Tag: Unai

Ceilândia mostra que também vence na garra: 1 x 0 no Unaí

Quando tudo não deu certo, Léo apareceu para salvar

O Ceilândia mantém os 100% de aproveitamento no Candangão BRB 2022. A vitória desta tarde de sábado, diante do Unaí, por 1 x 0, aproxima o Gato Preto do número mágico da classificação para a segunda fase: 18 pontos.

Crystian foi especialmente exigido e deu conta do recado

Com a quinta vitória consecutiva, o Ceilândia chegou aos 15. Para os lados da Cidade do Gato o discurso é o de que o campeonato deve ser encarado como uma maratona e não como uma corrida de 100 metros. Muita coisa vai acontecer até abril, muita gente vai ficar pelo caminho e somente os melhores estarão na final.

Gabriel Henrique teve muito trabalho

O jogo de hoje foi dentro do esperado, mas nem tanto. Esperava-se que o Ceilândia tivesse mais posse de bola, mas não isso que aconteceu.  O Unaí foi sempre melhor no início de cada tempo.

Hiury serviu Cabralzinho: Ceilândia 1 x 0

No primeiro tempo foi melhor até a parada técnica. Depois da parada técnica, o Ceilândia impôs o seu rítmo de jogo e, no contra-ataque, Hiury serviu Cabralzinho, que fez o gol da vitória (31 do 1 tempo).

Hiury comandou o contra-ataque com Romarinho e Cabralzinho: assistência

No segundo tempo o cenário se repetiu. O Unaí começou melhor e poderia ter empatado, não fosse a grande atuação da defesa. Crystian foi exigido ao máximo; China teve muito trabalho; Gilson e Vidal foram quase perfeitos na entrada da área. Para as outra situações apareceu Léo.

Defesa como um todo teve que jogar muitto

Diz ditado que não se elogia defesa e goleiro, mas não tem jeito.  O sistema defensivo, aqui incluídos Gabriel Henrique e Tarta, teve muito trabalho.

Ceilândia lutou muito, mas não criou situação clara de gol no 2o tempo

A partir dos 20, o Ceilândia equilibrou o jogo. Não criou situações claras de gol. No geral, o Ceilândia disputou o seu primeiro jogo com gosto de campeonato.

As proximas rodadas serão decisivas não apenas para saber quais times avançam, mas também os que caem.

Improvisar, adaptar, superar: Qual o limite deste time?

Cabralzinho fez o seu primeiro gol com a camisa alvinegra

É preciso saber jogar o campeonato! O Candangão BRB 2022 é dividido em duas etapas, antes da grande decisão. Na primeira, entram 10 times e ficam 4. A segunda define os finalistas. O campeonato começa mesmo na segunda fase, mas é preciso se classificar para disputar.

Rato teve muito trabalho. Mostrou força na recuperação.

È preciso sabe ler o campeonato! Na primeira fase, os times que começaram antes tem vantagem sobre aqueles que começaram depois: Luziânia paga o preço de ter começado depois.

Romarinho voltou contra Luziânia: parou na trave

Depois de 4 rodadas, os times ainda não amadureceram o seu estilo de jogo. Nenhum planejamento resiste ao apito do árbitro dano início ao jogo e ao campeonato.

Tarta é ponto de equilíbrio do Ceilândia

O Ceilândia e outros times começaram bem. Isso não significa que está tudo bem. Numa competição é necessário improvisar, adaptar e superar.  Cada jogo tem sua própria história e após cada jogo é um novo campeonato. Esse é o desafio.

Nos coletes o Paracatu ainda é Unaí
Esta vai ser a primeira vez que o Unaí joga em Ceilândia depois de ter ido a Paracatu e voltado

Domingo é dia de enfrentar o Unai.  O Unaí vem de 3 empates consecutivos,  não perdeu fora de casa e ainda não tomou gol com a bola rolando (penalti, erro saída de bola, escanteio, gol contra e de falta).

Na última vez que o Unaí enfrentou o Ceilândia no Abadião: escudo do Itapuã e jogo maluco: 5×4

O Unaí repete um padrão dos demais times do Candangão BRB 2022: é um time muito organizado ou ao menos era com o técnico Guiba. Guiba privilegiava a organização em detrimento da intensidade. Não é possível ser intenso e manter a organização o tempo todo. O Ceilândia sabe porque  vivenciou isso no jogo de ontem.

Vai ser um jogo daqueles arrastados e perigosos.  Bem diferente do jogo maluco de 2008, quando o Unaí, ainda com o escudo do Itapuã, perdeu para o Ceilândia por 5 x 4.

 

 

Santa Maria: todos os ingredientes para um jogo complicado

Adelson manteve o time da fase de preparação. Contra Santa Maria, um jogo muito diferente.

Com jogo dia sim, dia não, o Ceilândia terá pouco tempo de preparação para o jogo contra o Santa Maria. O que se sabe é que o Santa Maria tem uma proposta de jogo diferente da apresentada pelo Gama.

Cabralzinho sabe que não terá vida fácil contra o  Santa Maria

Do que se viu do jogo entre Santa Maria e Unaí foi possível perceber que o Santa Maria se mostra confortável com o jogo defensivo. É um time que marca forte e tem uma boa saída de bola pelos lados.

Léo é a última linha de defesa.

É muito difícil fazer uma avaliação do jogo de Unaí. O gramado duro e irregular da cidade mineira impedia os dois times de mostrar um jogo melhor. De qualquer forma parece evidente que o Santa Maria soube jogar aquela partida e que não hesita na marcação forte.

Romarinho foi infeliz nesta conclusão, mas foi muito útil contra o Gama

Do lado alvinegro será um desafio diferente. O Gama buscou disputar um jogo mais técnico que físico. O Santa Maria soube se adaptar às condições do gramado e os erros do Unaí. Na jogada em profundidade e retomando a bola na intermediária,  fez os seus gols.

Adriano Neri, último à esquerda, será o árbitro principal de Santa Maria x Ceilândia

 

Adelson a princípio não tem problemas no elenco. Sabe que se quiser vencer amanhã, vai precisar superar um adversário que mostrou qualidades interessantes, num jogo que tem todos os ingredientes para ser diferente do jogo contra o Gama. Será diferente para o Ceilândia, será também diferente para o Santa Maria.

No primeiro confronto da história, em 2014, deu Santa Maria: 2 x 1

O árbitro da partida será Adriano Neri.

Hoje tem futebol! Ceilândia aproveita para recuperar jogadores

Contra Taguatinga e Brasília, Romarinho voltou a marcar: 4 jogos consecutivos fazendo gols
Ultima vitória do Ceilândia sobre o Taguatinga foi em 2018: 3 x 2. Depois, um empate e uma derrota.

O Candangão 2021 tem uma armadilha. Como a primeira fase contém apenas jogos de um grupo contra outro e define os rebaixados, é possível que um time seja rebaixado, mesmo tendo mais pontos que um time que será classificado. Nesse momento isso não ocorre, mas eventual vitória do Real aliada a uma eventual derrota do Sobradinho mostrará  que isso é possivel.

Mariano: lesionado, desfalcou o Ceilândia em Unaí.

O Ceilândia já jogou pela 3a rodada.  Na 4a rodada enfrenta o Taguatinga, atualmente líder do Grupo A. A FFDF ainda não marcou os jogos da 4a rodada.

Cocada teve muito trabalho com Geraldo: boa atuação
Cocada: consolidando recuperação, entrou na vitória contra o Unaí.

O tempo entre o jogo contra o Unaí e o jogo contra o Taguatinga é bom e é ruim. É bom porque dá tempo para Vitor Mariano se recuperar da contusão muscular. Também é bom porque Cocada terá mais tempo para consolidar a recuperação. É ruim porque é sempre importante estar em ritmo de competição.

Adelson atento: jogo contra o Unaí foi apenas o primeiro com cara de campeonato.

Hoje, o Capital enfrenta o Samambaia, em Formosa-GO.  Teremos jogos na sexta, no sábado e no domingo. No geral, o Ceilândia precisa de ao menos 3 pontos para garantir a classificação, mas não matematicamente.

Grupo A

PosClubeJVPts
16412
26310
36310
4639
5627
6614

Grupo B

PosClubeJVPts
16618
26516
36412
4615
5601
6600

 

Klécio: Um dia, chateado. No outro, herói.

Klécio deixa o campo contra o Gama: Chateado

No futebol como na vida há momentos difíceis. Para vencer os momentos difíceis é sempre necessária uma boa dose de superação. Klécio passou por isso em poucos dias.

Klécio contra o Unai: sacrifício em prol da defesa

Há cerca de uma semana, Klécio deixou o campo chateado. Sabia que errara em dois passes que estavam na origem dos dois gols na derrota diante do Gama.

Klécio comemora: futebol é uma montanha russa

Veio a partida diante do Unaí. Adelson mexeu no posiconament de Klécio. O meia não foi perfeito, num time que está sendo arrumado da defesa para a frente, mas Klécio apareceu na hora certa para fazer o gol da vitória.

Todos os gols de Klécio pelo Ceilândia em jogos oficiais

Klécio está na quarta temporada com a camisa alvinegra, onde chegou em 2013. Vestiu a camisa alvinegra em 2016, 2018 e agora em 2021. No total são 38 jogos com a camisa do Ceilândia (34 como titular) e 7 gols, sempre gols importantes.

Com cara de Ceilândia: sofrido como tem de ser: 1×0

Não foi facil, mas é assim que deve ser. Foi com cara de Ceilândia, como tem de ser. O Gato Preto conseguiu uma importante vitória na tarde deste sábado, em Unaí, contra o time da casa.

Mateus Bochecha vai salvar sobre a linha: importantissimo

O Unaí foi melhor na maior parte do jogo, mas no primeiro tempo o time da casa foi muito superior.  Em ao menos duas oportunidades o Unaí esteve perto de abrir o marcador. Na primeira oportunidade,  Mateus Bochecha salvou em cima da linha. Logo em seguida, a bola explodiu no travessão alvinegro.

Mirandinha tem o mérit o de lutar muito:um guerreiro

Veio o segundo tempo e o Ceilândia voltou mais equilibrado. Ainda assim o Unaí era melhor. O Ceilândia tinha o mérito de se defender bem. Michael não foi muito exigido. A proteção e a última linha de defesa neutralizava o ataque adversário.

Giovani e Vitor estrearam: Ceilândia com cara de Ceilândia

Com o tempo, o Unaí cansou. O Ceilândia, mais equilibrado, manteve o jogo de intermediária a intermediária. A entrada de Cocada na defesa, ainda que evidentemente sem ritmo de jogo, e a subida de Liel para o meio, mudaram a cara do Ceillândia.

Cocada, Werick e Klécio: Unaí deu muito trabalho. Ceilândia não desistiu

O Ceilândia já não sofria tanto. Igor Pato entrou descansado e aproveitou bem os espaços pela direita, mas foi uma alteração feita por Adelson que deu a vitória ao alvinegro. O treinador adiantou o já cansado Klécio e, na primeira oportunidade, Klécio ganhou a dividida com o zagueiro e abriu o marcador.

Marcação forte do Ceilândia fez a diferença

Faltavam 7 minutos para o fim, mais acréscimo. Esperava-se que o Unaí apertasse o Ceilândia contra o seu campo de defesa. Não foi isso que aconteceu.. O Ceilândia manteve o adversário longe da meta de MIchael e conseguiu uma importante vitória.

Klécio comemora o gol da vitória; gols aparecem em jogos difíceis.

O próximo jogo do Ceilândia será contra o Taguatinga, ainda sem data e local definidos.

 

Ceilândia surpreendeu fisicamente. Agora, o mais difícil.

Roni mal chegou e foi para o jogo: Sem ritmo de jogo, mas aguentou os 90 minutos

O Ceilândia está entrando na sua terceira semana de treinamento. No jogo do último domingo, no campo pesado e gramado alto de Unaí, a aplicação dos jogadores nos treinamentos levou a que o Ceilândia surpreendesse fisicamente.

Ceilândia surpreendeu fisicamente: comprometimento dos jogadores

Com esta semana inteira pela frente é natural que o Ceilândia chegue próximo da curva de treinamento dos demais times. Enquanto os adversários estão focados na manutenção da atual forma física, o alvinegro ainda trabalha para chegar em alto nível.

Lucas sofreu em Unaí: Problema para Marcelo Conte é fazer o time evoluir técnico e taticamente agora.

A distância no aspecto físico deve diminuir bastante nesta semana. Isso é uma boa notícia porque no sábado terá pela frente o Real, que goleou o Formosa por 4×0 no último sábado. Intensidade, volume e repouso são palavras da moda no CT do Gato Preto.

Marcelo Conte: foco nos aspectos técnicos e táticos.

Para esse jogo o técnico Marcelo Conte aparentemente não tem nenhum problema novo. Marcelo ainda procura o time ideal e não contou com alguns jogadores na partida de estreia, seja por problemas físicos ou administrativos.

O que aprendemos em Unaí

Leandro não teve culpa nos gols. Ao menos uma bela defesa.

Uma derrota nunca é bem-vinda, mas a derrota não pode ocultar o que se viu de bom.  Apesar do pouco tempo de treinamento,  o que se viu foi que o Ceilândia coletivamente esteve bem. Essa era uma dúvida, porque os jogadores ainda estão se adaptando ao esquema de Marcelo Conte.

Felipe Piá foi muito bem. Firmeza, bom tempo de bola por baixo e pelo alto. Problema bom para Marcelo Conte

No primeiro tempo, o Ceilândia controlou o seu adversário. Não levou perigo à meta do Unaí, é verdade, mas também não permitiu chance clara de gol para o adversário. Outra coisa positiva foi a insistência do time em jogar com a bola no chão, apesar do gramado claramente não ajudar.

Jonatan foi muito importante no equilíbrio do time. Cresceu muito em uma semana

A defesa se portou bem. Leandro fez apenas uma defesa considerada difícil. Os gols estouraram na defesa. O Ceilândia de algum modo sofreu com a bola longa cruzada do Unaí.

De um lance assim, nasceu o primeiro gol adversário.  O segundo gol pareceu decorrência da falta de ritmo de jogo. Faltou um pouco mais de fome na dividida. Isso se corrige com ritmo de jogo.

Marcone foi uma boa surpresa. Apareceu para o jogo, bom passe e visão de jogo. Cansou no segundo tempo.

Jordã e Jonatan, os cabeças de área,  funcionaram bem. Talvez devessem sair um pouco mais para o jogo, mas talvez essa fosse a estratégia em função do tempo de treinamento: não se expor muito. Paulo Cesar entrou no lugar de Jonatan e mostrou que pode ser útil.

Lucas Bocão sofreu o jogo inteiro com a dupla marcação.

O campo pesado atrapalharia os volantes se quisessem sair para o jogo. O Unaí também não conseguia, mas tinha uma bola longa mais efetiva. A bola longa incomodou o Ceilândia. Por essa razão, Marcone e Lucas, apareceram pouco. Lucas ficou  preso na marcação dupla. 

Marcone surpreendeu. Ele mesmo admite que precisa correr mais que os outros para recuperar o tempo perdido, mas mostrou que sabe jogar. Em ritmo de jogo tende a ser um dos bons nomes do campeonato. 

Gabriel apareceu bem. Gramado muito alto atrapalhou o toque de bola do Ceilândia.

O ataque sofreu bastante com a dificuldade do Ceilândia na transição defesa-ataque. A bola pouco chegou, mesmo assim Gabriel deu trabalho para a defesa do Unaí. Cordeiro, com funções táticas um pouco diferentes, apareceu pouco. Michael entrou no seu lugar num momento em que o Ceilândia já não tinha forças.

No geral e olhando para o jogo como um treino de luxo, o Ceilândia já pode estrear verdadeiramente no campeonato sabendo de suas potencialidades. A essas potencialidades soma-se uma grata surpresa: Roni, visivelmente sem tempo de bola e ritmo de jogo, mostrou que deve ser muito útil para o time. 

Roni apesar claramente de sentir a falta de ritmo de jogo, mostrou que tem potencial

O Ceilândia não poderia se permitir ser derrotado pelo Unaí. Terá uma sequência de jogos contra times que estão há mais de 2 meses treinando. Trabalhos mais maduros. A derrota coloca o Ceilândia na obrigação de buscar resultados positivos.

A se tirar do que se viu, uma semana a mais de trabalho encurtará muita distância para os adversários. Sábado será diferente de ontem.

 

 

Ceilândia perde em Unaí

Não a estreia do sonho. O Ceilândia foi a Unaí e perdeu na estreia do Candangão 2020. O primeiro tempo  mostrou que as duas equipes se esperavam mutuamente. A rigor ninguém tomava a iniciativa.

O Unaí, empurrado pela torcida, arriscava um pouco mais, mas Leandro foi exigido apenas uma vez, em chute de longa distância.

O Ceilândia não levou perigo no primeiro tempo. A defesa do Unaí sempre levava vantagem. O jogo ficou amarrado e  o Ceilândia melhorou um pouco quando Gabriel foi para a direita de ataque. 


Veio o segundo tempo e o Ceilândia voltou melhor.Tinha a iniciativa do jogo. Não era brilhante, mas era um time estruturado. Tudo mudou aos 4 minutos do segundo tempo quando uma confusão nas arquibancadas fez com que o jogo ficasse paralisado por vários minutos.

No primeiro lance após o recomeço da partida, numa desatenção geral da equipe do Ceilândia, o Unaí fez 1×0. O Ceilândia sentiu o gol. Passou a jogar bom bolas longas, mas não levou perigo ao gol do Unaí. No ultimo minuto, a defesa se atrapalhou e o Unai fez o segundo.

O resultado foi ruim, ninguém pode negar. Há alguns aspectos positivos que precisam ser ressaltados. A imensa maioria dos atletas foi bem para as condições atuais. Por obvio que o Ceilândia poderia ter rendido mais. O time mostrou que tem condições. Isso é bom. O resultado apenas refletiu a diferença de tempo de trabalho das equipes.

Hoje é dia de estreia no Candangão 2020


Daqui a pouco o Ceilândia vai a campo para a estreia no Candangão 2020 contra o Unaí-MG. Há muita expectativa e isso redobra o trabalho de jogadores e comissão técnica. A ansiedade é algo natural e um trabalho a mais para Marcelo Conte e equipe. O Ceilândia precisa entrar focado e não se deixar tomar pela ansiedade. É uma matemática complicada, mas o time foi trabalhado para este momento.

Um bom resultado hoje, apesar de todas as dificuldades enfrentadas, é crucial para o Ceilândia. Os próximos adversários do Ceilândia venceram sem piedade seus adversários nos jogos de ontem. Isso torna o jogo de hoje ainda mais importante porque será jogado contra um adversário que em tese tem as mesmas aspirações que o Ceiländia neste momento do campeonato.

Resultados 1a Rodada Candangão 2020

Para o jogo de hoje Marcelo Conte poderá contar com 21 jogadores. Alguns ainda dependem de algum trabalho para chegar a sua melhor forma técnico-física. Há a convicção que a parte técnica pode ajudar eventual dificuldade em termos físicos.

O técnico não divulgou a equipe que deve começar jogando, mas espera-se que a base do jogo-treino contra o Brazlândia deve ser mantida.

Choveu muito em Unaí no dia de ontem. No momento o tempo é encoberto. Informações dão conta que o gramado é bom, mas um pouco mais alto que do CT do Gato Preto.

Enigma alvinegro

Rodriguinho comemora em Unaí: para ganhar confiança
Rodriguinho comemora em Unaí: Ceilândia costuma jogar bem na cidade mineira

O peso da estréia é sempre importante.  O jogo em si mesmo é mais importante para o Ceilândia que para o seu adversário pelo simples fato de que na sequência de jogos do alvinegro este será o único jogo em que enfrentará um time com o mesmo nível de experiência na primeira metade do campeonato.

Ceilândia conseguiu registrar a maior parte dos atletas

Em circunstâncias como estas há que se procurar algo positivo. E de positivo há o fato que tradicionalmente o Ceilândia joga bem em Unaí-MG.
O começo do jogo será complicado. Há sempre o peso da estreia. Tanto Ceilândia quanto Unaí possuem times jovens com o time mineiro tendo uma média de idade ainda mais baixa que o alvinegro.

… mas Sandro Junio é desfalque para a estreia

O Ceilândia vem trabalhando em todos os aspectos. O técnico Marcelo Conte tem procurado dar ao time a consistência e a intensidade necessárias a um bom campeonato. O time-base deve ser o que jogou semana passada. Outros atletas chegaram esta semana e já foram registrados. Devem ficar à disposição. 

Para essa partida o técnico Marcelo Conte não deve contar com ao menos um jogador importante nos primeiros dias de treinamento. O nome mais sentido é o de Sandro Junio que fez bons treinamentos nesse período, mas não foi registrado a tempo.  Marcelo Conte tem opções no elenco.

Lucas faz parte da espinha dorsal montada pelo técnico Marcelo Conte

Fora de campo há sempre a preocupação com o trabalho como um todo. Tudo é muito novo. O Unaí padece do mesmo problema. Será um jogo no qual a experiência desempenhará um papel importante para controlar os nervos nos minutos iniciais, controlar o adversário e manter o nível de jogo nos 90 minutos mais acréscimos. 

O Ceilândia tem bons nomes e uma boa estrutura. Agora chegou a hora de saber o quanto isso vai ser colocado em campo.

Vai ser dada a largada para o Candangão 2020

Sob chuva ou sol escaldante: Ceilândia treina forte para a estreia

O Ceilândia começa o Candangão 2020 como o Gatinho Feio da competição. Embora aparentemente o  Ceilândia tenha um elenco de bom nível, o fato é que o pouco tempo de treinamento pesa contra o alvinegro. Na análise realizada pelo CeilandiaEC Torcedor, o Gato Preto larga atrás de todos os competidores.

Foram analisados diversos aspectos como tempo de preparação, resultados de pre-temporada, força do mando de campo, qualidade do elenco dentre outras variáveis. O resultado apurado não difere muito daquele da crítica especializada: Gama parece ter um trabalho mais maduro que todos os demais adversários e sai na frente. Logo atrás, vem o Brasiliense, seguido pelo Real.

Técnico Marcelo Conte parece já ter uma espinha dorsal do time com Alex Alves no ataque

Depois aparece o bloco formado por Formosa e Capital, nessa ordem. O terceiro bloco é encabeçado pelo Luziânia que, embora tenha largado depois, tem a força do mando de campo e a reação no mercado como diferencial. Depois e ainda no terceiro bloco encontram-se Ceilandense, Unaí e Taguatinga. 

O Unaí tem um elenco muito jovem, mais jovem mesmo que o time do Ceilândia. O adversário do Ceilândia na primeira rodada tem a seu favor o fato de que começou a trabalhar em 11 de dezembro e o gramado do Urbano Adjuto. O gramado está bom, mas aparentemente está mais alto que a média dos gramados do Distrito Federal. O Ceilândia precisa se adaptar a tudo isso muito rapidamente.

Ceilândia larga no quarto bloco. Primeiros jogos definem destino do alvinegro no DF2020

Sobradinho, Paranoá e Ceilândia completam o último pelotão. O Paranoá tem a seu favor o fato de que se apresentou em 12 de dezembro. O time, tal qual a imensa maioria dos competidores, tem dificuldades fora de campo. A rigor poderia estar no terceiro bloco. O Sobradinho, tal qual o Ceilândia, começou depois, mas tem trabalhado bem no mercado.

A rigor, a  briga do Ceilândia é com os times do terceiro e do quarto blocos. O Gato Preto tem a força da camisa e um bom elenco, mas o trabalho está apenas começando. O problema é que enfrenta um adversário direto logo na primeira partida. Depois pega uma sequencia de jogos contra times do primeiro bloco.

A tabela não ajuda e coloca um peso extra para o Ceilândia. O Gato Preto vai precisar de um trabalho consistente para sobreviver às primeiras rodadas. 

 

Federação muda datas e horários de jogos do Ceilândia

Marcelo Conte tem pouco tempo de trabalho até a estreia

Enquanto o Ceilândia corre contra o tempo na sua preparação para o Candangão 2020, a Federação de Futebol do Distrito Federal fez alteração nos jogos de 3a e 4a rodadas.

O jogo contra o Brasiliense, válido pela terceira rodada, foi alterado para o dia 12 de fevereiro, 15:30, no Serejão. Com isso o Gato Preto ganha uma semana de trabalho entre o jogo contra o Real, válido pela segunda rodada e contra o Gama, válido pela quarta rodada. 

Pouco tempo para aprimorar a parte física e preparar tecnicamente

Essa semana de trabalho é muito bem vinda para o técnico Marcelo Conte e seus comandados. Já o jogo contra o Gama, inicialmente previsto para o domingo, dia 9, foi antecipado para o sábado, 8 de fevereiro, 15h30 no Abadião.

Enquanto isso o Ceilândia continua trabalhando forte na sua preparação. O elenco já está praticamente completo, faltando a chegada de um ou outro jogador. 

Em 2015: Paracatu foi a campo com sete jogadores. Jogo terminou nos primeiros minutos

Ceilândia vai a Paracatu defender a boa fase

CEC treinou forte: time ainda sofre questionamentos
CEC treinou forte: time ainda sofre questionamentos

Toda a logística montada demonstra o quão sério o Ceilândia está levando a partida deste sábado, 15h30, no Freio Norberto, diante do Paracatu. Os resultados recentes, para além de confirmar que o CEC é um dos candidatos ao título, transformou o alvinegro em um dos times a serem batidos. O time precisa conviver com isso se quiser consolidar a sua posição.

Alheio aos problemas do adversário fora de campo, o CEC tem em mente que o Paracatu venceu as suas duas últimas partidas. Além disso, o CEC sabe que não pode tropeçar, sob pena de desgarrar-se ainda mais dos líderes e colocar em risco a sua posição no G4.

O técnico Adelson de Almeida está tranquilo, apesar dos problemas. Para o treinador o seu elenco é qualificado: acredita que os jogadores escalados irão corresponder à altura.

Em 2015: Paracatu foi a campo com sete jogadores. Jogo terminou nos primeiros minutos
Em 2015: Paracatu foi a campo com sete jogadores. Jogo terminou nos primeiros minutos

Clécio e Didão estão em recuperação. A situação de Didão é mais complicada. Allan Dellon cumpre automática.

Se Clécio não jogar, o Ceilândia muda a sua maneira de jogar. O meia tem a característica de carregar a bola, algo que pode ser perigoso em campo pequeno e com marcação sob pressão do adversário. Talvez até por isso Adelson opte por um jogador de passe mais rápido.

O confronto entre Ceilândia e Paracatu FC é um dos mais complexos. O CEC registra confrontos contra o Itapuã, o Unaí Itapuã e agora contra o Paracatu, que não se confunde com o União Paracatu, time que disputou a segundona local nos anos 90.

Em 2015, o jogo entre Ceilândia e Paracatu FC terminou com menos de quatro minutos de jogo porque o adversário ficou reduzido a número insuficiente de jogadores.

Enfim, a primeira vitória em 2014

Pela primeira vez no ano, a defesa não sofreu gol
Pela primeira vez no ano, a defesa não sofreu gol

O Ceilândia enfim venceu em 2014. Não foi brilhante, mas venceu.

O jogo foi muito equilibrado. As equipes alternaram bons e maus momentos na partida. Desta vez, como fora diante do Brasília, o Ceilândia foi consistente defensivamente. França pouco trabalhou. Foi exigido apenas em bolas paradas.

No gol de Cassius, a comemoração de Caio Chulapa
No gol de Cassius, a comemoração de Caio Chulapa

Em um jogo tão igual, a primeira chance viria em uma bola parada. Escanteio e Cassius cabeceou para abrir o marcador aos 34 do primeiro tempo.

Depois de fazer o gol, o Ceilândia desarticulou-se na função desempenhada por Gilmar Herê e Alisson. O Paracatu saía com a bola dominada em seu campo de defesa. Por sorte, rondava, rondava, rondava e não concluía.

Alisson cansou ainda no primeiro tempo, mas foi importante enquanto teve pernas
Alisson cansou , mas foi importante enquanto teve pernas

Veio o segundo tempo e Adelson mexeu no time, colocando Valdinei no lugar de Gimar Herê. A mudança era essencialmente tática.

Os dez primeiros minutos foram do Paracatu. O Ceilândia dominou os dez minutos seguintes. Foi quando poderia ter ampliado, mas a bola não chegou em Valdinei, na primeira, e, na segunda, Cassius acertou a trave.

No contra-ataque, CEC poderia ter ampliado, mas as chances foram poucas
No contra-ataque, CEC poderia ter ampliado, mas as chances foram poucas

O jogo ficou truncado até o final: o Ceilândia controlava o Paracatu. Chances de gol? Nenhuma, para qualquer lado.

Para dizer que não houve emoção, houve duas expulsões, uma para cada lado (Tavares do Ceilândia foi expulso após trocar agressões com adversário).

Adelson conduz o time para o agradecimento final
Adelson conduz o time para o agradecimento final. Enfim o time interagiu com a torcida

No final, o comandante Adelson de Almeida discretamente cerrou os punhos e comemorou a vitória. Exigiu que o time fosse ao centro do campo e agradecesse por, depois de dois meses de trabalho árdu0, haver conquistado a primeira vitória.

O resultado tira o Gato Preto da última colocação e dá esperança de dias melhores.