Tag: Didão

De Liel, Didão e Allan Dellon a Bosco, Bambu e Cabralzinho: 12 anos de história

Didão, Liel, Allan Dellon, Bosco, Bambu e Cabralzinho

O meio de campo do time de 2012 era formado por nomes que ficaram na história do Ceilândia. 

Liel, ao fundo, na sua estreia pelo Ceilândia em 2010

Liel estreou no dia 3 de fevereiro, na campanha do título de 2010: vitória por 2 x 0 sobre o Luziânia na Metropolitana (gols marcados por Willian Carioca e Dimba). Aliás, Liel entrou no lugar de Willian Carioca no intervalo.

Liel na final de 2012: campeão

Liel disputou 80 jogos com a camisa do Ceilândia nas temporadas de 2010, 2012, 2016, 2017, 2021, 2022 e 2023. Marcou 4 gols e foi o MVP do Ceilândia em 2021.

Didão estreou contra o Brazlandia vindo do banco, no lugar de Adriano Cacareco. Era o dia 25 de janeiro de 2004.

Didão é um dos maiores jogadores da história do Ceilândia

Era apenas o começo de uma longa história com a camisa do Ceilândia, onde Didão jogou em 2004, 2005, 2006, 2007, 2012, 2013, 2016, 2017 e 2018. Foram 142 jogos, 135 como titular, 18 gols e apenas uma expulsão.

Allan Dellon é outro bicampeão do DF pelo Ceilândia. Chegou em 2010 e fez a sua estreia no primeiro jogo da temporada do primeiro título, na derrota para o Gama por 3 x 0.

Allan Dellon na final de 2012

Foi barrado no primeiro jogo da final, quando jogou Luiz Fernando. Allan Dellon fez 73 partidas pelo Ceilândia, 66 como titular e marcou 16 gols, sendo um dos maiores artilheiros da história alvinegra.  

Daniel, Marangon e Luiz Fernando: campeões em 2012

No time de 2012, o meio de campo também contava com jogadores fantásticos que seriam titulares em qualquer tipo. 

Daniel e Didão: proteção do técnico Adelson de Almeida
Daniel e Didão: proteção do técnico Adelson de Almeida

Nosso eterno Daniel, falecido em acidente de trânsito em  16 de maio de 2015, foi campeão em 2010 e 2012. No geral, jogou 32 partidas pelo Ceilândia e fez 2 gols.

Marangon, outro com primeiro tempo impecável
Marangon, importante na campanha do título

Já Diego Marangon disputou 11 jogos na campanha do título de 2012. Fez 8 jogos como titular, inclusive na vitória do jogo de ida da final.

Luiz Fernando: entrou no sufoco e deu conta do recado
Luiz Fernando: entrou no sufoco e deu conta do recado

Nesse jogo de ida da final também participou um dos jogadores que mais gostávamos de ver jogar: Luiz Fernando. Ele  estreou pelo Ceilândia em 2006 e fez 55 jogos com a camisa alvinegra e 6 gols. Foi titular na vitória no jogo de ida da final no lugar de Allan Dellon.

Bosco fez um gol com a camisa do Ceilândia: contra Ceilandense. É campeão

Bosco veio para o Ceilândia em 2023, para a disputa da Série D. Estreou contra o Iporá, em 6 de maio de 2023, na vitória por 4 x 0. Veio do banco e entrou no lugar do seu atual companheiro, Pedro Bambu.

Bosco fez um grande campeonato

No total,  Bosco fez  20 jogos  pelo Ceilândia. Jogou em 11 dos 13  na campanha do título de 2024 e fez um gol, mas o titular inicialmente era Julio Cesar. Julio Cesar vinha jogando bem e era um dos destaques do time. Bosco entrou e não desperdiçou a oportunidade e foi um dos pilares da conquista.

Cabralzinho estreou contra o Gama: 3×0 e camisa 7

Cabralzinho veio para o Ceilândia em 2022 e estreou na vitória por 3 x 0 sobre o Gama, em 22 de janeiro daquele ano. 

Cabralzinho sem ser brilhante ainda assim desequilibrou

No total tem 29 jogos com a camisa do Ceilândia e 8 gols. Participou em 11 dos 13 jogos da campanha do título de 2024.

Bambu, ao fundo, na estreia contra o Iporá-GO

Pedro Bambu é uma história à parte.  A trajetória do meia de 36 anos nos fez lembrar a trajetória do homem-de-ferro de 2012: Liel. 

Bambu, o capitão, recebe o troféu de campeão

Pedro Bambu disputou todas as 13 partidas do Candangão 2024. Não só isso, também disputou as 2 partidas da Copa Verde 2024.  Em 2023, Bambu participou de todos os 18 jogos da Série D. Em resumo: Pedro Bambu é o homem de ferro de 2024. 

Bambu o Homem de Ferro 2024

Essa façanha consegue superar a façanha de Liel que foi o homem de ferro de 2012: Liel disputou todos os 27 jogos do Ceilândia naquele ano.(veja no link).

Julio Cesar e Nolasco com Alan Rones ao centro: campeões

Adelson tinha um elenco muito enxuto em 2024.  Julio Cesar Lima começou como titular e participou de 10 dos 13 jogos da campanha do título.  Foi uma surpresa quando Julio deixou o time titular. O problema para ele é que Bosco entrou muito bem. 

Julio Cezar (foto) tem só 22 anos: grata surpresa. Campeão

Julio  Cesar tem só 22 anos e  estreou no Ceilândia no primeiro jogo do campeonato, na vitória por 1 x 0 sobre o Capital. No total tem 12 jogos com a camisa do Ceilândia.

Nolasco é campeão candango 2024

O substituto natural de Cabralzinho ao longo do campeonato foi Nolasco. São jogadores de características diferentes.  Nolasco estreou no Ceilândia juntamente com Bambu e Bosco, na vitória por 4 x 0 sobre o Iporá-GO, na Série D 2024. No geral, Nolasco conta 29 jogos com a camisa do Ceilândia e participou de 11 dos 13 jogos do título candango de 2024.

Kauã, Allan Junio e Sebastyan, à direita: campeões

Sebastyan tem uma longa história com o Ceilândia apesar de ter apenas 18 anos de idade. É filho de Rominho, ex-jogador do Gato Preto e destaque do time que foi campeão do DF em 2008, trazendo o Ceilândia de volta para a primeira divisão. Participou na vitória sobre o Planaltina por 3 x 0, quando fez a sua estreia, em 28 de janeiro de 2024.

Foguinho disputou um jogo na campanha: empate em 1×1 contra o Gama

Foguinho é outro remanescente do campeonato candango de 2023. Estreou contra o Santa Maria, em 11 de fevereiro de 2023. Tem 15 jogos com a camisa do Ceilândia. Na campanha do título, jogou apenas contra o Gama, no empate em 1 x 1 (2.3.2024).

 

 

Adriano deu passe para o segundo gol e poderia ter feito o terceiro

Ceilândia passa pelo Formosa: 3 x 0

Adelson optou por Jefferson e deixou Cauê no banco.
Adelson optou por Jefferson e deixou Cauê no banco.

O Ceilândia conquistou a sua primeira vitória no Candangão 2018. Jogando na tarde desta quarta no Abadião, o Gato Preto precisou usar da paciência para furar a retranca adversária.

Didão foi discreto na maior parte do tempo e abriu o caminho para a vitória
Didão foi discreto na maior parte do tempo e abriu o caminho para a vitória

O primeiro tempo foi disputado em banho-maria. O Ceilândia teve a quase totalidade da posse de bola, mas se resumia a trocar passes no próprio campo de defesa. O Formosa não queria atacar, o Ceilândia não conseguia.

Vavá deu muito trabalho para a defesa do Formosa. Esta parou no travessão
Vavá deu muito trabalho para a defesa do Formosa. Esta parou no travessão

Apesar das dificuldades encontradas no primeiro tempo, o Ceilândia ainda consguiu criar duas boas situações de gol. Na primeira, bela jogada pela esquerda de ataque e o passe sob medida para Emerson Martins bater forte da entrada da área para boa defesa de Pedro. 

Formiga foi muito importante. Primeiro taticamente e depois quando fez o segundo gol do Ceilândia
Formiga foi muito importante. Primeiro taticamente e depois quando fez o segundo gol do Ceilândia

Na segunda oportunidade, Vavá, que deu muito trabalho para a defesa goiana, cabeceou no travessão.

O time voltou para o segundo tempo com Adriano no lugar de Kasado. Adelson recuou Emerson Martins e com isso tentava resolver o problema da transição. 

Adriano deu passe para o segundo gol e poderia ter feito o terceiro
Adriano deu passe para o segundo gol e poderia ter feito o terceiro

Não demorou  e o Ceilândia fez 1 x 0. Escanteio cobrado por Kabrine e Didão desviou para o fundo do gol logo aos 6. Com a vantagem, o Ceilândia passou a dar espaços para o Formosa. O time goiano aproveitou-se da falha na marcação e passou a rondar a área alvinegra. Adelson, por sua vez, insistia para que o time subisse a marcação. 

oportunidade do Formosa, o penalti parou na trave
Na melhor oportunidade do Formosa, o penalti parou na trave

O segundo gol do Ceilândia veio quando o Formosa tentava sair para o jogo. Com isso, também deixou espaços. Adriano fez belo lançamento para Formiga que ganhou a dividida com Pedro e tocou para o fundo do gol.

Elivelto deu força ao ataque pela esquerda
Elivelto deu força ao ataque pela esquerda

Após o segundo gol o Ceilândia assumiu o controle do jogo por completo. As oportunidades de gol foram se sucedendo até que Gustavo Gago, aos 40 fez o terceiro. Antes contudo, sobrou emoção.

Gago estufa a rede: Ceilândia 3 x 0
Gago estufa a rede: Ceilândia 3 x 0

O Formosa teve a chance de diminuir na cobrança de penalti. A bola explodiu no poste direito de Wendell e, no contra-ataque, o Ceilândia matou o jogo.

No próximo domingo o Ceilândia vai a Luziânia enfrentar o Real.

Didão tem uma vida com o Ceilândia: foi bom vê-lo sorrir

Ajustes na tabela

Didão tem uma vida com o Ceilândia: foi bom vê-lo sorrir
Ceilândia e Paranoá deve ficar para outra data

A tabela do Campeonato Candango de 2018 prevê a estréia do Ceilândia para o dia 20 de janeiro, diante do Paranoá. Isso não vai acontecer. A tabela da Copa Verde 2018 prevê Ceilândia e Corumbaense para o dia 21 de janeiro, no dia seguinte.

O jogo de volta de Ceilândia e Corumbaense será no meio de semana, dia 24. Gato Preto terá dificuldade extra contra o seu adversário já que terá de realizar duas viagens contra apenas uma de seu oponente.

O Gato Preto deve estrear no Candangão no dia 27, contra o Luziânia.  As datas dos dias 31 de janeiro e 7 de fevereiro estão reservadas pela CBF para Copa do Brasil e Copa Verde. Nos dias 2 e 10 de fevereiro o Gato Ceilândia enfrentará Formosa e Real pelo Candangão.

Michel Platini volta ao Ceilândia

Ceilândia se reapresenta para 2018 nesta terça

Michel Platini volta ao Ceilândia
Apresentação do Ceilândia para 2017: tempo de preparação pequeno

O Ceilândia se reapresenta hoje à tarde. Sabe-se pouco ou quase nada do time para 2018. O pouco que se sabe indica que uns seis jogadores permanecerão.
 Adelson continua como técnico. O segredo em torno da montagem do time é comum no Ceilândia que prefere limitar pressões externas.
Especula-se que uns seis jogadores do elenco principal permaneçam para a próxima temporada.
Em 2018, o Ceilândia disputará a Copa Verde, Copa do Brasil, Candangão e Brasileiro da Série D.
Em 2018, o CeilandiaEC, que vai para 17 anos no ar, não estará tão presente no dia-a-dia do Ceilândia.

Campo ruim no jogo de ida transforma jogo de volta em incógnita

Os 90 minutos finais contra o Comercial-MS

Formiga tem sido importante, mas Ceilândia ainda precisa de outro atacante pelo lado de campo
Formiga tem sido importante, mas Ceilândia ainda precisa de outro atacante pelo lado de campo

O Ceilândia retornou ao Distrito Federal na tarde de ontem já pensando nos noventa minutos finais dos confrontos com o Comercial-MS.  Antes, terá tempo para um merecido descanso  da longa viagem. 

Pedrão foi contratado para ser titular, Humberto tem dado conta do recado
Pedrão foi contratado para ser titular, Humberto tem dado conta do recado

Agora que os times já se conhecem, espera-se que os treinadores tenham mais material para prepararem suas equipes. O Ceilândia  sabe que precisa evoluir porque o Comercial-MS que enfrentará no próximo sábado não será aquele que enfrentou no domingo.

Campo ruim no jogo de ida. Agora os times poderão jogar futebol
Campo ruim no jogo de ida. Agora os times poderão jogar futebol

A primeira e importante mudança está no campo de jogo. O gramado do Morenão era muito irregular e muito duro. O futebol que se jogou no Morenão não pode e não será aquele que será jogado no Estádio Regional de Ceilândia. Só por aí se sabe que os 90 minutos finais do confronto será diferente.

Dim estreou contra o Comercial: ainda fora de ritmo
Dim estreou contra o Comercial: ainda fora de ritmo

Para a partida deste sábado, 15h30, no Regional, Adelson deve contar com o reforço de Pedrão ao menos no banco.  Questionada se tem valido a pena esperar tanto tempo por um jogador, a Comissão Técnica respondeu que Pedrão é um jogador que soma qualidade ao elenco e que, portanto, a espera vale a pena.

Campo ruim no jogo de ida transforma jogo de volta em incógnita
Campo ruim no jogo de ida transforma jogo de volta em incógnita

Alcione e Dudu estão na reta final de suas recuperações. Alguns jogadores tem apresentado desgaste e isso  preocupa a Comissão Técnica. Na partida contra o Comercial-MS, Filipe Cirne, por exemplo, sequer foi relacionado. Outros preocupam.

 

 

O Ceilândia controu as ações ofensivas do Paracatu, que ficou dependente das bolas paradas. O Gato Preto não incomodou a defesa do Paracatu

Ceilândia empata com Paracatu e decisão fica para domingo

David substituiu Didão e não comprometeu, aliás como tem sido neste campeonato: discreto e eficiente
David substituiu Didão e não comprometeu, aliás como tem sido neste campeonato: discreto e eficiente

O Ceilândia empatou com o Paracatu em 1 x 1 na tarde desta quinta-feira e, com isso, essa perna da semifinal do Candangão 2017 está completamente em aberto. O jogo de volta será neste domingo, 15h30, no Abadião.

Dos pés de Elivelto saiu o gol do Ceilândia
Dos pés de Elivelto saiu o gol do Ceilândia

É um chavão, mas o jogo teve dois tempos completamente distintos. No primeiro tempo, o Ceilândia freou o ímpeto do adversário e foi senhor das ações. 

A arbitragem incomodou ao apitar faltas semelhantes apenas para um lado e não foi para o lado do Ceilândia
A arbitragem incomodou ao apitar faltas semelhantes apenas para um lado e não foi para o lado do Ceilândia

O Ceilândia apresentou-se muito bem no primeiro tempo. Consciente, empurrou o adversário para o seu campo de defesa e jogou na intermediária do Paracatu. O time mineiro não ofereceu qualquer perigo na primeira etapa.

Romarinho esteve muito marcado, mesmo assim levou perigo
Romarinho esteve muito marcado, mesmo assim levou perigo

O Ceilândia rondou a meta adversária durante toda a primeira etapa, mas faltou o último passe. Se Não foi possÍvel levar perigo como fruto de jogadas trabalhadas, ao menos foi possível levar perigo em jogadas de bola parada. Assim, o Ceilândia esteve próximo de marcar em duas oportunidades.

Chances no primeiro tempo apenas em bola parada
Chances no primeiro tempo apenas em bola parada

Veio o segundo tempo e o Ceilândia perdeu o controle das ações ofensivas. Antes dos dez minutos, o técnico adversário tirou um volante para colocar um atacante. Nem deu tempo para a substituição adversária fazer efeito. No primeiro ataque, Elivelto cobrou escanteio na cabeça de Badhuga e ele fez Ceilândia 1×0.

Ceilândia foi muito superior no primeiro tempo, mas não foi efetivo
Ceilândia foi muito superior no primeiro tempo, mas não foi efetivo

O gol fez mal ao Ceilândia. A substituição feita pelo técnico do Paracatu demonstrava claramente que ele queria aproveitar o fato de que o Ceilândia marcava muito atrás. O Paracatu era um time claramente dividido em dois setores: defesa e ataque. O Ceilândia facilitou a vida do Paracatu quando passou a marcar na metade do seu próprio campo de defesa.

No primeiro ataque do segundo tempo, Badhuga fez Ceilândia 1 x 0
No primeiro ataque do segundo tempo, Badhuga fez Ceilândia 1 x 0

Com o Ceilândia aceitando o jogo do adversário o Paracatu ficou rondando a meta alvinegra. Em um desses lances, bola lançada na área do Ceilândia e Breno empatou aos 24.

O Ceilândia controu as ações ofensivas do Paracatu, que ficou dependente das bolas paradas. O Gato Preto não incomodou a defesa do Paracatu
O Ceilândia controu as ações ofensivas do Paracatu, que ficou dependente das bolas paradas. O Gato Preto não incomodou a defesa do Paracatu

O jogo prosseguiu na mesma toada. Faltava inspiração para o adversário, para o Ceilândia faltava ambição.

Pouco importa. Em jogos decisivos, mais que a exibição, importa o resultado. Se não encaminhou a classificação, o Ceilândia teve o mérito de levar a decisão para casa.  E em casa, o Ceilândia tem tudo para vencer e chegar à final do Candangão 2017. 

Em 2007, o meio de campo do Gato tinha Didão e Sérgio Manoel

Ceilândia faz contas ao enfrentar o Paranoá dez anos depois

Em fevereiro de 2006, vitória do Ceilândia no JK por 2 x 0
Em fevereiro de 2006, vitória do Ceilândia no JK por 2 x 0

Ceilândia e Paranoá voltam a se enfrentar neste sábado, 15h30, no Estádio Regional, em jogo válido pela última rodada da fase de classificação do Candangão 2017. 

A última vez que os times se enfrentaram foi há quase dez anos, em 28 de abril de 2007: vitória do Ceilândia por 4×2(gols de Luiz Fernando, Anderson (2) e Didão) enquanto Val e Alisson descontaram para o Paranoá).

Em 2007, o meio de campo do Gato tinha Didão e Sérgio Manoel
Em 2007, o meio de campo do Gato tinha Didão e Sérgio Manoel

O histórico do confronto registra superioridade alvinegra, 9 vitórias contra 4 do adversário e dois empates. As quatro vitórias do Paranoá foram registradas em jogos da extinta Taça Brasília, todas por goleada. A maior ocorreu na final da Taça Brasília quando o Paranoá venceu por 6 x 2. 

O Paranoá está atualmente na nona colocação do Candangão 2017 com 11 pontos. Precisa vencer o Ceilândia e torcer para que Luziânia no máximo empate diante do Brasiliense e o Real perca para o Gama.

Em março de 2007, empate sem gols entre Ceilândia e Paranoá no JK
Em março de 2007, empate sem gols entre Ceilândia e Paranoá no JK: no lance, Klécio, que viria a jogar pelo Ceilândia, perde gol feito.

Já o Ceilândia luta no topo da tabela contra Gama e Brasiliense. Os três estão empatados em primeiro com 21 pontos. A diferença entre os três é de um gol no saldo.  A rigor o Gato Precisa vencer o Paranoá por dois ou mais gols de diferença para sonhar com o primeiro lugar. Fora disso, terá que fazer as contas.

Se der a lógica no futebol, e normalmente não dá, o Ceilândia deve enfrentar Luziânia ou Real no mata-mata. Caso não vença, o Gato Preto enfrentaria Sobradinho ou Santa Maria.

 

Alcione foi bem, mas perdeu dois gols que farão falta

Só a vitória interessa na Copa Verde

David substituiu Didão que deve ficar muito tempo fora
David substitui Didão que deve ficar muito tempo fora

O Ceilândia faz nesta tarde de domingo, 16h, a partida de volta dos confrontos contra o Luverdense pela Copa Verde 2017. O Gato Preto precisa vencer o jogo de qualquer maneira, visto que a derrota no jogo de ida deixou o Luverdense com a vantagem do empate.

A partida de hoje colocará frente a frente duas equipes tem sofrido com a maratona de jogos. O time que melhor trabalhou o elenco terá alguma vantagem no jogo de hoje. Tanto o Ceilândia quanto o Luverdense não estarão com suas forças máximas. Precisando do resultado, é provável que o Ceilândia esteja menos desfalcado que seu adversário.

Alcione foi bem, mas perdeu dois gols que farão falta
Ceilândia desperdiçou muitas oportunidades no jogo de ida. Agora, precisa vencer fazendo dois ou mais gols.

O técnico Adelson de Almeida tem anunciado que atuará com um time alternativo. Na verdade, nem tão alternativo assim: os desfalques se devem a problemas físicos. Alguns jogadores recuperados podem voltar, mas o treinador faz mistério.

As alterações feitas por Adelson deixa o Ceilândia um time mais leve e, portanto, rápido no meio de campo, sem modificar muito o estilo de jogo do alvinegro. Precisando vencer fazendo dois ou mais gols, o Gato Preto sabe que a missão é complicada, a Comissão Técnica, contudo, afirma que o time está física e mentalmente preparado para o desafio.

Clécio e Bruno Morais tentaram a marcação alta e não conseguiram

Sete pontos separam Ceilândia e Brasiliense

Seu Luizão trabalhou no Brasiliense antes de se transferir para o Ceilândia (Crédito:Brasiliense FC)
Seu Luizão trabalhou no Brasiliense antes de se transferir para o Ceilândia (Crédito:Brasiliense FC)

Sete pontos separam Ceilândia e Brasiliense. Fora de campo, os times se unem no lamento em face da perda de Luiz Antonio, o Seu Luizão, 57 anos. Seu Luizão trabalhou foi roupeiro do Brasiliense antes de vir para o Ceilândia. 

O Ceilândia sabe que terá pela frente um adversário difícil de ser batido. Líder da competição com 19 pontos, o Brasiliense vem de vencer o Paranoá por  2 x 0 no último final de semana. O Ceilândia tenta levantar a poeira em face dos últimos eventos.

Seu Luizão em seus domínios: o vestiário.

Para os lados da cidade do Gato esperam-se mudanças. O Ceilândia não admite perder e quando perde as mudanças normalmente ocorrem. Faz parte do processo de maturação do elenco. Espera-se que as mudanças, se vierem, que não sejam drásticas.

Didão cuidou do seu lado e foi importante no apoio a Liel nos primeiros minutos
Últimos anos: Muito equilíbrio entre Ceilândia e Brasiiense

Adelson a princípio não tem problemas físicos no elenco. Ao contrário, Matheuzinho está treinando com desenvoltura e espera-se que venha a ser aproveitado em breve.

O jogo acontece no Estádio Regional, às 16h, com público.

Em 2016, duas frustrações: o vice do Candangão...

Ceilândia enfrenta o Brasília. Didão é Cem!

Ceilândia se enfrentaram em Formosa no ano passado. Agora, jogo será em Luziânia
Ceilândia se enfrentaram em Formosa no ano passado. Agora, jogo será em Luziânia

O Ceilândia volta a campo nesta quarta, 15h30, no Serra do Lago, para enfrentar o Brasília. Quatro pontos atrás dos líderes da competição, o Gato Preto precisa provar jogo após jogo que o elenco, titulares e reservas, está à altura dos desafios.

Dividido entre três competições, Adelson coloca o campeonato candango como prioridade, sem tirar os olhos da Copa Verde. Para o desafio desta quarta, o Ceilândia terá o retorno de alguns jogadores dentre eles Wallinson.

Didão também é cem

Em 2006, Didão já estava em seu terceiro ano de Ceilândia
Em 2006, Didão já estava em seu terceiro ano de Ceilândia

Enquanto o treinador do Ceilândia chega a 200 jogos comandando a equipe alvinegra, outra marca é digna de registro. No último final de semana, Didão chegou a 100 jogos como titular da camisa alvinegra. Para se ter uma idéia do quanto essa marca é importante no futebol local basta notar que a primeira temporada de Didão com o Ceilândia foi em 2004.

Ao atingir a marca de 100 jogos, Didão chega ao seleto grupo inaugurado pelo zagueiro Tião da década de 80 e o maior de todos: Cassius. Do elenco atual, Badhuga, como o segundo jogador que mais vezes atuou com a camisa do Ceilândia, conta mais de 100 jogos.

Depois de 4 anos, Didão voltou ao Ceilândia para ser campeão em 2012

Nascido em Brasília em 1981, Didão conta hoje 35 anos de idade.  Começou no Ceilândia ainda em 2003, nos preparativos para a temporada 2004.

Entre 2004 e 2007 foram quatro temporadas consecutivas, mas o título não veio. Em 2005, o Gato Preto ficou com o vice-campeonato ao perder o jogo decisivo para o Brasiliense por 3 x 1. 

Didão se despede em 2014, para voltar em 2016

Didão ficou longe do Ceilândia entre 2008 e 2011. Retornou em 2012 para enfim sagrar-se campeão com a camisa alvinegra. Permaneceu em 2013, mas mais uma vez deu um até logo em 2014. Ficou duas temporadas fora e retornou em 2016 para mais uma vez ser vice-campeão candango com o Ceilândia. 

Em 2016, duas frustrações: o vice do Candangão...
Em 2016, duas frustrações: o vice do Candangão…

Didão inicia 2017 com novas responsabilidades. Com a braçadeira de capitão, o  volante tem a responsabilidade de levar o Gato Preto a mais um título local.

... e a surpreendente eliminação na série D
… e a surpreendente eliminação na série D

Alguns números de Didão: Didão jogou 104 vezes com a camisa do Ceilândia, contando-se apenas jogos oficiais. Dessas, 100 vezes como titular. No total foi substituído 15 vezes, marcou 13 gols. Foi advertido 26 vezes com cartão amarelo e conta uma expulsão (Sobradinho em 2005, empate em 2 x 2). 

A última vez que foi aproveitado como suplente foi em abril de 2013, na vitória por 3 x 0 sobre o Brazlândia. O último gol de Didão com a camisa do Ceilândia também foi em 2013, na vitória de 2 x 1 sobre o Legião.

Didão: o Capitão deve voltar contra o Taguatinga

Ceilândia muda para pegar o Taguatinga

Wallinson é desfalque certo diante do Taguatinga

Ainda sete pontos atrás do líder, o Ceilândia enfrenta o Atletico Taguatinga neste sábado, 16h00, no Regional. O Ceilândia montou um elenco qualificado para o Campeonato Metropolitano e terá a oportunidade de testá-lo nesta sequência de jogos.

O treinador Adelson de Almeida já vem poupando esporadicamente alguns atletas, submetidos que estão a jogos a cada três dias. Para a partida deste sábado, Adelson deve promover o retorno de alguns e a saída de outros.

Felipe Pires contra o Dourados: Jefferson sai na frente
Felipe Pires contra o Dourados: Jefferson sai na frente

Esperam-se os retornos de Didão e Allanzinho, o primeiro poupado diante do Formosa, o segundo recuperado de problemas de saúde.

Uns voltam, outros saem. Dentre os que saem uma certeza: Wallinson não deve enfrentar o Taguatinga. O zagueiro recebeu seu terceiro cartão amarelo na competição. Para o seu lugar, Jefferson é o mais cotado.Gato Preto terá uma grande oportunidade para testar o seu elenco. 

Didão: o Capitão deve voltar contra o Taguatinga
Didão: o Capitão deve voltar contra o Taguatinga

Adelson pode, também, dar uma nova oportunidade a Felipe Bortolucci. O zagueiro atuou apenas diante do Sete e falhou no gol adversário. Bortolucci não pode pagar indefinidamente por um acidente de início de temporada.  Mesmo que Bortolucci tenha evoluído, Jefferson aproveitou a chance diante do mesmo Sete e sai na frente.

Mario esteve abaixo das últimas apresentações: o Ceilândia também

Sete pontos atrás e remo para remar

Cristiano entrou no lugar de Badhuga:não comprometeu
Em 2016, no último confronto: um sofrível 0 x 0 entre Ceilândia e Formosa

Ceilândia vai a Formosa nesta quarta enfrentar o time da casa. Com sete pontos de diferença para os líderes do Candangão 2017, o Gato Preto tem muito tem muito que remar.

Com jogos a cada três ou quatro dias, o  técnico Adelson de Almeida sabe que precisa rodar o elenco para as fases decisivas da competição. No  jogo contra o Luziânia, Adelson já descansou alguns de seus atletas e poupou Didão nos minutos finais.

Há cinco anos que o Ceilândia não enfrenta o Formosa no Diogão. A última vez foi em 2012, na vitória do Gato Preto por 3 x 2. De lá para cá, mais três jogos: vitória do Formosa em 2014, no Serra do Lago, por 2 x 1 e dois empates: 1 x 1  em 2015 no Augustinho Lima e 0 x 0 no Regional em 2016.

Formosa vs Ceilândia EC

Diogo Francisco Gomes
Campeonato Candango

Dudu, Badhuga e Didão são remanescentes do time de 2013

Ceilândia retoma trabalhos: ABC pela Copa do Brasil

No último confronto da Copa do Brasil no Regional o Ceilândia empatou sem gols com o Ceará
No último confronto da Copa do Brasil no Regional o Ceilândia empatou sem gols com o Ceará

O Ceilândia retorna à Copa do Brasil depois de três anos Nesta quarta, 16h, no Regional, o Gato Preto enfrentará o ABC de Natal pela primeira fase da competição nacional de 2017.

O time potiguar vem de uma sequencia de bons resultados com vitórias de 3 x 0 sobre o Itabaiana e goleada por 5 x 1 contra o Potiguar de Mossoró. No último sábado, contudo, o ABC sofreu com a forte defesa do CRB (e com a trave) e empatou sem gols com o time alagoano.

Dudu, Badhuga e Didão são remanescentes do time de 2013
Dudu, Badhuga e Didão são remanescentes do time de 2013: empate em casa (0x0) e derrota em Fortaleza (3×4) para o Ceará

Na Cidade do Gato há a certeza de que o time ainda está longe do ideal. Conquanto não se procure retirar os méritos da vitória sobre o Sete, a Comissão Técnica sabe que o time matogrossense pagou o um preço muito alto por ter jogado na quarta e pela difícil viagem de Dourados até Brasília. Isso se notou no segundo tempo.

 Então, é preciso daro devido peso. Além disso, o ABC vem de uma sequencia de bons resultados, fator que muda em muito a análise.

A Diretoria e Comissão Técnica procuram evitar falar sobre a importância do jogo. Fora de campo, contudo, sabe-se que esse jogo vale muito mais para o Ceilândia que para o ABC. Passar de fase na Copa do Brasil dará ao Ceilândia uma tranquilidade orçamentária excepcional.

Nesta segundo, os atletas passarão por avaliação física e farão treino leve.

Ceilândia precisa vencer para seguir adiante, mas empate sem gols tambem serve

Ceilândia fixa prioridades: avançar fora de campo e avaliar com calma

Ceilãndia decide vaga na Copa Verde neste sábado
Ceilãndia decide vaga na Copa Verde neste sábado

O Ceilândia retorna aos trabalhos nesta segunda para uma sequencia de jogos de mata-mata. No sábado, 16h, o Regional, o Gato Preto enfrentará o Sete de Setembro-MS pela Copa Verde.  Na quarta-feira, dia 15, enfrentará o ABC-RN pela Copa do Brasil.

Início do trabalho é sempre complicado. A avaliação geral é a de que o time vai demorar um pouco para engrenar e que o Ceilândia precisa, nesse momento, avançar um pouco mais na organização fora de campo e  avaliar com calma a evolução do time. As peças ainda não se encaixaram. O técnico Adelson de Almeida avaliou precisar de quatro partidas para que o time ganhe uma cara.

Ceilândia precisa vencer para seguir adiante, mas empate sem gols tambem serve
Ceilândia precisa vencer para seguir adiante, mas empate sem gols tambem serve

No jogo desse sábado, pela Copa Verde, o Ceilândia precisa vencer o Sete. Um empate sem gols também serve. Se conseguir avançar, o Ceilândia enfrentará a Luverdense-MT pela segunda fase.

Já na quarta seguinte dia 15, pela Copa do Brasil, o empate favorece o ABC. O Ceilândia precisará vencer o seu adversário a qualquer custo se quiser seguir adiante na Copa do Brasil.

Adelson tem investido em trabalho mental com Felipe Cirne

4 dias para estreia no Candangão 2017

Adelson tem investido em trabalho mental com Felipe Cirne
Adelson tem investido em trabalho mental com Felipe Cirne para que aceite a liderança técnica do time

O Ceilândia volta aos trabalhos nesta terça-feira com os olhos voltados para a estreia no Candangão 2017, sábado, 16h, no Estádio Regional, contra o Real FC. 

O técnico Adelson de Almeida a princípio terá todo o elenco  à sua disposição, com exceção dos jogadores que ainda se encontram à disposição do departamento médico (Matheuzinho e Luan. Michel é um caso à parte dentro do DM).

David é sombra para Didão
David é sombra para Didão

Com três competições a disputar o elenco precisa mudar a página rapidamente.  O elenco parece ser experiente o suficiente para não se perder em meio à sequencia de jogos. A prática vai demonstrar.

O Real é um time novo no futebol do Distrito Federal. Montado sobre a estrutura jurídica do Dom Pedro, o  Real pouco guarda da antiga equipe.  

Emerson Martins duela com Elivelto sob o olhar de David
Emerson Martins duela com Elivelto sob o olhar de David

A Comissão Técnica do Ceilândia avalia que será um jogo muito difícil. Formado com a base do Brasilia 2016, o Real é treinado por Gauchinho.  O treinador tem feito bons trabalhos nos últimos anos.

Do lado alvinegro a cobrança é mais intensa: Apontado como um dos favoritos ao título, o Gato Preto  tem uma grande sequencia de jogos nos próximos dias. Ganhar aumentará o moral da equipe ao mesmo tempo em que garantirá o respeito dos adversários.