Poderia ter passado à frente com Hiury ou com Romarinho. Nâo passou.

Substitutos estavam entrando em campo quando o árbitro autorizou o reinicio do jogo.

O Brasiliense fez o que pôde para parar o jogo. Conseguiu e sagrou-se campeão com méritos importantes.

Do lado alvinegro, fica a certeza do bom trabalho realizado dentro e fora de campo. Em 2021, sabia-se da enorme diferença. Em 2022, vimos que a diferença diminuiu. Um elenco mais completo talvez trouxesse resultado diferente.

Ceilândia lutou bastante, mas o gol não veio

Para não ficar sem falar da arbitragem:  o gol do Brasiliense saiu quando o árbitro  autorizou o recomeço do jogo. O Ceilândia fazia 2 substituições e os substitutos não tiveram tempo para chegar na área, onde já estavam todos os atacantes do Brasiliense. Fazer o que?

Nota positiva para o público. Notícia de que muitos torcedores voltaram porque teria faltado ingresso e porque a PMDF teria impedido que a curva sul fosse ocupada.  Domingo tem Série D.

Sim, é possível!

Adelson 100% focado na sequencia final

Hoje é a finalíssima do Candangão BRB 2022. O Ceilândia precisa vencer o Brasiliense por 2 gols de diferença para conquistar o título.

A união e a fé são importantes nesses momentos

Este time já deu mostras de que é capaz de conseguir feitos importantes. Não precisa dizer.

Nossa torcida é pequena, mas é fiel.

Temos um técnico que conhece o futebol como ninguém.

Ceilândia e Brasiliense terá torcida única do Gato Preto

Os dois times chegam no último jogo do campeonato empatados com 32 pontos, ambos com 10 vitórias, 2 empates e 4 derrotas. O Ceilândia fez 27 e sofreu 16 contra 33 e 15 do adversário.

Ceilândia já passou por obstáculos difíceis até chegar aqui: pode mais

O jogo começa às 15h30.

Difícil, mas não impossível!

O Ceilândia precisa vencer o Brasiliense por dois gols de diferença neste sábado. É uma tarefa difícil em qualquer circunstância.

Poucas vezes na história o Ceilândia venceu seu adversário por 2 gols de diferença. A façanha não é impossível e já aconteceu na final de 2010, por exemplo.

A arbitragem tem sido um problema. Foi assim em 2017 e 2021 contra o mesmo Brasiliense em jogos apitados por Savio Sampaio.

Foi assim no último final de semana. O futebol se decide em campo, mas também se decide fora, mas não tem outra saída: é preciso entrar em campo e lutar. Este time tem o nosso respeito e o talento suficiente para reverter a desvantagem.

Para quem quiser saber um pouco mais sobre o protocolo do VAR, segue no link a orientação da CBF.protocolo var

 

 

VAR anula gol legal do Ceilândia e Brasiliense vence por 2 x 1

Ceilândia sofreu com bola aérea do Brasiliense

Tentar ser suscinto. O Braisliense foi melhor no primeiro tempo. O Ceilãndia teve enorme dificuldade para fazer a transição.

Marcão deu muito trabalho ao sistema defensivo alvinegro

O Brasiliense tinha mais posse de bola, mas não criava situação de gol. Achou um gol em cobrança de escanteio com Marcão, aos 27. Gabril Pedra reclamou que fora empurrado. O VAR nada assinalou.

O Ceilândia pouco produziu ofensivamente no primeiro tempo

Veio o segundo tempo. O Ceilândia veio com outra atitude. Foi surpreendido com um gol de Aldo, após novo escanteio, logo aos 2.

Lado esquerdo da defesa mais uma vez sofreu, mas segurou as pontas.

Não demorou, contudo, para o Ceilândia diminuir. Aos 8, Tarta fez um belo gol de longa distância.

Tarta comemora o gol do Ceilândia.

O Ceilândia continuou melhor. Aos 20, Adelson mudou por atacado, colocando Hericlis, Mirandinha, Gleissinho e Werick.

Hericlis entrou aos 20, fez gol aos 22, mas não valeu

Aos 22 veio o lance do jogo. Cabralzinho ganhou de Luquinhas que, desequilibrado, perdeu o controle da bola. Lançou para Vidal que cruzou para a área. Hericlis cabeceou para empatar.

Tudo muito bom, tudo muito legal, mas o VAR chamou o árbitro afirmando que teria havido falta lá atrás, no lance de Cabralzinho. Vendo e revendo o lance: lance normal de jogo.

VAR anulou gol do Ceilândia. Lance pareceu limpo

Bem, o resto é o resto… o Ceilândia martelou, martelou, martelou, mas não criou situação clara de gol.

Agora o Gato Preto precisa vencer o segundo jogo por 2 gols de diferença para sagrar-se campeão de 2022.

É final! A única imposição aceitável é a do melhor futebol

2002: Sem dinheiro, Ceilândia desmontou o time no Hexagonal Final mandando o técnico, Bobby, Gilson, Pituca e Ricardinho para o adversário no meio da competição.

As finais do Candangão BRB 2022 começam hoje para Ceilândia e Brasiliense.

Marcelinho Carioca comemora gol na vitoria sobre o Ceilândia em 2006

Em metade dos Campeonatos Candango do Século XXI, Ceilândia e Brasiliense decidiram o título diretamente como hoje ou em torneios finais, como em 2002.

Jonhes tenta, mas em 2006 o Ceilandia foi mais uma vez derrotado pelo Brasiliense

Será a 50a vez que as equipes se enfrentarão. No histórico do confronto, os amarelos levam vantagem.

Ceilândia Campeão em 2010.

Com Adelson no comando, o retrospecto dos confrontos é mais equilibrado, como pode se ver do post de ontem.

Março de 2012: Depois de 2 empates, Ceilândia eliminou o Brasiliense nas finais da Taça JK.

Para a decisão de hoje, Adelson deve contar com o time completo. O Brasiliense também.

Brasiliense abusou das faltas táticas e da eficiência
Em 2013, Brasiliense eliminou o Ceilândia na final Taça Mane Garrincha e depois Candango.

O Gato Preto sabe que o Brasiliense não é só cara feia e imposição física. É também um time que tem jogadores muito bons e uma bola parada que sempre leva perigo.

Clécio fez o gol do Ceilândia
Clécio fez o gol do Ceilândia na semifinal de 2016. Gato Preto eliminou os amarelos, mas caiu para o Luziania na Final.

Na Cidade do Gato todos sabem que é preciso serenidade para não entrar no jogo do adversário. O Gato Preto precisa  achar o equilíbrio entre não se assustar com a pressão alta do adversário,   não deixar que ele se imponha fisicamente e jogar futebol, porque a melhor técnica pode e deve decidir o campeonato.

Romarinho diminuiu a diferença, mas a sorte o impediu de fazer o gol do empate
O Brasiliense se vingou de 2016 vencendo o Ceilândia nas finais de 2017

Como toda decisão, será um jogo nervoso. Achar o ponto de equilíbrio é sempre algo complicado. O Ceilândia tem jogadores experientes.

Nas finais de 2021 novamente deu Brasiliense: 1 x 0 e Campeão Cangango.

Então, disputar uma final não é novidade para a maior parte do elenco titular. O Ceilândia tem tido alguns problemas na defesa pelo lado esquerdo. Os adversários tem explorado. Há o desafio de corrigir o lado esquerdo de defesa.

Ceilândia e Brasiliense tem um longo histórico de decisões no Século XXI: metade dos títulos passou por um confronto entre o Gato Preto e amarelos

O jogo terá torcida única do Brasiliense. A arbitragem contará com a assistência de vídeo (VAR).

Ceilândia e Brasiliense decidem o Candangão 2022 em 2 jogos

O Ceilândia não é Campeão Candango desde 2012. Faz tempo que o Gato Preto não vence o adversário,  que no geral tem mais títulos e vitórias que o Ceilândia.

Romarinho e seus gols animam o Gato Preto

Nada é impossível. Esse time já mostrou do que é capaz e que pode realizar o feito. Torcemos e jogamos juntos.

Ceilândia e Brasiliense: Uma história de muitas decisões

Marcelinho Carioca comemora gol na vitoria sobre o Ceilândia em 2006

Ceilândia e Brasiliense se enfrentaram pela primeira vez em 2001, há cerca de 21 anos. Eram anos difíceis para o alvinegro, que lutava apenas contra o rebaixamento. O adversário aparecia com um time estrelado, contra um Gato Preto formado essencialmente por jogadores que foram campeões juvenis em 1998. Deu Ceilândia, 1×0, gol de Cassius aos 37 do segundo tempo.

O tempo passou e o adversário se consolidou como o maior campeão do Distrito Federal no Século XXI.

Em 2005 e 2006 o Candangão foi decidido em quadrangular final, com Ceilândia, Brasiliense, Gama e Paranoá decidindo quem seria campeão.

Jonhes tenta, mas em 2006 o Ceilandia foi mais uma vez derrotado pelo Brasiliense

Na quinta e penultima rodada, Ceilândia e Brasiliense continuavam empatados na liderança e decidiram o campeonato. O Ceilândia perdeu por 3 x 1 e viu o adversário sagrar-se campeão na rodada seguinte.  Gato Preto foi vice-campeão.

Em 2006, o campeonato também foi decidido em quadrangular fina, agora com Ceilândia, Brasiliense, Gama e Luziânia. O campeonato foi decidido na última rodada entre Gama e Brasiliense.

CEIlândia Campeão em 2010.

Os campeonatos de 2007 e 2008 foram disputados em turno e returno, com o Ceilândia ficando em terceiro nos dois anos.

Os times voltariam a se enfrentar na final de 2010. Como sabemos, o Ceilãndia enfim venceu o Brasiliense e se sagrou Campeão Candango.

Março de 2012: Depois de 2 empates, Ceilândia eliminou o Brasiliense nas finais da Taça JK.

Em 2012, Ceilândia e Brasiliense se enfrentaram na semifinal da Taça Jk, correspondente ao primeiro turno. O Ceilândia, depois de dois empates sem gols,  eliminou o Brasiliense e disputou a final contra o Luziânia onde foi derrotado pelo time goiano. O Ceilândia venceu a Taça Mane Garrincha, segundo turno, e sagrou-se Campeão Candango mais uma vez.

Brasiliense abusou das faltas táticas e da eficiência
Em 2013, Brasiliense eliminou o Ceilândia na final Taça Mane Garrincha e depois Candango.

Os times voltariam a se encontrar nas finais da Taça Mane Garrincha em 2013. Após empate em 1×1 no Regional, o Brasiliense venceu o segundo jogo por 2×0  e viria sagrar-se campeão sobre o Brasilia.

Clécio fez o gol do Ceilândia
Clécio fez o gol do Ceilândia na semifinal de 2016. Gato Preto eliminou os amarelos, mas caiu para o Luziania na Final.

Ceilândia e Brasiliense voltaram a se enfrentar nas semifinais do Candangão  2016. O Ceilândia venceu o primeiro jogo por 1 x 0, o Brasiliense venceu o segundo por 2×1 e o jogo foi para as penalidades. O Ceilãndia venceu por 4×2 e foi para a final, quando seria derrotado pelo Luziania.

Romarinho diminuiu a diferença, mas a sorte o impediu de fazer o gol do empate
O Brasiliense se vingou de 2016 vencendo o Ceilândia nas finais de 2017

No ano seguinte, 2017, Ceilândia e Brasiliense fizeram a final. Depois do empate em 2×2 na primeira partida, o Brasiliense venceu a segunda por 3 x 2 e sagrou-se campeão.

Nas finais de 2021 novamente deu Brasiliense: 1 x 0 e Campeão Cangango.

Depois desse confronto, os times voltaram a se enfrentar na final de 2021. O Brasiliense venceu por 1 x 0 e sagrou-se campeão.

Ceilândia e Brasiliense decidem o Candangão 2022 em 2 jogos

Agora, Ceilândia e Brasiliense se preparam para mais uma decisão. Faz tempo que o Gato Preto não vence o adversário,  que no geral tem mais títulos e vitórias que o Ceilândia.

Nada é impossível. Esse time já mostrou do que é capaz e pode realizar o feito.

Aperitivo da final: Ceilândia joga melhor, mas Brasiliense vence

O jogo de hoje foi um aperitivo para as finais do Candangão BRB 2022.  Ceilândia e Brasiliense, ambos contando com jogadores de rotação, fizeram um jogo equilibrado, no qual o Gato Preto foi melhor na maior parte do tempo, mas o time amarelo venceu.

Léo voltou ao gol alvinegro

O jogo começou com o Brasiliense melhor. O time amarelo tomou a iniciativa com o seu velho jogo de imposição física. O Ceilãndia demorou um pouco a encaixar.

Boa chance, mas zagueiro salvou sobre a linha

A tática adversária já era conhecida. Nos primeiros 15 minutos parte para o abafa e imposição física. Na imposição física, Gleissinho foi superado e, no cruzamento, Bruno Nunes fez 1 x 0.  Eram 6 minutos do primeiro tempo.

Brasiliense começou melhor, fez o gol e depois cedeu campo para o Ceilandia

O Brasiliense continuou melhor nos proximos 9 minutos. Depois disso, o Ceilândia equilibrou as ações. No geral, o Gato Preto chegou tantas vezes quanto o Brasiliense. Poderia ter empatado, mas Arthur terminou o primeiro tempo sem fazer defesas importantes.

Werick foi o comandante alvinegro

O mesmo se diz de Léo, goleiro alvinegro. O Brasiliense parecia ter uma transição melhor, mas na realidade era apenas uma questão de estilo de jogo.

Octavio fez sua estreia: lutou muito, mas  claramente fora de ritmo e sem entrosamento

Veio o segundo tempo e o Ceilândia dominou todas as ações. Foram 45 minutos de predominio alvinegro, muito destes facilitado pelas entradas de China e Dõgão que acertaram a lateral esquerda e a saída de bola alvinegra.

Mirandinha teve boa chance: bola rente ao travessão

Apesar do domínio, o Ceilândia não criou situações claras de gol. Adelson fez diversas alterações colocando Hericlis, Hiury e  Fernandinho.

Hirury demorou uns 5 minutos para entrar no ritmo, depois mostrou o velho futebol

O Ceilãndia continuou melhor. Até esteve perto do gol na cabeçada de Fernando, que atingiu o travessão. O certo é que o gol de empate não veio.

Dôgão consertou a saída de bola alvinegra e tornou o Ceilândia melhor

O aperitivo das finais terminou com vitória amarela, fazendo com que o Ceilândia completasse 9 jogos sem vencer o adversário.

Fernandinho entrou novamente bem: parece ter entrado no ritmo

No sábado, teremos o primeiro jogo das finais. O mando é do Brasiliense, mas o jogo será na casa alvinegra. São dois jogos para definir quem sairá campeão. O alvinegro já mostrou do que é capaz.  A esperança da torcida está em alta. Que venham as finais!

Ceilândia vs Brasiliense: Há sempre algo a provar

Adelson colocou Dogão e Fernandinho no final do primeiro jogo contra o Capital

O Ceilândia que enfrentará o Brasiliense hoje à tarde deve vir modificado ao que vem jogando. O mesmo se espera do Brasiliense.

Giovani foi utilizado em 10 jogos no Candangão. Opção recorrente.

Isso não retira a importância do jogo. Para os atletas que não vem jogando como titulares é uma boa oportunidade de demonstrarem que são boas opções para as finais e para a Série D.

Hericlis ainda não mostrou todo seu potencial: usado em 3 jogos do Candangão

Jogadores como Giovani, Romario, Mirandinha, Werick, Gleissinho e Fernandinho vem sendo regularmente utilizados e não entram na definição de suplentes em sentido estrito. São jogadores de rotação.

Fernandinho e Mirandinha fizeram suas melhores partidas em 2022 contra o Gama.

Fernandinho, por exemplo,  fez a sua melhor apresentação no último jogo contra o Gama.

Romário é peça importante na rotação. Jogará hoje?

China, Fernando, Hériclis, Douglas Rato, Dogão  e João Afonso tiveram poucas oportunidades. Fernando um pouco mais. Alguns fizeram boas partidas, outros nem tanto.

João Afonso substituiu Igor contra o Gama e manteve a segurança da defesa

Nesse contexto, um jogo como o de hoje serve para que os jogadores  mostrem que estão à altura dos desafios que virão pela frente. Octavio recebeu muitos elogios, mas ainda não teve oportunidade.  Adler chegou há pouco e também não jogou.

Kayser fez 6 dos 14 jogos do Candangão. Os outros oito foram feitos por Léo.

Como vimos nessa fase semifinal, a maior parte dos jogos foi decidida pelos suplentes. Quem tiver o elenco melhor e mais preparado deve sair campeão.

Fagner e Jefferson assistem Kabrine em ação: Opções caso Cauê não possa jogar

Mês turbulento não pode tirar o Ceilândia do rumo certo

Ceilândia volta a enfrentar o Brasiliense amanhã. O que esperar?

O Ceilândia terá um mês de abril especialmente turbulento com as finais do Candangão 2022, o início da Série D e confronto da Copa do Brasil.

O Gato Preto por anos fez tudo certinho e dentro de suas possibilidades para recuperar-se economica e esportivamente.

Ceilândia fechou a fase de classificação em Dourados-MS, contra o Comercial
Ceilândia e Comercial-MS em Dourados em 2017. Série D começa em duas semanas.

Agora precisa evitar o deslumbramento para não gastar mais do que deve e para esportivamente se manter competitivo dentro da sua realidade.

O sorteio de ontem da Copa do Brasil colocou o Ceilândia frente ao Botafogo-RJ. Se é verdade que se deve pensar em tal jogo, não menos verdadeiro é que amanhã tem jogo contra o Brasiliense.

Copa do Brasil é importante, mas não pode ser prioridade agora.

A esta hora, os adversários estão pensando no jogo de amanhã e na decisão de sábado. No Ceilândia não pode ser diferente até porque não vence o seu adversário desde 2018. São 8 jogos, com 6 derrotas, 2 empates e apenas 2 gols marcados contra 17 sofridos.

A tabela das finais do Candangão 2022 deixaram apenas uma semana para focar na Série D. O Ceilândia precisa começar a se preparar hoje para a Série D.

Fagner e Jefferson assistem Kabrine em ação: Opções caso Cauê não possa jogar
Ceilândia não vence o Brasiliense desde março de 2018.

A hora de se preparar e focar na Copa do Brasil vai chegar, mas não é agora.

Ceilândia despacha Gama, agora terá overdose de Brasiliense.

Romarinho sofreu muitas faltas sob o olhar complacente da arbitragem

O Ceilândia venceu o Gama na tarde deste domingo, no Serra do Lago, no último jogo antes da sequencia de 3 partidas diante do Brasiliense.
O Gato Preto comportou-se de duas maneiras distintas em cada tempo.

Dos pés de Cabralzinho saíram as melhores jogadas alvinegras.

No primeiro tempo o Ceilândia foi um time lento e previsível na saída de bola.
O Gama se aproveitou e subiu as linhas e conseguiu forçar o erro alvinegro levando algum perito à meta de Kayser.

Apesar dos erros de saída de bola, defesa deu conta do recado.

A sorte do Ceilãndia é que o Gama era um tima lutador, mas obviamente tem muitas dificuldades no último passe.
O resultado foi que nenhum dos goleiro foi seriamente exigido. Destaque para a lesão do goleiro Rodolfo, do Gama, que a todos assustou no primeiro tempo.

Rafael Pedra disputa a bola. No choque do zagueiro, goleiro se lesionou e saiu de ambulancia.

O segundo tempo foi diferente. O Ceilândia conseguiu impor seu estilo de jogo.
As chances foram surgindo e o goleiro Palagi fez ao menos duas boas defesas.

Ceilândia voltou melhor no segundo tempo. Palagi salvou gol de Vidal.

O gol veio somente aos 24. No bate e rebate dentro da área, Gabriel Pedra emendou para fazer Ceilândia 1 x 0, seu terceiro golno Candangão 2022.
O panorama do jogo não mudou. Antes, Adelson mexera na defesa para colocar João Afonso e Fernando. Depois trouxe Hiury, Fernandinho e Romario.

Hiury voltou e com ele o toque diferenciado.

O sangue novo ajudou no primeiro gol, melhorou o time,  mas o segundo gol não veio.

João Afonso substituiu Igor e manteve a segurança da defesa

O Gato Preto a partir de agora só pensa no Brasiliense. Serão 3 jogos. O da proxima quarta tem valor porque um Ceilândia x Brasiliense é sempre um jogo que ninguém quer perder, mas nada influirá nos dois jogos decisivos.

Fernandinho e Mirandinha fizeram suas melhores partidas em 2022

No próximo sábado devemos ter o primeiro jogo da final do Candangão 2022. Em razão da aproximação da Série D, é muito provável que o segundo jogo da final seja na quarta-feira seguinte.
Em resumo: em 10 dias tudo se resolverá.

Vitória sobre o Gama por 1 x 0 coloca o Ceilândia no G2

Tião Rodox, Adilson e Ceará: a velha guarda prestigiou o time de 2022

O Ceilândia conquistou importante vitória na busca por um lugar no G2 do quadrangular semifinal do Candangão BRB 2022 ao vencer o Gama por 1 x 0.

O Ceilândia tentou jogar, mas o Gama fez o possível para não deixar. Árbitro não deu cartão.

Como se esperava, foi um jogo difícil. O Gama jamais se sentiu constrangido em matar as jogadas,. Às vezes com violência, às vezes segurando, às vezes puxando a camisa.

Cabralzinho foi marcado duramente. Participou dos lances mais decisivos: expulsão e gol. Aqui também não houve cartão.

O árbitro Rodrigo Raposo fez de tudo para administrar o jogo e de certo modo conseguiu. Os 4 amarelos para o Gama poderiam ser muito mais.

Gabriel Pedra foi bem marcado pela defesa do Gama.

No primeiro time, apenas um time jogou: o Ceilândia. O Gato Preto, embora sem muita inspiração, dominou as ações, mas teve enorme dificuldade de criar situações claras de gol.

As melhores oportunidades do primeiro tempo foram do Ceilândia em jogadas que sempre passaram por Crystian. As duas oportunidades foram com Romarinho, mas em ambas Romarinho não foi feliz.  Numa cabeceou sobre a meta e na outra chutou forte também sobre a meta adversária.

Ceilândia sofreu com a marcação do Gama, mas foi dele as melhores chances no primeiro tempo

 

Veio o segundo tempo e o Ceilândia,  talvez pelas facilidades do primeiro tempo, parecia um time dividido. Havia muito espaço entre Tarta, Cabralzinho e o ataque e o sistema defensivo protegido por Gabriel Henrique.

O fato é que, nos contra-ataques e aproveitando essses espaços, o Gama teve ao menos uma oportunidade de sair na frente.  Matheus Kayser, que até então não tinha trabalhado, apareceu para fazer ao menos duas importantes defesas.

Gabriel Henrique participou do gol da vitória, mas vai desfalcar o Ceilândia contra o Capital

Não demorou e o Ceilândia foi se rearrumando em campo. Aos 26, Tarta armou o contra-ataque para Cabralzinho. Caio matou novamente a jogada e, como ja tinha amarelo, foi expulso.

Romarinho fez excelente partida. Merecia ter sido recompensado com gol. Vai se contentar com uma assistência.

Depois da expulsão, o jogo ficou inteiramente para o Ceilândia. Aos 33, enfim veio o gol alvinegro. De pé  em pé, a bola passou de Igor para Gabriel Henrique, deste para Cabralzinho que mandou para o incansável Romarinho que cruzou para Mirandinha fazer o gol da vitória.

Kayser apareceu para fazer ao menos duas excelentes defesas.

Após o gol o Ceilândia foi melhora até o momento que cedeu aos cantos de olé.  O olé passou a ser um fim em si mesmo. Enquanto dava olé, o Gama tentava jogar.

O castigo veio no finalzinho quando Gabriel Henrique mal calculou a necessidade de uma falta. Foi expulso. Fará muita falta no jogo dificílimo do proximo sábado.

Igor e Medeiros tiveram muito trabalho. Vidal, do outro lado, também.

O jogo já estava terminando. O Gama tentava, mas não tinha força. O Ceilândia não queria mais jogar, apenas esperar o final.

Mirandinha tem estrela: gol da vitória. Importante.

Com a vitória, o Ceilândia está 1 ponto à frente do Capital. Os dois times se enfrentam no sábado.

O Gato Preto sabe que são dez jogos decisivos. Já foram 4. Faltam Capital, Capital, Gama, Brasiliense… …. ….