Camisa 13 comemora sob chuva intensa: Ceilândia 1 x 0 Sobradinho

Mas eles não gostam do Ceilândia, quem gosta do Ceilândia somos nós!

Mas eles não gostam do Ceilândia, quem gosta do Ceilândia somos nós!

Israel de Brito

 

            Futebol e dinheiro no Distrito Federal são praticamente palavras rivais. O Ceilândia nunca foi um time rico, mas sempre foi um time guerreiro e acima de tudo, organizado dentro das quatro linhas. Reflexo disto, fomos campeões Candangos com um orçamento bem menor que os dos nossos rivais.

Ceilândia se apresentou em 18 de dezembro

Acostumamos-nos com uma temporada que não vai apenas até abril, pois nossa trajetória no Candangão sempre foi de fazer inveja aos endinheirados e temos a Série D como uma rotina no nosso calendário. Os jogadores que se destacam com a Camisa do Gato Preto acabam arrumando as malas e partindo para clubes que infelizmente possuem a possibilidade de oferecer um contrato melhor que o nosso.

Tatuí deixou o Ceilândia e foi para o CRAC

            Mas o Ceilândia de 2019 não é sequer o reflexo dos times das temporadas passadas. Os jogadores arrumam as malas, vão embora, pois sabem que estão no meio de uma barca furada. O exemplo mais recente, Tatuí, que surpreendeu o torcedor e foi jogar pelo CRAC. Fruto de uma campanha sofrível no Candangão que rendeu apenas duas vitórias na atual temporada, contra os virtuais rebaixados Bolamense e Santa Maria.

Ceilândia teve muita dificuldade contra o Real.

            Afinal, por quais motivos eu estaria aqui escrevendo esse texto? O Ceilândia de hoje não condiz com a sua história e exala desorganização. Na temporada de 2019, enquanto os outros clubes do DF apresentavam o seu elenco, começavam seus treinos, novos uniformes e realizavam todos os trâmites de início de temporada, o Gato Preto foi na contramão. Fez tudo isso pouco antes da estreia do Candangão e o reflexo foi o suado empate contra o Real. Na próxima rodada, vencemos o frágil Bolamense com uma goleada e a torcida voltou a sonhar.

Ceilândia não deu trabalho ao Brasiliense

            Não é minha intenção falar sobre todos os jogos da temporada. O que me deixa revoltado e toda a sua torcida com o Ceilândia Esporte Clube de 2019 é a desorganização em campo. Contra o Brasiliense jogamos recuados, temerosos, assustados, mais preocupados em não tomar gol do que fazer. A bola pune, o futebol é cruel e qualquer um sabe que “quem não faz, leva”.

Ceilândia teve 15 dias de preparação antes de enfrentar o Gama

            Nossa esperança era a parada para o carnaval. Uma paralisação de 15 dias. Dias preciosos para treinar o time, acertar as falhas, colocar ordem na casa, afinal, enfrentaríamos o líder Gama dentro da nossa casa. Nada mudou! Mais uma vez, um time frágil, visivelmente remendado e repleto de improvisações que assistiu o Gama praticamente realizar um jogo treino no último final de semana.

Kabrine comemora com a torcida: Torcida sempre esteve presente

            A torcida sempre esteve presente, em dias de um sol para cada torcedor contra o Gama ou em uma manhã chuvosa e fria contra o Brasiliense, dentro do Abadião, Serejão, Bezerrão ou Mané Garrincha. A Camisa 13, mesmo durante os revezes não parou de cantar e empurrar. O torcedor do Ceilândia está lá na alegria e na tristeza. Esse texto é apenas um desabafo. Quem acompanha o Gato Preto sabe quem são os culpados e quem realmente sofre com os insucessos.

Ceilândia foi derrotado pelo Gama no último sábado.

Antes de escrever esse desafogo entalado na garganta de todos nós, rememorei uma fala do Mano Brown em uma derrota do Santos em pleno dia dos pais. Ele desabafou “A gente cria um filho porque ama o filho. A gente põe comida na boca, dá remédio, leva pra escola, veste…  Não precisa ser formado em medicina. Não precisa ser formado em culinária pra dar comida pra um filho. É só você amar. Então, se os caras gostassem do Santos, ele não tava desse jeito. Mas eles não gostam do Santos, tio. Quem gosta do Santos somos nós.”

Pois bem, torcedor do Ceilândia. Se “eles” gostassem do Ceilândia – e sabemos que não gostam – não tava desse jeito. Eles não gostam do Ceilândia! Quem gosta do Ceilândia somos nós!

Cordialmente,

Israel de Brito

 

Gracias a la vida que me ha dado tanto”

Mercedes Sosa.

Comentarios

Comentarios