Ceilândia da Copa do Brasil

O Ceilândia estréia na próxima quarta-feira na Copa do Brasil. O adversário será o Ceará.

A Cidade

Caixa Dagua: monumento da cidade
Caixa Dagua: monumento da cidade

Ceilândia é a maior cidade do Distrito Federal. A cidade foi fundada em 1971, quando a Companhia de Erradicação de Invasões – CEI – removeu os moradores das Vilas Tenório, Esperança, Bernardo Sayão, Carroceiros e Colombo; dos morros do Querosene e do Urubu; e Curral das Éguas e Placa das Mercedes. Eram todos trabalhadores que vieram para a construção da Nova Capital e que, de uma hora para outra, passaram a ser considerados invasores.

O Time

CEC de 1983
CEC de 1983

O Ceilândia foi fundado em 1979 e fez a sua estréia no campeonato do DF em 1980. O técnico do time era “Seu” Chicão, reconhecido em Ceilândia por dirigir e ser dono do melhor time da cidade: o Dom Bosco, onde dividia a direção com a sua esposa.

À falta de dados precisos, o Ceilândia foi um dos primeiros times de futebol profissional do país a ter uma mulher dirigindo a equipe. Ana Maria de Morais dirigiu o CEC em 2 de junho de 1980, contra a Desportiva Bandeirante, no Pelezão, e venceu por 2 x 1.

Durante muitos anos, o CEC foi uma das equipes pequenas do DF. Isso explica o fato de, em toda a sua história, ter disputado apenas 690 jogos em competições oficiais, com 220 vitórias, 205 empates e 251 derrotas. Foram 762 gols a favor e 871 contra. Depois de ir ao fundo do posso em 1996 e cair para a segunda divisão local, o CEC renasceu e a partir de 2002 então disputou 242 jogos em competições oficiais, com 105 vitórias, 63 empates e 74 derrotas. Foram 392 gols a favor e 330 contra. Quase metade de todas as vitórias da história do CEC foram conseguidas nos últimos 10 anos!

ARTILHEIRO

Cassius é sempre esperança de gol para o Ceilândia
Cassius é sempre esperança de gol para o Ceilândia

Não existem estatísticas completas, mas sabe-se que Cassius é o maior artilheiro do Distrito Federal e também do Ceilândia com 86 gols (aqui incluídos sete na campanha vitoriosa da segunda divisão do DF em 1998). Dimba, o capitão bi-campeão do DF pelo CEC, é o segundo maior artilheiro na história da equipe com 32 gols.

TECNICO

Adelson: duas vezes campeão com o CEC
Adelson: duas vezes campeão com o CEC

“Seu” Chicão ainda trabalha no Ceilândia, agora como mordomo. O fundador do clube é o quinto técnico que mais vezes dirigiu o Ceilândia. Foram 30 jogos com 7 vitórias, 10 empates e 13 derrotas.

Adelson de Almeida, Mauro Fernandes e o tri-campeão Brito fazem parte da lista ao lado de José Antonio (34 jogos) como os técnicos que mais vezes dirigiram o alvinegro.

Adelson até 27 de março de 2013, dirigiu o CEC em 113 oportunidades. Na primeira vez, Adelson montou um time com juniores e uns poucos veteranos. Nos quatro primeiros jogos, saiu de campo derrotado 3 vezes. No quinto, a primeira vitória, contra o já poderoso estreante Brasiliense por 1 x 0 (Cassius aos 37 do segundo tempo). De lá para cá foram 44 vitórias 38 empates e 31 derrotas.

LIVRO DOS RECORDES

Maior Vitoria
27.06.2004 a(os) 10:00 Taca Brasilia / Fase de Classificacao V Dom Pedro II 8 – 0
Maior Derrota
13.04.1996 a(os) 19:00 Metropolitano / Fase de Classificacao M Sobradinho 0 – 7
Maior numero de gols em um jogo
26.02.2006 a(os) 16:00 Metropolitano M Guará 8 – 2
Maior vitoria em casa
26.02.2006 a(os) 16:00 Metropolitano M Guará 8 – 2
Maior derrota em casa
13.04.1996 a(os) 19:00 Metropolitano / Fase de Classificacao M Sobradinho 0 – 7
Maior vitoria fora
27.06.2004 a(os) 10:00 Taca Brasilia / Fase de Classificacao V Dom Pedro II 8 – 0
Maior derrota fora
23.03.1996 a(os) 19:00 Metropolitano / Fase de Classificacao V Brasília 0 – 6
27.04.1986 a(os) 16:00 Metropolitano / 2o. Turno – Semi-Final V Taguatinga 0 – 6
29.06.1980 a(os) 16:00 Metropolitano / 1o turno V Brasília 0 – 6
Maior numero de gols marcados em empate
07.04.2007 a(os) 16:00 Metropolitano / Returno M Brasiliense 3 – 3
23.03.2005 a(os) 20:30 Metropolitano / Quadrangular Final N Brasiliense 3 – 3
09.06.2002 a(os) 15:30 Metropolitano / Hexagonal Final M Brazlandia 3 – 3
15.04.1999 a(os) 16:00 Metropolitano / Fase de Classificacao V Luziânia 3 – 3
27.03.1999 a(os) 11:00 Metropolitano / Fase de Classificacao M Sobradinho 3 – 3
20.07.1997 a(os) 16:00 2a Divisao DF / Fase de Classificacao V Atlântida 3 – 3
Maior publico em casa
22.03.1987 a(os) 16:00 Metropolitano / 1o. Turno M Brasília 5011
Maior publico fora
01.05.2010 a(os) 16:00 Metropolitano / Final – Jogo de Volta V Brasiliense 11326
Menor publico em casa
18.03.1990 a(os) 15:00 Metropolitano / 2o Turno/Grupo B M Brasília 11
Menor publico fora
16.10.1985 a(os) 15:30 Metropolitano / 3a Turno – Grupo B V Brasília 8

ÍDOLOS DO PASSADO

Marquinhos Bahia e Zico: Seleção do DF x Flamengo
Marquinhos Bahia e Zico: Seleção do DF x Flamengo

As maiores conquistas do Ceilândia aconteceram nos últimos anos. A velha-guarda não esquece de Cidão, de morte trágica, Bodão, Zé Carlos, Adilson, Zé Vieira, Sérgio  e tantos outros.

Dorival: toque bola refinado. Morte trágica. Talvez o maior craque a vestir a camisa alvinegra
Dorival: toque bola refinado. Morte trágica. Talvez o maior craque a vestir a camisa alvinegra

Na galeria de ídolos de qualquer época estão dois jogadores excepcionais: Marquinhos Bahia, campeão com o Bahia e Cruzeiro e Dorival também morto tragicamente.

Infantil: campeão da Copa Agap 2012. Tradição nas categorias de base
Infantil: campeão da Copa Agap 2012. Tradição nas categorias de base

CATEGORIAS DE BASE

O Ceilândia tem tradição nas categorias de base do DF. Embora o CEC tenha realizado campanhas ruins na decada de 80, época em que era semi-amador, foi de suas bases que saíram jogadores como Joãozinho, Som, Carlinhos, Pacheco, Auro e tantos outros, campeões do DF por Taguatinga e Brasília.

Desde 1998, o Ceilândia foi por diversas vezes campeão das categorias infantil, juvenil e juniores no DF. Em 2012, sagrou-se campeão infantil da Copa Agap.

Estádio

Estádio Regional: simples e acolhedor
Estádio Regional: simples e acolhedor

O Estádio Regional de Ceilândia possui a capacidade declarada de 5000 pessoas. Houve jogo em que quase 10000 pessoas ali estiveram, espremidas, para ver o Ceilândia.

Copa do Brasil

20060803bahia1x2cec
A Copa do Brasil é motivo de um dos maiores orgulhos, mas também do maior vexame já vivenciados pela torcida do Ceilândia.

Em 8 de março de 2006, o Ceilândia foi à antiga Fonte Nova e venceu o Bahia por 2×1, eliminando o tricolor baiano na primeira fase da Copa do Brasil. Na segunda fase, o CEC pegou o Fortaleza. Depois de um empate no Abadião, o CEC perdeu em Fortaleza e foi eliminado.

Em 16 de fevereiro de 2011, aquela que foi a maior tragédia já ocorrida na Área 14. O Ceilândia, então campeão do DF, como agora, enfrentava o bom time do Caxias. Problemas internos carcomiam o campeão candango. Resultado: o Ceilândia foi impiedosamente goleado pelo Caxias em pleno Abadião (agora rebatizado de Estádio Regional). 5 x 0 com todos os cinco gols feitos no primeiro tempo. Nunca se viu algo igual.
Agora, o CEC enfrenta o Ceará com a missão de quebrar uma escrita: nunca venceu em casa.

ESTRUTURA

Na concentração, quartos amplos para os atletas
Na concentração, quartos amplos para os atletas

O Ceilândia oferece aos seus jogadores uma das melhores estruturas do DF.

Além de dois campos gramados com grama bermuda Tifway 419, a Cidade do Gato oferecerá alojamentos, piscina, salas de musculação.

Related Images:

Comentarios

Comentarios

2 comments

Join the Conversation