Tag: Ipora-GO

Ceilândia vai a Iporá: acreditar que começa outro ciclo

Ceilândia voltará a enfrentar o Iporá. Pressão por resultado.

Apesar de alguns bons números dos jogos passados, o resultado não tem vindo.

Houve algumas alterações no elenco. Daquilo que foi divulgado, Vidal não faz mais parte do time.  Sabemos que um goleiro e um zagueiro se integraram ao elenco.  Outros devem ter saído.

Mais um jogo complicado para separar os fracos dos fortes.

O prazo final para inscrição na Série D ocorre em 22 de julho de 2022.

Para este jogo a princípio Adelson terá todos os jogadores à disposição.  O Iporá vem empolgado com 2 vitórias. 

Peninha parece que entrou em forma: com ele o Ceilândia é mais forte.

Para o  Ceilândia é oportunidade de virar a página. Encerrar um ciclo.  Basta acreditar.

 

 

Os números do Ceilândia

No futebol nem sempre há tempo e condições para uma análise fria dos maus resultados.

Time Posse de Bola Adversário
Ceilandia 62%-38% Anápolis
Ceilândia 58%-42% Iporá
Ceilândia 52% – 48% Brasiliense

Dissemos aqui que o Ceilândia fez a sua melhor partida recentemente contra o Anápolis. O resultado não veio, mas os números da Instat Tv comprovam. Dos 3 jogos, contra o Anápolis foi aquele em que o Ceilândia teve maior porcentagem de posse de bola.

Time Passes Adversário
Ceilandia 573 (86%) 341 (77%) Anápolis
Ceilândia 398 (79%) 232 (63%) Iporá
Ceilândia 470 (85%) 408 (82%) Brasiliense

Tomamos por referência 3 dos últimos 4 jogos. Os dados do primeiro jogo contra o Anápolis não foram disponibilizados pela Instat. Neste último, o Ceilândia saltou de 398 passes do jogo contra o Iporá para 573, com 86% de aproveitamento. O maior índice de aproveitamento.

Time Disputas vencidas Adversário
Ceilandia 53% 47% Anápolis
Ceilândia 47% 53% Iporá
Ceilândia 44% 56% Brasiliense

Foi contra o Anápolis que o Ceilândia conseguiu o melhor índice no um contra um. Depois de 44% duelos vencidos contra o Brasiliense e 47% diante do Iporá, o Gato Preto subiu ainda mais:  venceu 53% dos duelos contra o Anápolis. Os números dos duelos são importantes.

Time Finalizações Adversário
Ceilandia 3 de 16 6 de 8 Anápolis
Ceilândia 3 de 9 1 de 6 Iporá
Ceilândia 4 de 14 5 de 11 Brasiliense

O item finalizações parece ser um problema. Foram apenas 9 (3 no gol)  contra o Iporá. O pior número do ano. Na média tem girado em torno de 15 e foi mais ou menos assim contra Brasiliense (14 e 4 no gol) e Anápolis (16 e 3 no gol).

O aproveitamento das chances criadas tem sido um complicador.  O jogo com mais chances foi contra o Anápolis, mas o aproveitamento foi baixo (25%). Pior foi contra o Iporá: 2 chances e 0% de aproveitamento. Contra o Brasiliense foram poucas chances (3), mas um aproveitamento melhor (33%).

Time Faltas Cometidas Adversário
Ceilandia 15 21 Anápolis
Ceilândia 16 12 Iporá
Ceilândia 19 7 Brasiliense

O Ceilândia faz poucas faltas: em média 16, mas sofre menos ainda (13).

No geral os números não são ruins, mas precisam de uma análise qualitativa. Um passe errado que gera gol adversário é apenas um passe errado na estatística, mas causa um prejuízo enorme ao time como um todo.

 

 

3 jogos sem vencer, 3 jogos sem marcar: Ceilândia 0 x 0 Iporá

O Iporá cozinhou o jogo o tempo inteiro…

Ninguém em sã consciência dirá que o Ceilândia jogou bem. De fato não jogou.

Com exceção da bola na trave, Ceilândia pouco produziu

Bem, poderão dizer que o Iporá não quis jogar. Amarrou o jogo o quanto pôde, com a complacência do árbitro. Ninguém foi surpreendido por isto. A surpresa foi a falta de senso de urgência do Ceilândia.

Público pequeno para Ceilândia x Iporá-GO

O jogo como um todo foi igual. O Iporá marcou a partir do campo de defesa e contou com a enorme dificuldade do Ceilândia sair jogando. A responsabilidade de sair jogando não pode ser apenas da defesa.

Peninha sofreu com a distância dos atacantes e dos volantes

As maiores chances de gol ocorreram no primeiro tempo. O Ceilândia parou na trave e o Iporá parou nas mãos de Kayser.

Igor divide: Defesa fez o seu papel. Daí para frente o time não funcionou ofensivamente

No segundo tempo, o Ceilândia teve mais a posse de bola. O jogo, contudo, continuou igual: O Iporá tinha espaço para atacar que o Ceilândia não possuía.

Volantes foram importantes defensivamente, mas nulos ofensivamente

O fato é que os dois goleiros não trabalharam no segundo tempo.

Imagem: Johnaz Pereira – Fernandinho não se encontrou ofensivamente. Matheus Guarujá, pela direita, menos ainda.

Sem ver a gravação é um pouco difícil dizer. Parece evidente que os volantes do Ceilândia poderiam ter assumido um papel diferente contra um adversário com nítida proposta defensiva.

Imagem: Johnaz Pereira – Dudu foi bem defensivamente, mas volantes não ajudaram ofensivamente

Parece que hoje tivemos problemas táticos e individuais.  Individualmente alguns jogadores estiveram abaixo da média. Não faltou luta, e foi na base da luta que alguma melhora aconteceu no segundo tempo. Foi pouco.

Medeiros: segurança na defesa

O fato é que o Ceilândia perdeu pontos importantes na luta pela vaga na segunda fase. Agora, terá 2 jogos contra o Anápolis, adversário que pode lhe tomar o segundo lugar amanhã.