Tag: DF2024

O futebol é cruel: Ceilândia 1 x 1 Paranoá

A primeira chance alvinegra veio nos pés de Kennedyr

Antes de tudo: foi um jogão. Foi o que se esperava de um jogo de muita importância. Foi disputado, sofrido, nos detalhes.
Os detalhes, contudo, estiveram contra o Ceilândia.

Clemente fez o gol alvinegro e também perdeu boas oportunidades.

O Gato Preto fez o que se esperava dele. Tomou a iniciativa do jogo, criou boas oportunidades de gol (nem tanto claras) e merecia a vitória.
O Paranoá, contudo, fez o que se esperava dele. Forte na defesa, jogou por uma bola e na única oportunidade de gol tirou a vitória alvinegra.

Romarinho deu muito trabalho para a defesa do Paranoá

O primeiro tempo mostrou o Ceilândia melhor. Thiago não trabalhou. O Gato Preto perdeu ao menos uma grande oportunidade de gol. Não fez e o primeiro tempo terminou em 0x0.

Cabralzinho é o cérebro do time. Ceilândia caiu de produção quando saiu.

Veio o segundo tempo e a dinâmica do jogo se manteve. O Ceilândia tinha a iniciativa. O Paranoá esperava uma bola.
O Gato Preto abriu o marcador em bela jogada de Cabralzinho e conclusão de Clemente. A vitória parecia certa. Não estava.

Grande atuação de China ofuscada pelo gol de empate

O Paranoá não se desesperou. Esperou uma bola parada e empatou.
O Ceilândia foi ao ataque, mas o banco mostrou a deficiência de sempre.

Julio Cezar (foto) e Bambu se recuperaram da atuação contra Capital: bom jogo de ambos

Após a saída de Cabralzinho, o time já não era mais o mesmo. Nolasco tem seu valor, mas não conseguiu imprimir o ritmo de CAbralzinho. Railson, muito tímido, não substitui Romarinho. Felipe entrou no lugar de Kennedy e nada acrescentou.

Clemente fará o gol, mas será insuficiente para a vitória

A reta final chegou. A gordura das primeiras rodadas está no limite. O Ceilândia mostrou virtudes importantes, ofuscados por uma bola acidental. O que vimos hoje nos dá esperança, mas todos sabem que para ser campeão é preciso melhorar ainda mais.

A lá Indiana Jones: Capital atropela o Ceilândia

Cena de Indiana Jones e Caçadores da Arca Perdida

Quem assistiu Indiana Jones e os Caçadores da Arca Perdida deve se lembrar de uma cena: O personagem enfrenta um outro armado com uma espada. O outro, tem uma visão ritualística do combate e se esmera em demonstrar a sua habilidade com a espada. Indiana Jones é direto ao assunto: dispara o revólver e resolve o problema.

Muitos espaços às costas de Bambu

A cena diz muito do jogo de ontem, no qual o Ceilândia foi impiedosamente goleado pelo Capital por 5 x 1. O Ceilândia ficou preso no ritual. Esqueceu que cada jogo é um jogo, que cada duelo é um duelo e você precisa estar preparado para as armas do adversário.

Sistema defensivo não funcionou

Esse problema no ritual alvinegro já havia sido sentido no jogo contra o Brasiliense. A transição amarela, com passes, vindo de trás,  incomodou o Ceilândia bastante e se tivessem saído à frente do marcador a história do jogo evidentemente seria outra.

Wisley falhou no primeiro gol do Capital

O problema no ritual alvinegro sempre foi às costas de Pedro Bambu. Não é o fim do mundo, mas o meio de campo defensivo fica desequilibrado.  A última linha de defesa não foi bem, mas é preciso distinguir o que é causa e o que é consequência. O problema também estourou na última linha de defesa.

Clemente ficou encaixotado na defesa adversária

Claro, a história do jogo poderia ser outra se o gol de Clemente tivesse valido. Não valeu. Na sequencia o Capital fez 1 x 0. 

Romarinho deu esperança, mas não durou muito

O Ceilândia impôs o seu jogo, com os defeitos rituais de sempre, mas impôs. Poderia ter empatado, mas não criou situação clara de gol.

Kennedy foi substituído, mas nada mudou.

O Ceilândia era melhor quando sofreu o segundo gol. Depois disso, o time não chegou mais na área adversária

ùltima linha de defesa não foi bem, mas ficou desprotegida

Veio o segundo tempo e Romarinho diminuiu logo no início e reacendeu esperanças. Não deu tempo nem de comemorar. O Capital fez 3×1 num lance muito contestado pelos jogadores e dirigentes.

Romarinho poderia ter diminuído o vexame, mas não era dia

Daí para frente, o Ceilândia era valente, sempre foi, mas não conseguiu evitar o desastre. Elbinho foi desarmado, reclamou de falta, e o Capital fez 4 x 1 no contra-ataque. Não demorou, fez 5×1 e deu números finais ao jogo.

Capital atropelou o Ceilândia

Muita reclamação em relação a Savio Sampaio. Não vamos perder nosso tempo falando desse árbitro especificamente, nem de sua arbitragem. O que tinhamos para falar já falamos nesses anos e a retirada do escudo FIFA fala o resto.

Ceilândia goleia Santa Maria antes de enfrentar Capital

Clemente faz o primeiro contra o Santa Maria

Nesta tarde nublada de sábado, o Ceilândia goleou o Santa Maria por 6 x 0 e continua firme na sua empreitada rumo às semifinais.

Cabralzinho fez 2×0 e recebeu cumprimentos de Adelson e Roquete

Apesar do placar elástico, o Ceilândia teve muita dificuldade nos primeiros 30 minutos. Foi somente aos 32 que o Gato Preto abriu o marcador.

Wisley fez mais uma boa partida. Agora, adversário de peso.

A jogada começou numa reposição errada de Henrique, que substituira Matheus Silva, e grande recuperação de Julio Cesar que passou a Romarinho que serviu Clemente para abrir o marcador.

Cabralzinho mais uma vez importante

O segundo gol não demorou muito. Jogada de Romarinho e gol do maestro Cabralzinho.

Clemente toca para fazer 3×0  e ultrapassar o mito Allan Dellon na artilharia histórica do Ceilândia

A goleada que já se desenhava ganhou forma no segundo tempo. Clemente fez 3 x 0. Romarinho fez 4×0 e 5 x 0 .

Romarinho comemora um de seus 2 gols com Clemente e Euler

Nos minutos finais, em jogada de China, a bola desviou no zagueiro e Ceilândia 6 x 0.

Adelson aproveitoui para dar oportunidade a Pedrinho

Atuação convincente do Ceilândia que precisa ser colocada no contexto do campeonato.

Kennedy não foi brilhante, mas foi importante

O Ceilândia confirmou que é forte candidato a uma vaga das semifinais. O campeonato está dividido. Ao não perder ponto para time do Z5, na prática o Ceilândia apenas fez o que se espera dele.

Euler quase fez o dele

A questão não é o que fez, mas como fez e contra quem fez. O Santa Maria é o Santa Maria e o Capital é adversário totalmente diferente.

Elbinho entrou e teve a sua oportunidade

Na próxima rodada o Ceilândia volta a enfrentar um time do Top5: o Capital. Depois, enfrenta o Paranoá, também do Top5. Contra times de nível alto, será a vez do Ceilândia mostrar a que veio.

Ceilândia bate Real na estreia de 2024

Euller e Clemente disputam: Ceilândia igualou na vontade e contou com o talento para vencer

Nãos se esperava mais que isso: vitória. Também não se esperava uma atuação de encher os olhos por uma série de razões.

China não teve muito trabalho, mas a direita de defesa teve

Primeiro jogo do ano, jogadores ainda sem rítmo de jogo, adversário desconhecido.. tudo isso pesa.

Adelson promoveu muitas estreias

O Ceilândia foi melhor que o Real no primeiro tempo. O Gato Preto tinha dificuldade na transição defesa para o ataque, mas a bola longa funcionava e Kennedy levava vantagem sobre o lateral adversário. Restava ao Real parar o jogo seguidamente.

Cabralzinho foi hostilizado por parte da torcida. Fez boa partida e saiu aplaudido

O melhor futebol do Ceilândia levou a que Romarinho abrisse o placar após bela triangulação de Clemente, Kennedy e Emerson.

Clemente deu muito trabalho para o Real: saiu machucado

Depois do gol, o Ceilândia cedeu espaço para o Real. Contraditoriamente, foi somente após o gol que o Ceilândia conseguiu espaço para fazer a transição pelo chão.

Romarinho fez o 35o gol com a camisa do Ceilândia

No segundo tempo, o Real esteve melhor, mas parou nas mãos de Thiago Silva, o novo goleiro alvinegro. No final, vitória alvinegra por 1 x 0,  uma escrita quebrada e outra mantida. Escrita Mantida:  O Ceilândia jamais perdeu para o Real como visitante. Escrita Quebrada: o Ceilândia jamais havia vencido um jogo arbitrado por Marcelo Rudá. 
Vitória importante. Ainda é difícil dizer o quê esperar do Ceilândia, mas o importante é vencer.

Romarinho igualou Dimba como segundo maior artilheiro da história do Ceilândia

Parte da torcida pegou no pé de Cabralzinho. O meia fez uma boa partida. Juntamente com Pedro Bambu, comandou as ações do meio de campo.

Clemente e Romarinho preocupam para o jogo contra o Brasiliense

Romarinho fez o seu 35º gol com a camisa alvinegra. Igualou em gols com Dimba. É um grande feito, mas Romarinho ainda corre atrás do primeiro título, ao passo que Dimba é bicampeão pelo alvinegro. Torcer para que Romarinho iguale Dimba também em títulos.

Ceilândia comemora. Sábado, Brasiliense

No próximo final de semana o Ceilândia recebe o Brasiliense, adversário que não vence desde 2018.

Ps: Todas as imagens são cortesia do Ceilandiae_EC Oficial.